MALTA

MALTA

domingo, 30 de janeiro de 2011

OS DONOS DE PORTUGAL

" Os anos têm sido benéficos para os donos de Portugal : são hoje mais poderosos do que antes de Abril 1974.É certo que há alguns recém-chegados, mas poucos.

Esta burguesia , como ao longo do século, é hoje rentista, avessa ao investimento, abandonou sem pejo a indústria e a produção mas é capaz de multiplicar os tentáculos financeiros.É tão dependente do Estado como sempre foi e teceu redes de cumplicidade e de mobilidade social ascendente que permitiram que quadros partidários ou governantes se instalem em conselhos de administração ou recebam bónus.

O atraso, a modernização conservadora,a cristalização de relações políticas fechadas no rotativismo partidário, tudo isso demonstra como a burguesia portuguesa falhou historicamente a democracia, detestou o desenvolvimento e garantiu a desigualdade.

Os donos de Portugal são o principal problema histórico de Portugal."

"OS DONOS DE PORTUGAL - Cem Anos de Poder Económico(1910-2010)"

46 comentários:

  1. São o comentário é longo, mas pertinente.
    Realmente a burgussia é terrível mesmo!

    BURGUESIA
    Composição: Cazuza/ Ezequiel Neves/ George Israel

    A burguesia fede
    A burguesia quer ficar rica
    Enquanto houver burguesia
    Não vai haver poesia

    A burguesia não tem charme nem é discreta
    Com suas perucas de cabelos de boneca
    A burguesia quer ser sócia do Country
    A burguesia quer ir a New York fazer compras

    Pobre de mim que vim do seio da burguesia
    Sou rico mas não sou mesquinho
    Eu também cheiro mal
    Eu também cheiro mal

    A burguesia tá acabando com a Barra
    Afunda barcos cheios de crianças
    E dormem tranqüilos
    E dormem tranqüilos

    Os guardanapos estão sempre limpos
    As empregadas, uniformizadas
    São caboclos querendo ser ingleses
    São caboclos querendo ser ingleses

    A burguesia fede
    A burguesia quer ficar rica
    Enquanto houver burguesia
    Não vai haver poesia

    A burguesia não repara na dor
    Da vendedora de chicletes
    A burguesia só olha pra si
    A burguesia só olha pra si
    A burguesia é a direita, é a guerra

    A burguesia fede
    A burguesia quer ficar rica
    Enquanto houver burguesia
    Não vai haver poesia

    As pessoas vão ver que estão sendo roubadas
    Vai haver uma revolução
    Ao contrário da de 64
    O Brasil é medroso
    Vamos pegar o dinheiro roubado da burguesia
    Vamos pra rua
    Vamos pra rua
    Vamos pra rua
    Vamos pra rua
    Pra rua, pra rua

    Vamos acabar com a burguesia
    Vamos dinamitar a burguesia
    Vamos pôr a burguesia na cadeia
    Numa fazenda de trabalhos forçados
    Eu sou burguês, mas eu sou artista
    Estou do lado do povo, do povo

    A burguesia fede - fede, fede, fede
    A burguesia quer ficar rica
    Enquanto houver burguesia
    Não vai haver poesia

    Porcos num chiqueiro
    São mais dignos que um burguês
    Mas também existe o bom burguês
    Que vive do seu trabalho honestamente
    Mas este quer construir um país
    E não abandoná-lo com uma pasta de dólares
    O bom burguês é como o operário
    É o médico que cobra menos pra quem não tem
    E se interessa por seu povo
    Em seres humanos vivendo como bichos
    Tentando te enforcar na janela do carro
    No sinal, no sinal
    No sinal, no sinal

    A burguesia fede
    A burguesia quer ficar rica
    Enquanto houver burguesia
    Não vai haver poesia

    ResponderEliminar
  2. Olá São,
    Estou plenamente de acordo contigo! Antes era o que era e não eram tantos, pelo menos tão visivelmente! Hoje são mais que as mães! De facto de democracia temos muito pouco, vive-se numa ilusão de democracia, para quem vive, porque o meu entusiasmo cresceu pouco e morreu cedo!
    Beijos,
    Manu

    ResponderEliminar
  3. São

    A mesa dos polícos, pagos por nós todos é muito farta. Já nem as migalhas sobram, bolas!
    Beijos
    Daniel

