sexta-feira, 5 de dezembro de 2008

"BARCOS DE PAPEL"





Navegando barcos de papel

Apanhando sonhos pela proa

Sulcamos oceanos

E tantos desenganos

A saber se a sorte nos atraiçoa



Lá fomos sem ter eira nem beira

Nos rumos que a quimera nos traçou

Caminhos d´incerteza

Soubemos da tristeza

E do pão que o diabo amassou



Nos volteios da nossa miragem

Ó meu amor tão à flor da minha pele

Sabendo que no fundo

Não mudamos o mundo

Só navegamos barcos de papel



Construindo castelos d´areia

Combatendo moínhos de vento

Quixote e Dulcineia

Enredados na teia

Cativos de um tão grande encantamento.





JOSÉ MEDEIROS

( Português dos Açores, talento multifacetado, voz inesquecível)

104 comentários:

  1. Lindos, São, imagem e texto. Belas escolhas!!! :) Bom fim de semana, fica bem.

    ResponderEliminar
  2. ÁRABE
    Grata te fico, Mestre!|
    Que tenhas um fim de semana excelente.

    ResponderEliminar
  3. SEI QUE EXISTES
    Obrigada.
    Bom fim de semana prolongado.

    ResponderEliminar
  4. Linda a foto... lindo o poema.

    Bom fim-de-semana, São.

    Beijos daqui.

    ResponderEliminar
  5. GMV
    Olá, companheira!
    Ainda bem que gostou.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  6. São, já viajei muito pela minha infância em barquinhos de papel.
    É certo que não mudamos o mundo, mas ao sonharmos, tornamos ele melhor...

    Tem um ótimo final de semana, querida
    um beijo

    ResponderEliminar
  7. Tens toda a razão, companheira!
    Para ti, por sobre o ocaeno, os meus parabéns pela foto nova.

    ResponderEliminar
  8. Que bonito! Quantas saudades!!!
    Quantos momentos me fizeste reviver com uma simples imagem e uns versos. Era precisamente quando chovia que fazia com que meus barcos de papel corressem à deriva pelas valetas daquela rua donde nasci...

    Gostei muito do poema deste amigo açoriano...

    Para ti querida amiga um forte abraço e bom fim de semana

    ResponderEliminar
  9. Um encanto...um encanto cheio se simplicidade.

    Um beijo doce São

    ResponderEliminar
  10. Meu caríssimo DUARTE, pois foi por também partilhar essas doces memórias que fiz o post, sabes?
    Um óptimo fim de semana para ti!

    ResponderEliminar
  11. MEU DOCE AMOR
    A simplicidade é sempre a coisa mais bela, não é?
    Bom fim de semana prolongado.

    ResponderEliminar
  12. Incomparável São!
    Revigorante escolha.
    Grata pela força
    Abraço inteiro no Cosmo

    Mariz

    ESPAVO!

    ResponderEliminar
  13. ...

    Um poema com um sentir muito particular.

    Um abraço

    ResponderEliminar
  14. Querida MARIZ, agrtadeço e retribuo...
    Bom fim de semana prolongado.
    NAMASTÉ!

    ResponderEliminar
  15. UM POEMA
    Zeca Medeiros é especial...
    Bom fim de semana prolongado.

    ResponderEliminar
  16. Uma verdadeira realidade
    este poema.
    Tantas descobertas, de coisas já existentes. A saber que a sort nos atraiçoou
    Gostei
    Um beio

    ResponderEliminar
  17. ...tantas vezes, a sorte nos atraiçoa, não é?
    Até sempre.

    ResponderEliminar
  18. josé medeiros, gosto muito. tenho discos e já assisti a espectáculos em lisboa.

    ResponderEliminar
  19. barcos de papel
    sonhos de papel
    vidas de papel
    tudo tão fácil nesta existência
    mas que seria da vida sem sonhos
    ainda que de papel
    beijos

    ResponderEliminar
  20. MARGARIDA MUITO DESFOLHADA
    Ai, que eu morro de "invejinha" pura!!
    CD trouxe dos Açores em 2007 e falhei encontrá-lo no bar do Hotel por meia hora, que desgosto!!
    Se souber de um espectáculo dele , POR FAVOR, avise-me, sim?
    Bom resto de fim de semana prolongado

    ResponderEliminar
  21. Pobre de quem (já)não sonha...
    Abraços, linda.

    ResponderEliminar
  22. Lindos barcos de papel construi quando era pequena e depois para as filhas e tinham um encanto, eram meus brinquedos pois outros não haviam, belos tempos.Abraço com um sorriso, beijinho e bfs

    ResponderEliminar
  23. barcos de papel...

    fez-me recordar o sentimento de plena satisfação quando consegui fazer um pela primeira vez...

    belíssimo blog!

