MALTA

MALTA

sexta-feira, 30 de julho de 2010

A ANTÓNIO FEIO

Foi anunciado que o cancro que te devorou o pâncreas te venceu ontem , em Lisboa,pondo fim  aos teus cinquenta e cinco anos de vida.

Conheço-te desde sempre, tenho na memória o garoto talentoso e bonito que aparecia a preto e branco nas peças de teatro transmitidas por uma RTP que tinha muito mais sentido de serviço público do que actualmente.

Tive a oportunidade de te ver sobre o palco ao lado de José Pedro Gomes( com quem formaste um óptima dupla) em várias peças, sendo a derradeira "Dois Amores".

Fui uma das pessoas a aplaudir quando ambos se desmancharam de riso numa das situações mais hilariantes da peça.

Tive uma pena enorme quando soube que essa maldita doença te agarrara e a tua luta contra ela aumentou ainda mais a minha admiração por ti, agora no campo pessoal.

Portanto esta triste nova, tocou-me fundo e tristemente.

Aqui te agradeço todos os bons momentos de humor que me ofereceste assim como o exemplo de coragem e dignidade durante a doença que não conseguiste vencer.

Aplaudo-te de pé!

Que a LUZ esteja contigo!!

sábado, 24 de julho de 2010

À FANTASIA



A faca
De ponta aguda
Da dor
Risca
Fundo
E largo
O claríssimo
Cristal
Dos olhos
Lagunares
Do dia
Em que
Foi assassinada
A derradeira
Fada
Escondida
Entre os dedos
D´uma Criança.

SÃO
("Em Ouro Cru")

sábado, 17 de julho de 2010

REVOLUÇÃO IMERECIDA



"A crise é ideológica.As pessoas são colocadas em situações tão vulneráveis, que se pode exigir tudo.O terror está instalado.

Não merecemos a revolução que tivemos.Os pides andam todos aí, nada foi purgado.

Hoje não se pode ter a certeza de que alguma atitude seja clandestina. O capitalismo só se aguenta assim: mantendo as pessoas a acreditar no inacreditável. Todas as lógicas vão contra as liberdades individuais e colectivas. A televisão é um prenúncio de campo de concentração em casa."

JOÃO MÁRIO GRILO
(Realizador de cinema, Julho 2010)

Nota: Tirei a foto na Avenida da Liberdade(Lisboa) na manifestação de 29/Maio/2010.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

sábado, 3 de julho de 2010

FALHA

"A minha geração regenerou Portugal, mas não passou bem o testemunho. O 25 de Abril desejou muito mais do que aquilo que deu.

Uma pessoa da minha geração que tivesse pensado que, com o 25 de Abril, se alterariam profundamente as coisas, está desiludida, sabe perfeitamente que o 25 de Abril de 1974 não conseguiu atingir os seus objectivos. E que até houve uma regressão."

                                    FAUSTO
                                (Junho 2010)