sábado, 10 de abril de 2010

SEBASTIÃO DA GAMA, POETA DA ARRÁBIDA

SEBASTIÃO DA GAMA
( 10/4/1924 - 7/2/1952)



Os que vinham da Dor tinham nos olhos
estampadas verdades crudelissimas.
Tudo o que era difícil era fácil
aos que vinham da Dor directamente.

A flor só era bela na raiz,
o Mar só era belo nos naufrágios,
as mãos só eram belas se enrugadas,
aos olhos sabedores e vividos
dos que vinham da Dor directamente.

Os que vinham da Dor directamente
eram nobres demais  p´ra desprezar-vos,
Mar azul!, mãos de lírio!, lírios puros!
Mas nos seus olhos graves só cabiam
as verdades humanas crudelíssimas
que traziam da Dor directamente.

40 comentários:

  1. Querida São

    Cinco ou seis anos depois de Sebastião da Gama ter falecido fui aluno de português numa sala da Escola Comercial Veiga Beirão (a sala 20) onde elvia lecionado...

    Ainda se respirava poesia naquele espaço.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  2. Obrigado São, por trazeres até aqui um poeta que não cheguei a conhecer, por circunstancias, e que tanto gosto. Adorei.
    Fizeste-me feliz.

    Bom fim de semana e um forte abraço de agradecimento

    ResponderEliminar
  3. Palavras fortes num poema não fácil de sentimentos também fortes e difíceis.
    Não conhecia e agradeço.
    Boa semana para si, esta que chega.


    Aurélia

    ResponderEliminar
  4. Meu amigo VIKTOR, eu a ele não o conheci, mas trabalhei com pessoas da sua família. Nomeadamente Joana Luísa, sua viúva.
    Sebastião era de uma sensibilidade extraordinária, como se pode ver, por exemplo, no "Diário".

    Uma semana excelente para ti.

    ResponderEliminar
  5. Meu amigo, acredita: fico feliz pela tua felicidade!
    Um apertado abraço, DUARTE.

    ResponderEliminar
  6. Bem vinda, AURÉLIA!

    Folgo que tenha ficado agradada nesta sua primeira visita à minha casa.

    Fico esperando-a.

    Excelente semana lhe desejo.

    ResponderEliminar
  7. Querida São,

    que bom encontrar aqui um poeta que tanto gosto... obrigada pelas tuas partilhas, sempre tanto do meu agrado.

    Um bom resto de domingo e um beijo imenso de carinho.

    ResponderEliminar
  8. Minha querida, é bom partilhar com quem tem sensibilidade aguçada como tu, sabes?

    Uma excelente semana para ti, GRACINHA!

    ResponderEliminar
  9. Oi Amiga!
    Vim desejar uma semana com muita paz espiritual.
    Quanta cultura e homenagens bonitas você faz a estas pessoas que deixaram registros no tempo, fortes, significativos.
    Isso é dom. Beijos, com amor, mariii
    Colocarei o Domingo para responder e compartilhar a vida com meus amigos, afinal, preciso de todos.
    Deus nos faz precisar. rs!

    ResponderEliminar
  10. Minha querida, lhe agradeço e tenho sempre muito contentameneto com sua presença aqui.

    Que DEus a proteja sempre.

    ResponderEliminar
  11. Lindo poema desse poeta que confesso, não o conhecia!beijos,linda semana,chica

    ResponderEliminar
  12. Morto 4 anos depois do meu nascimento... e ainda atual e fascinante! :) Grato, amiga. Boa semana!

    ResponderEliminar
  13. Bem vinda, CHICA!

    SEbastião da Gama não é dos mais conhecidos poetas de língua portuguesa, infelizmente.
    Uma feliz semana, linda.

    ResponderEliminar
  14. Querido ÀRABE, a sensibilidade continua sempre actual, não é?
    Beijos , Swami.

    ResponderEliminar
  15. que lindo poema, xará! e não conhecia este poeta
    palavras de Dor e de MAR...
    beijinhos

    ResponderEliminar
  16. Gosto muito da poesia dele.

    Aliás iniciei-me a ler poesia por ele.

    Boa escolha.

    Bjs

    ResponderEliminar
  17. Sebastião não é dos poetas mais divulgados, desgraçadamente.

    Mas ainda bem que apreciaste, xará!

    Bem hajas!

    ResponderEliminar
  18. Então começaste bem!

    Um abraço, GATO.