    =)

    ResponderEliminar
  24. Fantásticos imagem e texto...


    Doce beijo

    ResponderEliminar
  25. Maravilhosa metáfora com o barco de papel.
    Cadinho RoCo

    ResponderEliminar
  26. PICO MINHA ILHA
    E talvez fôssemos mais felizes do que estas crianças sobrecarregadas com instrumentos tecnológicos...
    Abraço.

    ResponderEliminar
  27. CADINHO ROCO
    Apreciou? Agradeço.
    Fique bem.

    ResponderEliminar
  28. Te agradeço, muito, PROFETA!
    Resto feliz de fim de semana prolongado.

    ResponderEliminar
  29. ANDREIA RODRIGUES
    Uma conquista satisfaz sempre, não é? rrrss
    Obrigada por assim achar.
    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
  30. Querida São...
    obrigada pela tua presença, lá no meu canto, em momentos menos bons da minha vida...

    Que belo poema...
    ... navegamos quimeras em barcos de papel...

    Um beijo grande para ti...

    ResponderEliminar
  31. Olá querida São, belo espaço, nunca aqui tinha vindo... As minhas desculpas Amiga!
    Obrigada pelo comentário a Florbela Espanca... Beijinhos de carinho e ternura,
    Fernandinha

    ResponderEliminar
  32. Olá querida São, belo espaço, nunca aqui tinha vindo... As minhas desculpas Amiga!
    Obrigada pelo comentário a Florbela Espanca... Beijinhos de carinho e ternura,
    Fernandinha

    ResponderEliminar
  33. Nada há para que peças desculpas, Fernandinha!Nada, mesmo.
    E cada vez que aqui vieres será, para mi, uma alegria!
    Beijinhos, querida!

    ResponderEliminar
  34. Querida ALICE, fico com pena por estares com problemas.
    Espero sincewramente que os resolvas depressa e bem.
    Bem hajas!

    ResponderEliminar
  35. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  36. bonito poema, a la vez reflexivo de nuestro navegar por estos mundos...
    Muaks
    Encarna

    ResponderEliminar
  37. Olá São,
    Belo poema!!!
    Falar em barquinho de papel e trazer ao presente as mais belas lembranças do passado.
    Os singelos briquedos, são levados pela correnteza, porém jamais deixarão de navegar em nossas lembranças.
    Carinhosamente,
    Dalinha.

    ResponderEliminar
  38. essa é que é a magia do encantamento,lutar-mos sempre contra moinhos de vento e viajar em barcos de papel...na praia termos o nosso castelo porque areia não falta,podem vir ventos e marés...haverá sempre sonho transformando realidades...
    abraço de duartenovale.belo texto fiquei um pouquito mais rico,obrigado.

    ResponderEliminar
  39. Compenetração total.
    Foi uma boa ideia.

    Abraços

    ResponderEliminar
  40. chequei agora, preocupada comigo... o que seria de todo impossível, noutros tempos... não tinha tempo, agora tenho tempo demais, até para estar doente... e trazes por aqui um homem dos açores, das ilhas onde me perderia de encanto, para sempre...num barco de papel, talvez não... mas de qualquer outra maneira...
    lindo, lindo, lindo
    beijinhis, xará

    ResponderEliminar
  41. São
    É lindo poema de José Medeiros.
    Os barcos de papel navegando em sonhos, recordaram-me as belas cartas apaixonadas que enviava e recebia nos verdes anos (verdes como a esperança) da juventude que atracaram nos castelos construídos com elas, foram inesquecíveis viagens de sonho naqueles barcos de papel. Obrigado pela viagem que me proporcionou ao publicar este poema.

    Beijos
    Carlos Rebola

    ResponderEliminar
  42. Desculpe, mas ando com pouca inspiração.

    Bom dia para si.

    ResponderEliminar
  43. É sempre um prazer visitar o seu cantinho.

    Parabéns pelos belos poemas...

    Bom resto de fim de semana.

    ResponderEliminar
  44. E tantos desenganos
    -----------
    A vida é mesmo isso. Talvez seja um dos factores que a torna 'interessante'.
    Fica bem.
    E a felicidade por aí.
    Manuel

    ResponderEliminar
  45. Beleza moça essa postagem!

    Me remete a infância, demais!

    bjs
    O Sibarita

    ResponderEliminar
  46. Um belissimo poema, emoldurado de uma não menos bonita imagem.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  47. Olá São, bela imagem...Belo poema...Espectacular...
    Beijos

    ResponderEliminar
  48. ... navegações feitas de sonhos e de muita poesia.

    Óptima semana!

    ResponderEliminar
  49. Passando e deixando aquele abraço nosso!
    MAriz

    ESPAVO!

