MALTA

MALTA

segunda-feira, 5 de junho de 2017

CRIANÇA E CÃO

Estou em estado profundo de perplexidade e choque!

Antes, porém de continuar pretendo esclarecer que gosto de animais , que sou contra touradas e qualquer tipo de maus tratos, que tive durante onze anos uma dálmata de estimação.

Recentemente , a Inês , com quatro ou cinco anos, foi atacada pelo Black, cão de uma raça potencialmente perigosa e que o dono passeava  sem trela nem açaime, ao contrário do que a lei obriga.

A garota enfrenta um longo período de sofrimento para  não ficar  desfigurada e , entretanto, o cão foi entregue pelos donos  para reeducação em alternativa ao abate.

 Assim que a tragédia aconteceu, a dona do animal criou uma página intitulada "Salvem o Black" com o fim de se  conseguir a sua devolução .

Fiquei estupefacta com os comentários , pois todos referiam só o Black, sem sequer falar na Inês. E quem falou, melhor fora  nem o fazer, pois até  a consideraram  simplesmente  "um dano colateral" no meio de uma discussão de adultos.

A certa altura , criou-se uma corrente de oração pelo animal e eu comentei : "Rezemos, sim... e também pela Inês". Pois não é que uma criatura afirma que é completamente despropositada esta minha posição ?! Como é possível esta frieza relativamente a uma criança que vai ficar com sequelas para toda a vida,  enquanto sofre pelo animal que a atacou mais do que uma vez ?!

A inversão de valores é uma realidade brutal e esta obsessão com animais é assustadora. 

As pessoas estão a antropoformizar os animais e a projectar neles os seus sentimentos e as suas emoções, esquecendo completamente que a Natureza em si não é suave nem fácil.

Fico espantada com a defesa dos caracóis e com a afirmação de ser muito difícil saber, numa catástrofe, se salvaria uma criança ou um animal, porque o valor de ambos é o mesmo.

Por este caminho, se uma destas criaturas testemunhar um ser humano a ser atacado por um leão ou outro animal carnívoro, nada fará pois este tem o direito de se alimentar.

Sou eu que ensandeci???

20 comentários:

  1. Se foi você, São, somos dois; eu também não entendo essa forma de pensar! E olhe que amo os animais; mas isso aí, pra mim, é sandice. Meu abraço, amiga; boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como FRancisco, o Papa, diz : estão muito mais preocupados com o gatinho e o cãozinho do que com os filhos e pais!!

      Abraço fraterno

      Eliminar
  2. Não amiga. O mundo é que está marado. E não é de hoje. Há uns dois anos vi na net um artigo muito semelhante ao seu. Porque se estava a por os animais a frente do ser humano. As necessidades deles à frente das nossas. É mais um passo na auto destruição para a qual a humanidade caminha.
    Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, a Humanidade está a auto destruir-se , sem dúvida. E de várias maneiras ...

      Outra coisa que me assusta é o desenvolvimento da Inteligência Artificial : teremos problemas bem graves !!

      Abraço grande

      Eliminar
  3. São
    E de ficar estarrecido, com essa inversão de valores. Por muito que se goste de animais, no caso há uma questão de prioridades: então porque não está primeiro a Inês. Aqui a haver crime, este deve ser atribuído aos donos do animal, que não tomaram em conta a perigosidade do animal.
    beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Evidente!

      Eu nem sequer defendo o abate do animal, pois a responsabilidade é dos donos, mas entre o animal e a criança é mais do que óbvio que a preocupação é com a criança!!

      Pior , infelizmente, é que em simultâneo a violência sobre pessoas velhas não cessa de aumentar

      Beijo

      Eliminar
  4. Os cães deveriam obrigatoriamente usar trela e os donos punidos por negligência!!! Bj

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já é obrigatório!

      Só que neste caso as criaturas censuram é o pai da criança e algumas até acham a "história muito estranha" ... só falta dizer que quem deveria estar açaimada era a menina e que o animal é que tem o exclusivo direito de estar no jardim!!

      Abraços

      Eliminar
  5. Eu tenho para mim... que isto é qualquer coisa que se respira... pois acho mesmo que meio mundo já está doido, e a outra metade, está a caminho...
    Reina a subversão da normalidade, nos dias de hoje...
    Nem sei que mais diga...
    Só faltará dizerem que o cão atacou, porque a Inês o mordeu...
    Bjs! Boa semana!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Mas disseram, por exemplo, que o cão atacou porque sentiu o dono em perigo ... e foi a garota o alvo ?! Era uma criança tão pequena que para o animal constituia risco para o dono?!

      Enfim, como diz, anda muita gente doida de hospício à solta!