    ResponderEliminar
  4. há tanto para mudar por cá...

    beijinho*

    ResponderEliminar
  5. De política estou "conversado".
    Em SET1975 deitei o meu cartão (do MDP/CDE) ao lixo e desde então tenho navegado nas ondas dos sabores que mais me atraem.
    Não falho uma eleição, talvez na esperança vã de poder votar à bomba.
    (Não é democrático? Mas ser esbulhado de parte do que "mandei guardar" a ladrões... - para a reforma - é democrático?)
    Bem, mudemos de conversa.
    Salazar não queria ninguém a ganhar mais que um ministro.
    Roubavam? Pois roubavam.
    E até roubavam vidas e vidas dos que não se calavam.
    Um país que não produz o que come... que só viveu em abundância quando roubámos as especiarias no oriente, o ouro e pedras preciosas do Brasil e mais recentemente, no tempo do Cavaco e "sus muchachos", quando o dinheiro da CEE vinha em carradas e era um fartar vilanagem.
    Hoje a comandita, que entretanto se expandiu aos outros partidos, governam-se, em Ordens, Institutos.. e tudo o que o cérebro abúlico dessa escumalha conseguiu criar para a pilhagem dos destroços que ainda restam.
    Nunca fui partidário da violência mas cada vez me capacito mais que a arma é o voto do povo e o voto a arma dos mandões.
    O nosso hino chama-nos à razão:
    Ás armas! Ás armas!

    Não ligue ao que escrevi.
    É que soube há pouco tempo, mais uma relacionada com a ladroagem que invadiu o Urbanismo do país.

    Uma boa semana

    ResponderEliminar
  6. O texto é muito bom, São, mas acredita-me: este não é um problema apenas de Portugal. :) Boa semana, amiga; fica bem!

    ResponderEliminar
  7. portugal e os seus papões...
    ai xará, andamos todos sem dono, a bem dizer, porque acabam por ser fantasmas vivos sem carácter...
    beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Mais uma vez esta sugestão de leitura.
    Tanto quanto me apercebi é imperdível.
    Uma oportunidade para conhecer o lado mais forte da desigualdade.
    Hei-de lê-lo
    Bjs, São

    ResponderEliminar
  9. Ainda não li, mas está na minha lista de compras.

    ResponderEliminar
  10. Amiga São!

    Dou-lhe 20 valores... até lhe dava mais!!!

    Sublinha cada palavra.
    Estamos a viver uma "ditadura" com fachada mal disfarçada de democracia.

    Parabéns pela análise.

    Beijo

    ResponderEliminar
  11. Também acho a análise muito correcta, até porque os autores se basearam em estudos documentos.

    Por isso a transcrevi para aqui.

    O meu grato abraço, boa amiga.

    ResponderEliminar
  12. Pois dico satosfeita por o saber.
    Depois fará o favor de dizer a sua opinião.

    Boa noite, CARLOS.

    ResponderEliminar
  13. Olá, GATO!

    Além disso, ficamos também a saber como se originaram as grandes fortumas e o papel de Cavaco na sua reconstituição através das privatizações.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  14. Irmãzinha, tens razão: não têm carácter nem honra nem vergonha...mas têm o dinheiro e o poder que ele dá.

    E nós estamos em perfeito desamparo face a eles e a quem se deixa comprar por eles!

    Forte abraço, querida.

    ResponderEliminar
  15. Querido SWAMI, sei que não é, infelizmente é mundial. Mas nuns países é mais grave que noutros e aqui, actualmente, é uma desgraça!

    Beijinhos,

    ResponderEliminar
  16. Meu caro JOSÉ, sou de Esquerda e acho que nela morrerei.Mas também acho que a dita não se tem portado à altura neste nosso cantinho de brandos e moles hábitos onde os canalhas sempre se governaram muito bem .

    Porém , se continuamos a eleger Cavaco e Isaltino e Sócrates e Jardim...então a responsabilidade também é do bom povo, acho eu.


    Lhe desejo uma noite sem a insónia que me atormenta.

