segunda-feira, 29 de dezembro de 2008

ASSUMPÇÃO

"SÓ NÓS PODEMOS CUMPRIR A NOSSA PRÓPRIA RESPONSABILIDADE !"

António Emídio Banza
(29/12/1919 - 21/4/1999)
Boas saídas, melhores entradas !!

domingo, 21 de dezembro de 2008

"NATAL"



Para vós, que tão generosamente me têm dado o prazer da vossa presença aqui ao longo do tempo, desejo de coração um Natal de paz e harmonia, festividades alegres e um 2009 a transbordar de saúde e amor, em companhia de quem vos estima !!


E porque se festeja a vinda-à-Terra de uma criança marcante para a Humanidade, à Entidade Suprema rogo que encontremos o Caminho !


BEM HAJAM !!

domingo, 14 de dezembro de 2008

" A MANIA DAS GRANDEZAS"

EGIPTO : COLOSSOS DE MEMNON
( 2 de Junho, 2008)





Pois bem, confesso:

fui eu quem destruiu as Babilónias

e descobriu a pólvora...



Acredite,

a estrela Sírius. de primeira grandeza

(única no mercado),

deixou-ma meu tio-avô em testamento.



No meu bolso esconde-se o segredo

das alquimias

e a metafísica das religiões

-tudo por inspiração !



Que querem?

Sou poeta

e tenho a mania das grandezas...



Talvez ainda venha a ser Presidente da República...




JOAQUIM NAMORADO

sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

"BARCOS DE PAPEL"





Navegando barcos de papel

Apanhando sonhos pela proa

Sulcamos oceanos

E tantos desenganos

A saber se a sorte nos atraiçoa



Lá fomos sem ter eira nem beira

Nos rumos que a quimera nos traçou

Caminhos d´incerteza

Soubemos da tristeza

E do pão que o diabo amassou



Nos volteios da nossa miragem

Ó meu amor tão à flor da minha pele

Sabendo que no fundo

Não mudamos o mundo

Só navegamos barcos de papel



Construindo castelos d´areia

Combatendo moínhos de vento

Quixote e Dulcineia

Enredados na teia

Cativos de um tão grande encantamento.





JOSÉ MEDEIROS

( Português dos Açores, talento multifacetado, voz inesquecível)

domingo, 30 de novembro de 2008

"ESTIO"





ESTIO


Horizonte

todo de roda

caiado de sol.


Ao meio

do cerro gretado

esguia cabeça de cobra

olha assobios de lume

sobre espigas amarelas...


(Campaniços degredados

na vastidão das searas

sonham bilhas de água fria!...)


Manuel da Fonseca

( Santiago do Cacém: 15/10/1911 - 11/3/1993)



Manuel da Fonseca praticou a escrita em todos os géneros: jornalismo, conto,

romance, poesia.


Porém, a faceta em que mais se destacou foi a de ser um verdadeiramente excepcional contador de estórias . Facto que eu tive a felicidade de comprovar ao assistir a uma sessão do Partido Comunista Português, no seu Centro de Trabalho no Barreiro .


Para se perceber melhor o contexto em que viveu ( mais correcto seria escrever "sobreviveu") e sofreu José da Graça Cabrita na explorada e mártir região alentejana, aconselho a leitura das seguintes obras de Manuel da Fonseca: " Cerromaior"( com adaptação ao cinema) e " Seara de Vento", além das suas "Crónicas Algarvias", só publicadas após a Revolução dos Cravos.


E, por favor, que mais ninguém tenha a veleidade de se rir com anedotas preconceituosas sobre as gentes do Alentejo!

sexta-feira, 21 de novembro de 2008

DÉCIMAS


I
I

Passei vida amargurada,

o meu mal já não tem cura,

só o tem na sepultura

com o remédio da enxada.

A morte está demorada,

a morte de mim se esquece;

se este favor me fizesse,

que esmola que me fazia,

se fosse já hora e dia

que a morte por mim viesse!



II


Trago uma coisa comigo,

só Deus e eu é que a sei;

não estou conforme com a lei

desta tristeza em que vivo.

Tenho um génio muito activo

e, castigado neste imposto,

a testemunha é meu rosto:

tenho as minhas canhas brancas

e pelas paixões serem tantas

morria com muito gosto.



III


Ninguém uma luz me acende!

Depois que o dia se acabe

porta minha não se abre,

só procuro algum alpendre.

