MALTA

MALTA

quarta-feira, 29 de fevereiro de 2012

December 21 2012

12 comentários:

  1. Tudo se resume ao Direito de SER e Poder SER. Entre ambos o DEVER de respeitar o SER.

    Beijo

    ResponderEliminar
  2. Tão simples, né?

    As melhoras e um estreito abraço

    ResponderEliminar
  3. Olá São
    Li todas as referências para retirar as letrinhas. Acredita que já não sei onde ir mais nem fazer com que elas possam desaparecer.
    Mudei o blogue para os novos parâmetros mas isto só acontece há cerca de dez dias.
    Por favor ensinem-me. Não quero ser peso para ninguém. Esta nova configuração do blogue já tem mais de um ano.

    ResponderEliminar
  4. O Carlos das "Crónicas do Rochedo "sabe como é, se perguntares ele certamente te exolica. è que eu também não sei, porque nunca tive essa função.

    Um abraço e obrigada por tentares, porque aquilo , realmente, é um pesadelo.

    ResponderEliminar
  5. Sao
    Quando a gente ve novamente estas fotos arrepiamos pois o mundo esta aí para a humanidade pensar nele.
    com amizade Monica

    ResponderEliminar
  6. tem razão, minha amiga, as pessoas devem pensar naquilo que as rodeias para tentar minorar o sofrimento, mas anda tudo muito alheado.

    Um abraço amigo, Mónica

    ResponderEliminar
  7. Sãozita
    Arrepiante demais querida!
    Sabes é uma das coisa que mais me assusta na vida, a mãe natureza tem um poder incontrolavel, mas o homem lixa isto tudo.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  8. Olha sempre com imenso respeito estas imagens, os fenómenos naturais muito me assustam...
    Bjs

    ResponderEliminar
  9. O ser humano, minha querida, está estupidamente convencido que é o senhor absoluto da criação!!

    Eu pasmo com tanta arrogãncia.


    Beijinhos, ADELINHA

    ResponderEliminar
  10. A mim também porque nada os pode parar e nem sequer prever como, por exemplo, no caso dos vulcões.

    Um bom dia, LILA

    ResponderEliminar
  11. Muito legal,São!! Ótimo dia, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...