    ResponderEliminar
  17. Muita coisa de facto...e está (quase) tudo nas mãos da sua geração para que mude, sabe?
    Beijinho, PHOENIX

    ResponderEliminar
  18. Olá, DANIEL!
    Sim, infelizmente, já nem as migalhas nos dão!
    A ganância cega-os!!
    Fica bem.

    ResponderEliminar
  19. Viva, MANU!

    Não são muitos mais, são é mais vísiveis.

    DEmocracia para esta gente limita-se ao facto de ser permitido votar de quatro em quatro anos: é uma visão demasiado redutora!

    Eu, ingenuamente,nunca imaginei que a Revolução de Abril se tornasse neste caldo de corrupção, incompetência e futilidade.


    Uma boa semana.

    ResponderEliminar
  20. Excelente!

    O meu grato abraço por assim enriquecer este espaço, me caro GUARÁ!

    ResponderEliminar
  21. obrigado pelas tuas letras.."sâo" sempre belas para mim

    gosto que venhas

    eu tanbem gosto de estar aqui na tua casa

    feliz semana


    beijos!!

    ResponderEliminar
  22. Do que leio dos recortes de jornal do período antes do fascismo, artigos escritos pelo meu avô paterno, passando pelo tempo do fascismo e o "agora" na dita democracia que nos impingem, concluo que o mal vem de longe. E não sendo um negativista, não alcanço formas de alguma coisa mudar. É só olhar à nossa história.
    O conformismo instalou-se, as jovens inteligências, nossa aposta num futuro melhor, abandonam o país em busca de vida melhor.
    Alguém aqui já disse que não é só em Portugal, mas temos bons exemplos lá fora que nunca nos servem de bitola.
    Preocupo-me com estado a que chegámos, já não tanto por mim, mas pelo que podem esperar os nossos jovens deste país que não lhes oferece saídas para o mercado de trabalho, justiça social, onde o património cultural não é uma prioridade, a educação e a cultura, também não.
    Assim vamos assistindo à roubalheira desmedida, ao clientelismo e à desesperança em dias melhores.
    Nada os demove, nem a liberdade que temos de os denunciar.

    Beijos e kandandos meus.

    ResponderEliminar
  23. Muchas gracias, BRAULIO.

    Bem hajas, meu caro.

    ResponderEliminar
  24. Caro KIMBANDA, eu também considero lamentável esta fuga para fora do país de gente jove, Mas algo me amrgura: nós tivemos falta de leberdade a todos os níveis, uma guerra colonial, dificuldade de organizar a nossa vida, a perseguição de PIDe...e nem por isso desistimos!

    è pena que as gerações mais novas que nós não se envolvam mais a fim de mudar uma situação que só convém aos de sempre e aos oportunistas.

    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  25. Amiga, gostaria de falar-te sobre a distribuição dos meus livros em Portugal, o que não cabe nos comentários. Se puderes, escreve-me para o e-mail: acalanto_hp@hotmail.com. Boa semana, fica bem!

    ResponderEliminar
  26. Hola Sâo:
    En todos los países pasa algo parecido.
    El poder económico y político, tiene el control de la sociedad.
    Esperemos que las democrácias modernas sean lo suficientemente "civilizadas".
    Recibe un cordial saludo,
    Luis

    ResponderEliminar
  27. Olá São, estou completamente de acordo com o post...Espectacular....

    "Os donos do capital vão estimular a classe trabalhadora a comprar bens caros, casas e tecnologia, fazendo-os dever cada vez mais, até que se torne insuportável.
    O débito não pago levará os bancos à falência, que terão que ser nacionalizados pelo Estado".



    Karl Marx




    O Capital, 1867


    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  28. Não li, mas parece-me valer a pena
    Saudações amigas

    ResponderEliminar
  29. São querida

    Não sei, não. Ao fim de tantos anos de história, repetindo sempre os mesmos defeitos, não se vê nenhuma intenção de querer mudar e fazer diferente. Os portugueses continuam sendo moles em casa e ladinos no estrangeiro.
    Fora de casa somos um exemplo de labor e empreendorismo, mas no próprio país todos querem é viver à sombra.
    Temo muito onde esta passividade nos irá levar.

