terça-feira, 6 de maio de 2008

QUESTÃO


Como
Poderá
O poema
Ser
Um
Circuito
Fechado,
Se
Quem
O
Vive
Ainda
Não
É
Uma
Obra
Acabada?!

45 comentários:

  1. O poema não é circuito e muito menos fechado. Quando muito, poderá ser um curto-circuito, que incendeia a alma.

    ResponderEliminar
  2. Ah, mas o poema esta sempre aberto mesmo, aberto aos sentimentos mais belos e situaçoes inspiradoras sempre!
    Apesar de eu estar numa semana intensa, eu não podia deixar de vim te agradecer o carinho de passar no meu blog, volte sempre que quiser!
    Um abraço,
    Liz

    ResponderEliminar
  3. Rui
    Gostei do curto-circuito!
    Cá o espero.

    ResponderEliminar
  4. LIZ
    Mesmo cercado, o poema abre-se!
    Boa semana, Liz.

    ResponderEliminar
  5. Belo pensamento aqui expresso pelo amigo Rui... sublinho por baixo.
    Beijo de amizade.

    ResponderEliminar
  6. EFENETO
    Também o achei bonito.
    Beijinho, caríssimo.

    ResponderEliminar
  7. Nossa!
    Palavras infinitas para a grandiosidade dessa reflexão.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  8. Subscrevo o comentário do Rui, que em minha opinião diz tudo.

    Beijos

    ResponderEliminar
  9. *
    a poesia,
    tem o seu alvo,
    quem a lê !
    e
    nas suas várias interpretações,
    é, será sempre, uma obra inacabada,
    ,
    conchinhas poéticas
    ,
    *

    ResponderEliminar
  10. AURÉOLA BRANCA
    Minha querida, agradeço suas palavras.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  11. CARMINDA PINHO
    Pois, também gostei muito das palavras do Rui.
    Abraço grande.

    ResponderEliminar
  12. POETA EU SOU
    Sem dúvida, concordo.
    Beijinhos poéticos.

    ResponderEliminar
  13. Vim agradecer a visita e dizer que fiquei muito honrada e feliz!!!! volte sempre!!!!

    ResponderEliminar
  14. "Mesmo que as pessoas mudem e suas vidas se reorganizem,
    os amigos devem ser amigos para sempre,
    mesmo que não tenham nada em comum,
    somente compartilhar as mesmas recordações.
    A gente não faz amigos, reconhece-os."

    Vinícius de Moraes


    E é sempre muito bom passar por aqui,
    meu dia fica mais alegre!

    Beijos doces

    ResponderEliminar
  15. SONIA REGLY
    O sentimento é recíproco!
    Gostarei de ver sempre por aqui!
    Fique bem!

    ResponderEliminar
  16. PEDRO OJEDA ESCUDERO
    Muchas gracias, mi Pedro.
    Besos.

    ResponderEliminar
  17. ROSI GOUVEA
    Minha linda, o meu dia também melhora quando leio as felizes escolhas com que nos agracia!
    Beijos.

    ResponderEliminar
  18. Minha linda amiga
    Passei para me deliciar na tua maravilhosa escrita, e dizer te que nunca esqueço quem guardo no coração!
    Deixo te um beijo doce
    M@ri@

    ResponderEliminar
  19. M@RI@:
    Que boa surpresa estares aqui, querida!
    Também não te esqueço!
    Grande , grande abraço!

    ResponderEliminar
  20. porque um poema nunca é um circuito fechado...deixa sempre sentimentos em aberto
    beijos

    ResponderEliminar
  21. O poema só existe na sua totalidade e enquanto tal quando chega ao leitor e, por este, é descodificado.

    Um abraço.
    Jorge P.G.

    ResponderEliminar
  22. Verdade.
    Uma qualquer obra literária nunca está acabada!
    Beijinho

    ResponderEliminar
  23. Olá,

    Muito obrigado por sua visita ao meu blog, volte sempre que desejar.
    Na verdade eu já tenho um tópico sobre Portugal, você pode conferir no link:
    http://turismoevariedades.blogspot.com/search/label/portugal
    Cordialmente,

    ResponderEliminar
  24. Los poemas se enlazan hasta completar la obra que solamente acaba cuando dejamos de existir...
    ¡Son infinitos!

    ResponderEliminar
  25. CARLA
    Sim , o poema não pretende dar respostas, não é?
    Abraço.

    ResponderEliminar
  26. JORGE P G
    O poema é construído por quem o escreve e por quem o lê, acho.
    Saudações.

    ResponderEliminar
  27. VIEIRA CALADO
    Fico contente por concordarmos.
    Fique bem!

    ResponderEliminar
  28. PEDRO ARAÚJO GUERRA
    Viva!
    Agradeço.
    Espero que também volte aqui.
    Saudações.

    ResponderEliminar
  29. DUARTE
    Muy hermosas, las palabras.
    Saludos.

    ResponderEliminar
  30. obra acabada é que não, nem o poema, não pode mesmo!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  31. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  32. Pressenti o naufrágio
    que me deixou só neste deserto:
    os seus olhos de mar
    já me haviam avisado.

    Uma tempestade de palavras
    silenciosas como convém
    ou ardilosas como lhe convinha,
    espalhou o caos no velame
    e o barco desgovernou-se
    e doeu-me no interior que sou.

    ****

    Uma tempestade de palavras
    Para lhe desejar um fim-de-semana
    Cheio de sonhos concretizados.
    Aproveite e leve uma recordação do
    Ø G®¡†ö ðö Þöë†ä
    Para colocar junto á nossa amizade.

    Deixo um saco de beijos e abraços,
    Façam o favor de escolher e de serem felizes.

    ResponderEliminar
  33. GAIVOTA
    Pobre de quem se considerar obra fechada!
    Feliz fim de seamna.

    ResponderEliminar
  34. EFENETO
    Obrigada , meu caro amigo.
    Lá irei buscar !
    Feliz fim de semana.

    ResponderEliminar
  35. Belo poema, integrado num cenário paradisiaco.
    Bom fim de semana.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  36. já li três vezes mas vou ler mais, que isto não é fácil...

    ResponderEliminar
  37. A forma do poema? boa questão-poema. Quem sabe um espiral numa viagem ao infinito?
    Lindo!
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  38. HERÉTICO
    Devemos ter sempre uma aboradgem holística à vida.
    Abraço.

    ResponderEliminar
  39. Minha amiga ELVIRA os Açores são um bocado de paraíso na Terra.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  40. ANÓNIMO
    Podes ler todas as vezes que queiras...
    Beijos.

    ResponderEliminar
  41. SANDRA FONSECA
    Bem vinda.
    Talvez sim, espiral é uma boa forma...
    Fico esperando seu regresso.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  42. O poema e a abertura da mente, adorei seu blog.
    Parabéns

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...