Se alguém me não compreende,

eu o vou esclarecer:

é a vida sem prazer

e sem esperança no futuro;

que eu vivo sempre no escuro,

nasce o Sol, torna a nascer.



IV


P´ra tudo quanto é nascido

dizem que o Sol alumeia,

mas uns têm a casa cheia

e outros o chão varrido!

Está isto mal dividido,

o mundo está mal composto.

Uns vivendo com desgosto,

outros com muita alegria;

p´ra estes é sempre dia ´

p´ra mim é sempre sol-posto!



JOSÉ DA GRAÇA CABRITA


( Alentejano, analfabeto, maltês)


domingo, 16 de novembro de 2008

LEGENDA

EGIPTO: Templo de Luxor
( 2 de Junho, 2008)




Façam ruínas

do que me afirmo, espalhem ao vento as cinzas

do que sou:

na parcela mais remota do que fui

estou!



JOAQUIM NAMORADO

domingo, 9 de novembro de 2008

Pensamento

"A educação é um acto de paciência e persistência, como se sabe, e quem está de passagem cansa-se."

ANTÓNIO CANHÃO
( Professor)

segunda-feira, 3 de novembro de 2008

ESPIRITUALIDADE MAIA

Após dançarem em círculo, "Los voladores" sobem o mastro.


Já no topo, também ao som de música, começam a rodar....

e, presos por um pé a uma simples corda,
iniciam a descida em lentos círculos...
de cabeça para baixo.
E assim prestam preito ao mítico Homem-Pássaro.

POEMA RELIGIOSO MAIA
Toda luña, todo año

Todo día, todo viento,
Camina e pasa también.

También todo sangre
Llega al lugar de su quietud...
Nota: as fotos foram tiradas em Tulum( 7/10/2008)

domingo, 26 de outubro de 2008

A DEUSES, SANTOS E AFINS...

MÁSCARA DE DEUS MAIA


Os deuses são felizes.

Vivem a vida calma das raízes.

Seus desejos o Fado não oprime,

Ou, oprimindo, redime

Com a vida imortal.

Não há

Sombras ou outros que a contristem.

E , além disto, não existem...


FERNANDO PESSOA

("Poesias Inéditas - 1919/1930)

domingo, 19 de outubro de 2008

CHICHÉN-ITZÁ

Chichén-Itzá, isto é, " a boca do poço dos xamãs da água" foi fundada pela poderosa civilização maia em 435 depois de Cristo, na península de Iucatão, México.
É considerada Património Cultural da Humanidade e foi escolhida como uma das sete maravilhas do Mundo.
Esperando o vosso apreço( que será maior se clicarem para aumentarem as imagens),aqui vos deixo testemunho de algumas das razões que motivaram tão merecida distinção, como as captei mo tórrido 8/10/2008:

" O Caracol" é a nossa primeira visão da cidade, ainda no seu exterior : era observatório astronómico.Jamil,guia estupendo e de grande sentido de humor,mostrando já no interior da cidade o mapa da mesma aos "amigos da cultura, que não ficam só nos hóteis e assim me dão trabalho.".

Banho de vapor, situado na zona frequentada pela população em geral.

Zona do Mercado, também acessível às pessoas comuns.

Templo dos Guerreiros e Grupo das Mil Colunas, do lado direito.


Chac Mool, símbolo do fogo divino, no cimo do Templo dos Guerreiros.
Só é vísivel de frente para o monumento e a certa distância do mesmo.

Templo dos Jaguares, junto ao campo do Jogo da Pelota.



Escadaria principal da Pirâmide de Kukulcán - "A Serpente Emplumada" e Templo dos Guerreiros.




Jogo da Pelota, o maior da América Central : 146 m de comprimento por 36 de largura.Ao fundo, o Templo Norte ou do Homem Barbado.





Detalhe das figuras de um dos muros do Campo de Jogo da Pelota: junto ao símbolo da morte, o sangue de um jogador decapitado jorra em forma de serpentes.



A 8 m de altura, encontra-se este anel de pedra em forma de serpente enroscada , sobre as figuras atrás detalhadas. Na parede em frente, existe outro arco igual.A bola deveria passar por dentro dos aros.