    ResponderEliminar
  50. São,
    não conhecia! gostei tanto deste poema! é vivo e tão real!
    Obrigada por partilhar.

    boa semana
    um sorriso :)
    mariam

    ResponderEliminar
  51. são,
    agora não dei de nehnum. os que vi foram, o primeiro numa associação no Regueirão dos Anjos, em Lisboa. o outro no teatro da Malaposta ao fundo da calçada da Carriche. se souber de algum não me esquecerei de avisar.

    ResponderEliminar
  52. Muchas gracias por tu visita y comentario en mi blog. Un saludo

    ResponderEliminar
  53. Bem vinda.
    Muchas gracias pela presencia.
    Até breve, espero.

    ResponderEliminar
  54. Muito grata te fico desde já. MARGARIDA .
    Bem hajas!

    ResponderEliminar
  55. C VALENTE
    Gostei que tivesse gostado.
    Saudações.

    ResponderEliminar
  56. MARIAM
    E se o ouvisse cantado pela voz rouca e profunda do autor, creio que ainda gostaria mais.
    Beijos.

    ResponderEliminar
  57. JESUS Y ENCARNA
    Concordo, sabes?
    Muaks (?) y abrazos.

    ResponderEliminar
  58. DALINHA CATUNDA
    Concordo de todo: as memórias das coisas tão simples da nossa infância ficam sempre no nosso coração.
    Bem haja!!

    ResponderEliminar
  59. MARIZ
    Agradeço e retribuo, companheira!
    Namasté!

    ResponderEliminar
  60. LEGÍVEL
    ...e alguns naufr+agios, desgraçadamente.
    Esteja feliz|

    ResponderEliminar
  61. CHANA
    Gostei muito de lhe ter agradado!
    Seja feliz!!

    ResponderEliminar
  62. Vindo de si é um grato elogio, amiga ELVIRA.
    Abraços .

    ResponderEliminar
  63. SIBARITA
    É , não é?
    Beijinhos, meu bem.

    ResponderEliminar
  64. DE PROPÓSITO
    A vida é uma mscla de luz e sombra, não é?
    Saudações.

    ResponderEliminar
  65. Espero que me dê sempre o prazer de ver navegar a sua barca por aqui, NAVEGADORA...
    Bem haja!

    ResponderEliminar
  66. DUARTE NO VALE
    Os sonhos são aquilo que consegue transformar tudo, não é?
    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
  67. DUARTE
    Sintonia nossa, companheiro.
    Abrazos.

    ResponderEliminar
  68. CARLOS REBOLA
    Posso assinar por baixo?
    Um abraço, grande!

    ResponderEliminar
  69. DONA TELA
    Anda?! Mas é só quando aqui desembarca? Desejo que não!
    Fique bem.

    ResponderEliminar
  70. GAIVOTA
    Preocupada contigo também eu, agora, estou!
    Porque a saúde é um bem precioso, o melhor de todos para mim.
    Espero sinceramente que nada seja de grave.

    Deus esteja contigo, xará!

    ResponderEliminar
  71. Uma voz sempre presente na alma açoriana!

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  72. Espero que pelo menos o salva-vidas seja num material mais flutuável... Beijoca!

    ResponderEliminar
  73. Que bom conservares o humor...
    Fica bem.

    ResponderEliminar
  74. nesse barco navego...feito de sonhos de papel na incerteza dos dias
    beijos

    ResponderEliminar
  75. Olá
    Só para saber do que se trata copiei o seu comentário.

    Muito interessante!

    Mas, peço desculpa, não será ESOTÉRICA o título?!

    Saudações.

    Esotérico - Todo o ensinamento ministrado a círculo restrito e fechado de ouvintes. Saber secreto. Em oposição, exotérico é o saber público, aberto a todos.


    Não gostei foi das letras: é a quarta tentativa!! Esta parte eu não entendi!

    Imagino que as letras sejão para postar comentários...vou rever isto!

    Um beijo e obrigada pelo carinho

    ResponderEliminar
  76. Mas o papel dos teus sonho é de fantasia bem linda, CARLA!
    Fica bem.

    ResponderEliminar
  77. APENAS CLÁUDIA

    Bem vinda seja !

    De facto, as letras são para copiar obrigatoriamente, caso contrário o comentário não entra.E torna-se aborrecido, porque , mesmo quando se consegue à primeira é perda de tempo. Especialmente quando se encontra o sistema em vários blogues(quase) de seguida.

    Agradeço ir tratar disso e, também, o esclarecimento.

    Mas agora, se não se importa, digo-lhe que o sentido de interioridade subjacente ao esoterismo não se perde quando é divulgado a um maior público. E assim não se transforma em exoterismo, que é outra forma de encarar determinados temas.

    Até breve, espero.

