sábado, 2 de novembro de 2013

POEMA - TORO SALVAJE


18 comentários:

  1. ❥°º•.¸

    Bom domingo!
    Boa semana!
    Beijinhos.
    ¸.•°♪♬♫º°

    ResponderEliminar
  2. Agradeço e retribuo.


    Peço-lhe que comente os posts, sim?

    Tudo de bom

    ResponderEliminar
  3. A veces algunos besos deberían matarnos.
    Besos, querida amiga, buena semana.

    ResponderEliminar
  4. Los besos pendientes pesan.... Un abrazo desde Murcia....

    ResponderEliminar
  5. Saudades do que não vivemos, muitas vezes por nossa culpa!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. Excelente! Moça, vc postou muito bem, da zorra! kkkkk

    O Sibarita

    ResponderEliminar
  7. Olá São,

    Gostaria de poder comentar à altura de sua atenção, mas não consegui uma tradução razoável do poema e corro o risco de sair do tema.
    Desculpe-me.

    Grata por sua visita e comentário.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  8. Olá São; belo poema...Espectacular....
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  9. VERA, aqui tem a tradução:

    Fartos de nós dois,
    De tantos orgulhos e desplantes,
    Nossos beijos pendentes
    Têm gana de nos matar.

    Obrigada pela vinda, que espero se repita muitas vezes, rrss

    ResponderEliminar
  10. Grato abraço, SIBARITA, por mim e pelo autor, rrss

    ResponderEliminar
  11. E não são essas saudades as piores?...

    Boa semana, LISA

    ResponderEliminar
  12. Assim é, ALP, e como pesam...

    Tudo de bom

    ResponderEliminar
  13. Morreríamos felizes, não é?

    PEDRO, meu bom amigo, abraço grande para ti

    ResponderEliminar
  14. Palavras com muito "salero"...nobres e valentes!

    ResponderEliminar

  15. Olá São,

    Grata pela tradução.

    Gostei da 'gana de matar' dos beijos pendentes-rsrs.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  16. Eu gosto muito da poesia dele: tem imagens muito originais, rrrs

    Abraços

    ResponderEliminar
  17. MMM`S ...são sim ou não fosse ele da monha cidade de paixão:Barcelona!

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...