MALTA

MALTA

quinta-feira, 10 de março de 2016

EXPOSIÇÃO "O REGRESSO DAS BANDEIRAS "










Sou de Esquerda assumidamente, como quem me dá o gosto da sua companhia nos meus espaços sabe  desde sempre.

Também é conhecido que não possuo filiação partidária, porque penso pela minha própria cabeça e não tenho pachorra nem cintura para jogos e actividades afins.

Vivo desde os sete anos no Barreiro e conheço muitissimo bem a terrível realidade das condições de trabalho aqui existentes. Aliás, como sei o tratamento  desumano  que quem trabalhava no campo recebia dos grandes latifundiários alentejanos. 

Só depois de 25 de Abril  de 1974, se reconheceram a dignidade do trabalho e os direitos de quem trabalhava.

Não surpreende , portanto, que o Partido Comunista Português (PCP)  tenha ainda hoje uma forte presença em todas as zonas operárias.

Podemos não nos encontrar na sua linha ideológica como eu não me encontro, mas não podemos , por uma questão de justiça, esquecer  a luta e o sofrimento que os seus e as suas militantes e simpatizantes suportaram durante toda a ditadura salazarista .

Por essa razão, trago aqui a Exposição sobre  a actividade clandestina levada a efeito por elementos comunistas na madrugada de 28/2/1935 em que panfletos com reivindicações laborais foram colados nas paredes e  bandeiras com a foice e o martelo  foram colocadas em vários locais da então vila do Barreiro.

A hasteada por Acácio José da Costa na chaminé das oficinas da CP permaneceu lá durante oito dias e valeu  a este Homem a deportação para o campo de concentração do Tarrafal (Cabo Verde) durante oito anos, após cumprimento de ano e meio de prisão em Portugal.

Por essa luta e por tudo quanto significou , expresso o meu respeito e a minha gratidão a todas as pessoas que resistiram e não se vergaram perante a brutalidade do Estado Novo.

16 comentários:

  1. Muito bem!
    Passo para desejar boa noite.

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Memória é importante, amiga ! Bom serão

      Eliminar
  2. Já lá estive e hei-de voltar com a minha irmã
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Faz bem: é importante divulgar estas acções.

      <beijinhos

      Eliminar
  3. O problema do PCP é que cristalizou no tempo.
    Mas a sua importância é inegável.
    Só por má-fé não será reconhecida.
    Bfds

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo, embora entenda a razão da cristalização : não quer desaparecer como os restantes comunistas europeus.

      Agradeço e retribuo.

      Eliminar
  4. São,
    Na adolescência, e depois até pouco mais de trinta anos, me dizia de esquerda, e participei de passeatas, para eleger candidatos à presidência do Brasil; terminado o primeiro mandato de Lula, deixei de ser “socialista” e passei a ser “um nada político-partidário”.
    E hoje substitui a política pelo estudo da História, da Sociologia, da Literatura, da poesia, além da ciência jurídica, que é minha formação, e ciências.
    Uma boa semana.
    Abraços.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Em comícios partidários nunca participei senão por duas ou três vezes e com objectivos gerais.

      A minha relação com a Política é semelhante à que tenho com o Grande Espírito: muito pessoal e muito sui generis.

      Grato abraço e feliz semana

      Eliminar
  5. São
    Como nasci em Peniche tive a oportunidade de ver carros, com grades, cheios de presos, mas do Tarrafal, nada de exposto tinha visto. Obrigado por teres proporcionado esta exposição.
    O meu novo blog é LUARES E MARÉS de post’s autobiográficos. Visite-o, agora com A MAGIA DOS BRINQUEDOS.
    http://poesiahomemso.blogspot.pt/

    bjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estive no Tarrafal em 2006 e arrepia saber que um dos médicos disse aos presos políticos não estar ali senão para passar certidões de óbito.

      A tristemente famosa "frigideira" já desapareceu há muito.

      O campo de concentração recebeu prisioneiros até 25 de Abril 1974.

      Fim de semana bom

      Eliminar
  6. Também sou de esquerda :)
    Uma exposição imperdível! Obrigada pela divulgação.
    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É bom saber que estamos do mesmo lado, Graça :)

      Abraço de bom fim de semana

      Eliminar
  7. Uma excelente homenagem... bom verificar que a memória e reconhecimento, para com essas pessoas... ainda se faz presente...
    Também me considero de esquerda... embora nas actuais circunstâncias... nem me consiga rever verdadeiramente em nenhum partido... pois todos eles diluíram um pouco os seus valores... por motivos de jogos de poder... alem de que me fez muita confusão... a acção concertada do PC E do BE, que abriram caminho para o Governo do Passos... e agora que também fazem parte da solução governativa... chega-se à conclusão, que as linhas de acção, irão ser semelhantes... porque vivemos todos debaixo da alçada alemã... através da pseudo chamada UE... e no fundo... são e serão eles que nos continuarão a governar... com as medidas que muito bem entenderem...
    Uma excelente exposição, pelo que vejo! Tenho pena de não estar um pouquito mais perto... para a ir ver...
    Beijinhos! Bom domingo!
    Ana

    ResponderEliminar
  8. O mesmo dilema se me coloca: o que é ser de Esquerda nos tempos que correm , pelo menos a nível partidário?

    Os Partidos Comunistas europeus diluíram-se e resta o nosso , anquilosado no Tempo .

    Penso que a Esquerda actual está sem respostas nem ideias e que anda à deriva por todo o planeta, chegando ao ponto de , como bem diz, o PCP e o BE se unirem à Direita ( que na altura não protestou contra a legitimidade de nenhum dos votos que lhe davam jeito ) para que esta governasse e agora façam parte da solução governativa....mas sem se comprometerem seriamente.

    Abraço grande, Ana, e boa semana

    ResponderEliminar
  9. É importante que os factos e símbolos históricos sejam mostrados com frequência (mas sem se tornarem banais) para que não se esqueçam dos factos que lhes deram origem. Nunca visitei essa exposição o que lamento.

    É bom saber que "viajamos" no mesmo comboio e (por coincidência?) na mesma carruagem, sem o sabermos.
    Não sei porquê tinha a ideia de que vivias em Setúbal...
    Conheço o Barreiro pois morei aí dos 5 aos 9 anos, (e já faz tempo, óh se faz tempo) e também há muito tempo que aí não vou.

    Beijinhos com sorrisos desfraldados \o/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também considero importante termos memória , embora não tenhamos que recordar constantemente aquilo que aconteceu.

      Fico contente por sermos companheiros de viagem.

      Pensaste em Setúbal talvez porque eu estudei no Liceu da cidade e tenho falado sobre isso.

      O Barreiro está diferente e ainda ficará mais, pois vão rasgar uma via de comunicação sobre os terrenos da CUF, demolindo o antigo posto médico da mesma.

      Abraço embandeirado em arco :)

      Eliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...