Pirâmide da Serpente Emplumada, onde nos equinócios e sobre a escada da fachada principal ( à esquerda da imagem) se desenrola um fascinante e complexo jogo de sombra e luz.

quarta-feira, 1 de outubro de 2008



"A Terra, não o céu, é a nossa missão. Uma terra que está programada para ser um paraíso, que nunca chegou a ser, no passado, mas que terá que ser, no futuro, nem que seja à custa de muito suor e lágrimas, de muito sangue, de muito disparate nosso, de muitos erros, de muitos equívocos, de muito infantilismo. Numa palavra, à custa de um uso, mais ou menos saudável ou mais ou menos demente, da nossa liberdade pessoal e colectiva."


Padre MÁRIO OLIVEIRA

Para melhor conhecimento aqui deixo o link de PADRE MÁRIO de Macieira da Lixa:
Até breve!

domingo, 28 de setembro de 2008

"ES VERDAD"





Ay qué trabajo me cuesta

quererte como te quiero!

Por tu amor me duele el aire,

el corazón

y el sombrero.



Quién me compraría a mi,

este cintillo que tengo

y esta tristeza de hilo

blanco, para hacer pañuelos?



Ay qué trabajo me cuesta

quererte como te quiero!


FEDERICO GARCIA LORCA
( 5/6/1898 - 19/8/1936)

segunda-feira, 22 de setembro de 2008

"LEGADO"


( 22/9/1949 - )


LEGADO




Tenho gelo

A crescer

Por dentro

Das veias

E

Pesado manto

Sobre os ombros:

Não desconheço

Que

A minha barca

Começa a sulcar

Os atalhos

Da mais longa viagem.




Sem ignorar os sinais

Lego como herança

A certa certeza

De que

Só o amor

Liberta e dá voz

À divindade

Dentro de nós!


São ( "Em Ouro Cru")


NOTA:
A foto foi tirada no Egipto em 2008

domingo, 14 de setembro de 2008

"AMIGA"


AMIGA


Para cristal te quiero,

nítida e clara eres.

Para mirar al mundo,

a través de ti, puro,

de hollín o de belleza,

como lo invente el dia.

Tu presencia aquí, sí,

delante de mí, siempre,

pero invisible siempre,

sin verte y verdadera.

Cristal! Espejo, nunca!



PEDRO SALINAS

(27/11/1891 - 20 /12/1951)






Descobri Pedro Salinas entre Federico Garcia Lorca e Pablo Neruda na antologia "Amor" e fiquei maravilhada.


Desejo que também a vós , esta bela poesia vos conquiste!

domingo, 7 de setembro de 2008

KAFKA : PENSAMENTO



" Se o livro que lemos não nos acorda com um murro no crâneo, para quê lê-lo? Para que nos faça felizes, como escreves? Por Deus, sê-lo-iamos da mesma maneira se não tivéssemos livro nenhum, e, se fosse necessário, poderíamos escrever os livros de que precisamos para sermos felizes.

Muito pelo contrário, necessitamos de livros que sobre nós exerçam uma acção idêntica à de uma desgraça que muito nos tenha afligido, tal como a morte de alguém que amássemos mais do que a nós próprios, como se fôssemos proscritos, condenados a viver nas florestas, afastados de todos os nossos semelhantes, como num suicídio - um livro deve ser o machado que quebre o mar congelado em nós.

É assim que eu penso."

FRANZ KAFKA
( 1883 - 1924)

domingo, 31 de agosto de 2008

" O SÍMBOLO DA PAZ"





Meus amigos se vêdes vossos passos


Ouvirem eles chegar à minha casa


Meus amigos entrar em nossos espaços


Serem eles estar a minha pessoa


Como o grande triângulo


Dos quatro quadrantes.
Joaquim Leote
(4-9-1984)

domingo, 24 de agosto de 2008

CONSTATAÇÃO


" Quando alimento os pobres chamam-me santo.
Quando pergunto porque não têm comida chamam-me comunista."
Hélder da Câmara
(Bispo brasileiro)

terça-feira, 19 de agosto de 2008

Para festejar este Dia Mundial da Fotografia aqui vos deixo o magnífico pôr-do-sol a que assisti em Maiorca(Ilhas Baleares), a 29 de Junho de 2008.

Boas fotografias!

quarta-feira, 13 de agosto de 2008

"DESERTIFICAÇÃO"



O amor seca aos poucos nos pegos da rotina:

a púrpura desmaia sob as patas do tempo

enquanto o fascínio perde sedução e mistério

no ventre da areia onde sufoca o fluir da água

no coração das sombras.