      Beijinho e bom resto de semana

      Eliminar
  6. Quem ensandeceu não foi a São.
    Foi quem compara a vida de um animal à vida de uma criança.
    E os irresponsáveis criminosos dos donos dos animais que, uma vez que não sabem cuidar deles, não os deviam ter.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem afirma ter igual valor a vida humana e a animal considera que existe só uma questão de grau e não de qualidade, o que é um perfeito disparate!!

      Subscrevo integralmente as suas palavras

      Eliminar
  7. Sabes, São, os cães gostam que os tratem como cães e não como gente; gostam de correr no quintal e não enfiados num apartamento minúsculo, dormindo muitas vezes na cama dos donos; fico impressionada quando vejo cachorrinhos vestidos e com peuguinhas nos pés. Já vi até no colo com uma mantinha, como se de um bebé se tratasse. Enfim... tanto exagero e ainda se dizem amigos dos animais. Mas esta notícia que aqui dás deixou-me chocada e nem sei o que te diga. O meu filho diz que cada vez gosta menos de gente e acho que tem razão. Amiga, um beijinho e.... vamos tendo paciência. ...
    Emilia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu não gosto cada vez menos de gente, mas começo a achar que algo se muito estranho se está passando... e que muita gente não merece mesmo consideração nenhuma.

      Escrevi no Fecebook algo parecido com o que dizes , isto é, gostar de animais é não os antropoformizar e deixá-los ser como são!

      Beijinhos, amiga

      Eliminar
  8. Já tive um cão que amávamos, era rafeiro e morreu 45 dias após o meu marido, a saudade foi mais forte, nunca mais quis ter nenhum, tenho 3 gatas/o, mas não posso aceitar tal irresponsabilidade dos donos, não há dia que eu vá ao jardim aqui perto frequentado por crianças, que não veja cães enormes à solta sem trela e seus donos conversando. Ah e tenho um trauma desde os meus 8 aninhos quando fui mordida por um cão, ainda hoje quando algum vem na minha direcção eu bloqueio.

    Criança e animal não se compara nunca.

    Beijinho Sãozita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu concordo inteiramente contigo,

      A minha cadela dálmata morreu com 11 anos e tive um desgosto enorme, não quero passar por isso outra vez.Além disso, tenho um grave problema de saúde sem sequer ter quem trate de mim, quanto mais de um animal que eu tivesse...

      A Vida de um animal e de um ser humano são incomparáveis , pois existe uma diferença qualitativa , não só de grau.

      Beijinhos, querida. Bom final de semana

      Eliminar
  9. Nunca como hoje os animais são protegidos por legislação.
    A situação é de tal modo que passa a ser necessário legislação para os donos dos animais.
    Lembras dos "Monty Phiton"? Eles decerto teriam um sketch apropriado para esta situação.
    Não faço juízo de valores entre um cão e uma criança.
    Ambos devem ser e têm que ser acarinhados.
    Ambos têm que ser educados para se saberem comportar em sociedade.
    Ambos têm que ter quem os proteja até perceberem como se devem comportar.
    As crianças, serão talvez (digo eu), mais difíceis de ensinar.
    Os animais, neste caso os cães nem tanto. Os cães aprendem e depois não fazem birras; procedem como os ensinaram! Aqui é que está a dificuldade (eu acho) porque nem todos "os donos" têm capacidade e saber e paciência para ensiná-los convenientemente.
    E ainda assim, para algumas raças de cães são necessários outros cuidados: trelas e açaimes, por exemplo!
    Acresce perguntar: a quem vive num apartamento citadino precisa mesmo de um pastor alemão, de um pitt bull, de um rottweiler? Ou isso é como que uma extensão da sua (ele, dono) "masculinidade"?
    Concluo: há por aí muita "masculinidade encolhida"!
    Amiga, estiquei-me neste comentário. Peço desculpa.
    Um beijinho amarrado em sorrisos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Meu amigo, gostei imenso do teu comentário e nada há para que peças desculpa.

      As birras das crianças procedem quase sempre da falta de educação e essa responsabilidade é das pessoas adultas.

      Entre um animal e uma criança valorizo sempre mais a criança, entre Ariel Sharon ou Hitler e a minha cadela, valorizo a cadela - mas no geral, considero que o ser humano vale mais do que um animal, porque existe não uma diferença de grau, mas sim uma diferença qualitativa.

      Eu posso criar um mundo onde animais e seres humanos sejam respeitados , mas um animal não tem essa capacidade.

      Concordo com essa da "masculinidade encolhida", sem pejo.

      Abraço estreito e bom Julho :)

      Eliminar
  10. Subscrevo, São, pois não ensandeceu, tem toda a razão!
    As pessoas estão de facto a transferir os seus sentimentos...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E, entretanto, os maus tratos a pessoas de idade aumentam velozmente....
      Grato abraço

      Eliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...