    ResponderEliminar
  19. Olá São, belo poema que não conhecia...linda homenagem a Sabastião da Gama...Espectacular....
    Beijos

    ResponderEliminar
  20. Que bom apreciares Sebastião da Gama, o que não surpreende dada a tua sensibilidade.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  21. .

    . grandíloca homenagem a um homem de palavras tantas. ou todas até .

    . um beijo, São .

    .

    . paulo .

    .

    ResponderEliminar
  22. E além do mais, um óptimo educador: basta ler o seu Diário.

    Um abraço, meu bom amigo.

    ResponderEliminar
  23. *
    que escolha, amiga
    de um homem que amou
    o mar e o seu povo,
    ,
    permite-me, lembrando uma
    amiga de Sesimbra, evocar
    o grande poeta:
    ,
    Meu Povo
    de cabeça pendida, mãos caídas,
    de olhos sem fé
    — busca, dentro de ti, fora de ti, aonde a causa da miséria se te esconde.
    Alevanta-te, Povo!
    Ah!, visses tu, nos olhos das mulheres, a calada censura
    que te reclama filhos mais robustos!
    Povo anêmico e triste,
    meu Pedro Sem sem forças, sem haveres!
    — olha a censura muda das mulheres!
    Vai-te de novo ao Mar!
    Reganha tuas barcas, tuas forças
    e o direito de amar e fecundar
    as que só por Amor te não desprezam!
    ,
    in-sebastião da gama,
    ,
    obrigada amiga, pela opção,
    ,
    conchinhas deixo,
    ,
    *

    ResponderEliminar
  24. Nazareno, grata fico eu pelo enriquecimento que me ofereceste e pala tua presença, sempre bem vinda!

    Deus te acompanhe e aos teus.

    ResponderEliminar
  25. OLA SAO, BELISSIMO POEMA...LINDA HOMENAGEM...VOTOS DE UMA FELIZ SEMANA!!!
    BEIJOS DE AMIZADE,


    SUSY

    ResponderEliminar
  26. Muito obrigada, minha linda.

    Beijinhos para ti e para as tuas crianças.

    ResponderEliminar
  27. _________________________________


    É estranho como a dor realmente torna tudo mais transparente... Na dor, percebemos coisas que na alegria, não se mostram...

    Lindíssimo esse poema, amiga! Obrigada pela partilha...


    Beijos de luz e o meu especial carinho!!!


    ________________________________

    ResponderEliminar
  28. Minha querida, é através da dor que nos depuramos, não é?

    Um terno abraço.

    ResponderEliminar
  29. Tão breve passagem mas tão intensa escrita desenrolada em graves verdades humanas...

    ResponderEliminar
  30. Sim, Sebastião viveu pouco, mas deixou uma intensa marca.

    Bom repouso.

    ResponderEliminar
  31. Estou bemn , obrigada!
    Espero que também estejam bem.
    Gostaria de saber a vossa opinião sobre o poema!

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  32. ... outro poeta português "pouco falado". A política de vendas das editoras portuguesas, de facto devia ter regulamentação à séria...

    Abraço.

    ResponderEliminar
  33. Gracias por presentar a este poeta y su poesía a quienes , sin conocerlo,ya lo admiramos
    Beijos!

    ResponderEliminar
  34. Aliás, todo o país deveria ser á séria, coisa que está longe de acontecer, não é'

    Abraços.

    ResponderEliminar
  35. Estimado RODOLFO, agradecida estou eu pela tua amável presença aqui.

    Fuorte abrazo.

    ResponderEliminar
  36. OLÁ QUERIDA SÃO, BELA A TUA POSTAGEM... RECORDAR É VIVER... ADOREI...!!!
    VOTOS DE UM BOM FIM DE SEMANA, ABRAÇOS SEM FIM,
    FERNANDINHA

    ResponderEliminar
  37. OH, minha querida Fernandinha, quantas saudades tinha de te ver nesta casa, que também é tua!!

    Obrigada por gostares.

    Um apertado abraço, amiga minha.

    ResponderEliminar
  38. São
    Muito grata pela visita e comentários no Com Calma e Diletantes.
    Gostei muito do que li e vi nos teus blogues. Temos uma amiga em comum que é a Meg. Logo, os amigos dos meus amigos...meus amigos São.
    Beiinhos
    Isabel

    ResponderEliminar
  39. Sim, a meg é uma pessoa que muito aprecio.
    Volta quando quiseres pois será bem vinda.
    Obrigada por gostares.
    Fica bem.

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...