SÃO (3 /9/1984)

domingo, 10 de agosto de 2008

"O VATICANO CONTRA CRISTO"


"O vaticanismo actual é a contrafigura do que deveria ser a essência da verdadeira Igreja de Cristo no terceiro milénio: pobre, despojada, crucificada, afastada dos faustos do poder que lhe são inadequados; humilde ao lado dos homens, desprezadora dos poderosos, enquanto o forem."

I MILLENARI

domingo, 3 de agosto de 2008

FOME



O mundo tem fome!


Fome de alimento...


Fome de justiça...


Fome de paz...


Fome de amor...


Quem o alimentará, se o caos está aí, instalado e bem nutrido?!...
Não quero nem posso perder a esperança, mas tudo está muito complicado, sem dúvida!



Agradeço muito a Encarna y Jesus o terem-me permitido enriquecer o texto com a estupenda imagem que o ilustra!

O endereço é:



Bem hajam!

domingo, 27 de julho de 2008

LOUCURA



Louco é aquele que queira pôr fim à loucura do amor,

Porque o Sol correrá com cavalos negros,

a terra extraírá trigo da cevada,

a corrente fluirá ao encontro da fonte...


E antes que o coração conheça a moderação,

os peixes nadarão em rios secos.


EZRA POUND

terça-feira, 22 de julho de 2008

NOCTURNO





No calmo silêncio da noite que passa

Os sonhos vagueiam sem rosto nem corpo :

Só saudades vadias perpassam no coração que resiste...


São

terça-feira, 15 de julho de 2008

"FILIPA DE LENCASTRE"



Venho falar-vos do romance histórico escrito pela jornalista Isabel Stilwell sobre Philippa of Lancaster, sobrinha de Eduardo de Inglaterra( o Príncipe Negro), mulher de D. João I de Portugal e mãe da ínclita geração.


Como já disse anteriormente, tudo quanto aqui partilho convosco, baseia-se na minha análise pessoal e subjectiva e no facto de ser uma leitora compulsiva desde a infância. Neste caso, devo acrescentar ainda a minha paixão por História e o meu gosto por romances históricos.


Os romances históricos têm a capacidade de nos aproximar de factos reais e de humanizarem as figuras que, de um modo ou de outro, nos aparecem distantes e só enfocadas naquilo que as tornou conhecidas . Além disso, o género permite uma liberdade que, por exemplo, a biografia não comporta.


Enquanto a biografia deve ser imparcial, o romance histórico ( embora seguindo a verdade histórica) permite a quem escreve suavizar o lado mais escuro das pessoas intervenientes. E até fazê-las cruzar com personagens totalmente ficcionadas.


É o que a autora aqui faz, de uma maneira muito interessante e servida por uma escrita agradável, fluida e que nos prende a atenção.


É bem clara a simpatia que Isabel Stilwell nutre por esta princesa inglesa que deu um novo rumo à corte portuguesa. E que faz questão de acompanhar , na primeira parte da obra, desde a infância. Enquanto na segunda parte nos dá a vida da Plantegeneta enquanto soberana .


E é neste dia em que se completam 593 anos da morte, por peste negra, da rainha com que se iniciou a dinastia de Avis que vivamente recomendo a leitura deste livro.


Antes de acabar, só acrescento que o Tratado de Windsor vigora desde essa época e que, pessoalmente, considero que tem sido desastrosa para nós por muitas razões esta aliança de séculos com Inglaterra.


Fiquem bem.

quinta-feira, 10 de julho de 2008

"ESCONDERIJO"




Dentro do verso

M´escondo

Atravessando a luz

Rumo à origem

Desta água

Onde perco as sendas

Dos espelhos

Quando fito a verdade

Nos olhos da morte.


São ( 6 de Março , 1985)

quinta-feira, 3 de julho de 2008

MEDITERRÂNEO

















Espero que estas imagens do Mediterrâneo, mar-berço da civilização, vos agradem tanto como a mim.
Feliz fim de semana.

sexta-feira, 20 de junho de 2008

SAMEIRO, BRAGA
















Nestes dez dias em que vou estar ausente, deixo-vos imagens de uma região portuguesa que muito me agrada : Minho.
Mais concretamente, as fotos tirei-as no Santuário de Nossa Senhora do Sameiro, cujo panorama é magnífico, particularmente sobre a cidade de Braga.Que, infelizmente, não tive oportunidade de visitar desta vez.
Um abraço.