    ResponderEliminar
  78. *
    o papel das quimeras,
    ,
    já li José Medeiros,
    ,
    um belo post amiga,
    ,
    gostei da sugestão
    dada á dona tela,
    sou incapaz de o fazer
    especialmente quando
    é uma senhora,
    ,
    conchinhas
    ,
    *

    ResponderEliminar
  79. Obrigada por gostares e pelo apoio à sugestão.
    Eu fico aborrecida quando as pessoas chegam a qualquer que seja blogue e nem se dão ao trabalho de comentar o que lá está, limitando-se a propagandear o que escrevem no seu.
    Se me calha a mim, pior.E se repetem a "graça", acabam por ter a resposta, claro!
    Beijinhos ao sabor do vento, companheiro!!

    ResponderEliminar
  80. Olá São, obrigada pela visita. Adorei o poema e é sempre bom conhecer novos autores, principalmente da terra de meus ancestrais.
    Um beijo!

    ResponderEliminar
  81. E com este poema se vêaté onde a imaginação nos pode levar...
    bjs

    ResponderEliminar
  82. CLAUDINHA
    Bem vinda!
    Ainda bem que gostou e espero que conheça os Açores, pois são uma maravilha.
    Até breve, espero.

    ResponderEliminar
  83. LENIB
    Bem vinda!
    A imaginação é um oceano profundo, não é?
    Até sempre.

    ResponderEliminar
  84. na navegação em barcos de papel
    sonhamos os nossos sonhos vagos,
    vagos sonhos em água salgada embrulhados.
    somos nós de papel, tal como os barcos?

    São bonitas as palavras

    ResponderEliminar
  85. Muito lindo este poema do José Medeiros, Não é precisos er-se muito culto? é o que vemos.
    Obrigada pelas palavras...estou nos blogues junto dos que amo, em casa não há ninguém quase...os filhos, uma vem amanhã, o rapaz so em janeiro, mas, estão cá dentro, sempre..beijinho.

    ResponderEliminar
  86. Maravilha de poema e foto!!!!
    Obrigada pela partilkha
    Jinhos mil

    ResponderEliminar
  87. são barcos de papel
    em manhã de inverno

    gostei
    vou voltar

    ResponderEliminar
  88. poderão frágeis barcos de papel conduzir a bom porto?

    .

    ResponderEliminar
  89. Passei para saber da minha amiga...??? Só!
    Beijo meu
    Tem o meu mail caso precise de mim.
    MAriz

    ResponderEliminar
  90. SÄO je je je je
    MUAKS... MUAKATONS.... son BESOS, BESICOS, PETONS Y PETONETS, pero con ruido!!!!!
    Molts Petonets
    Encarna

    ResponderEliminar
  91. O seu blog é muito bonito.
    Sei que costuma visitar o blog “A Casa da Mariquinhas”.
    A Mariazita é minha colaboradora, assim como a Paula.
    Gostaria de receber a sua visita no meu blog, que “nasceu “ no dia 1 deste mês.
    Parabéns pelo seu blog. É muito bonito.
    Bjs
    Líria

    ResponderEliminar
  92. BLACK ANGEL
    Bem vinda!
    Nós, de papel? Não , acho que não.
    Bom domingo.

    ResponderEliminar
  93. LÍRIA
    Agradeço e retribuo o convite.
    Aliás, já lá fui ler Torga e Espanca.
    Obrigada por gostar e cá a espero.
    Bom domingo.

    ResponderEliminar
  94. JESUS E ENCARNA
    rrrsss Mercies, guapa!
    Em ptruguês, eu digo " Beijinhos estaladinhos": o meu filho adorava!
    Bom domingo.

    ResponderEliminar
  95. De coração lhe agrdeço a preocupação...mas é só falta de tempo.

    Bem haja, MARIZ!!

    Namasté!

    ResponderEliminar
  96. PRONT ´HABITAR
    DEvolvo a pergunta, rrrrsss ...
    Bom domingo.

    ResponderEliminar
  97. HEATHCLIFF
    Pois o receberei com gosto.
    Fique bem.

    ResponderEliminar
  98. MARIA CLARINDA
    Gostei do teu apreço.
    Bem hajas!

    ResponderEliminar
  99. LAURA
    De uma ou outra maneira, os filhos restam sempre dentro de n´so, não é?
    Um bom domingo,linda!

    ResponderEliminar
  100. Uma certa nostalgia por viver "isolado" numa ilha.
    Por isso a partida dos barcos de papel, para amainar a tristeza e alongar-se pelo Oceano ... dando corpo à imaginação.

    Tenho sempre o rádio na Antena 1.
    Foi banido.
    Há muito, mas muito que não o oiço.
    E só transmitem praticamente música portuguesa.

    É esse isolacionismo que parte a vogar ...

    ResponderEliminar
  101. Estupendo o seu comentário, meu caro!
    Um abraço e votos de saúde recuperada.

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...