    Um grande abraço, saudades muitas

    ResponderEliminar
  30. Nao posso falar das historias dos políticos e sociedade da tua terra por respeito, por que pra poder lhe fazer, tería que ter conhecimentos serios.
    Mais parabéns pela sua ediçao.
    Muito obrigado mesmo pela sua visita, e agradeço o comentario da letra pequenhina.
    Eu troquei por outra, por favor me diz si agora pode ler bem, e si nao, me deixa seu mail, que emvío sem dificuldade con muito gosto.
    Abraço

    ResponderEliminar
  31. Boa noite São,há muito tempo, escrevi um poema sobre esta "Democracia corrupta" que nos governa e que por sinal está publicado no meu 1º livro.

    Estou como a Ná, sublinho cada palavra, cada acento, virgula e ponto.

    Parabéns pela frontalidade!

    Beijinho,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  32. Os governos têm sede de capital e os capitalistas necessitam do apoio dos governos para que não perigue o vil metal. A historia está escrita assim e com ela a economia.
    Quem paga? o suor do povo: as camisas brancas limpam-se com fatos macacos azuis.
    Fiz um trabalho, então, para sociologia; com a Rebelião das Massas de Ortega y Gasset, e o Manifesto Comunista de Carlos Marx... a evidencia é total!

    Um grande abraço, querida amiga

    ResponderEliminar
  33. Querida amiga,

    São muitos estes " donos", infelizmente.

    Carinhoso beijo amiga.

    ResponderEliminar
  34. Sim, querida, e sempre com os mesmos métodos e privilègios...ainda por cima, afirmando-se cheios de honstedidade!

    Beijinhos, Sarita.

    ResponderEliminar
  35. SWAMI, logo que tenha a informação que procuro pat ti, escreverei.

    Bem hajas!

    ResponderEliminar
  36. Bienvenido, LUÍS!

    desgraçadamente, é como dizes.

    Esperemso que tudo melhore e que as pessoas lutem , como está acontecendo no Egipto.

    Saludos.

    ResponderEliminar
  37. Obrigada , CHANA!

    É lamentável que nem toda a gente esteja tão bem informada como tu, sabes?

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  38. Se puder, leia...ficará mais bem informado do que se tem passado neste nosso país.

    Saudações, C. VALENTE.

    ResponderEliminar
  39. Meu querido, o livro fala das grandes famílias que têm na mão o país e das suas relações com a monarquia, a república,a ditadura e a democracia.

    E agora, imagina, em vez de investirem querem utilizar as fábricas chinesas na Europa!!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  40. Bienvenido, nAVEGANTE!

    Compreendo a abstenção, mas podes crer que o poder económico portugu~es está em muito más mãos.

    Muchas gracias pela tua amabilidade: lá irei de novo, logo que possa.

    saludos.

    ResponderEliminar
  41. Agradeço , ANA!

    Pena, muita pena, que se tenha esbanjado assim uma oportunidade como foi o 25 de Abril 1974...

    Um abraço enorme.

    ResponderEliminar
  42. Deverá ser bem interessante esse teu trabalho, DUARTE!

    Já li Ortega y Gasset e apreciei muito.

    Os trabalhadores são sempre quem o capital e o poder sacrificam!

    Beijos, amigo.

    ResponderEliminar
  43. Obrigada pela visitinha ao mosaicos.

    Tenha um lindo e luminoso final de semana.

    Beijosssss

    Cid@

    ResponderEliminar
  44. São querida,

    Assim se vê quem realmente manda... não só em Portugal, no mundo... dos ricos.

    Vê o que se passa agora nos países do Médio-Oriente. Achas que foi mesmo o Povo que acordou "todo" ao mesmo tempo.
    É o poder "escondido" a manipular para que se dê uma revira-volta naqueles regimes. Quando todos julgarem que vivem em democracia... eis que os que sempre mandam levarão o fel onde agora tentam espalhar o mel.

    Que pena que sejamos manipulados mesmo quando julgamos estar a liderar as nossas próprias vidas.

    Quanto mais observo e vivo mais desencantada ando e mais percebo o que me/nos fizeram.

    Abraços de mim para ti :-))

    ResponderEliminar
  45. Minha amiga, não posso deixar de concordar contigo.
    É uma dor de alma ver destroçar tudo quanto conseguimos à custa de tanta luta e sofrimento, não é?
    Mas também culpo, aqui em Portugal, que dá sempre o poder aos mesmos dois partidos e quem se abstém!

    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...