MALTA

MALTA

terça-feira, 23 de abril de 2013

ESCRAVOS MODERNOS

22 comentários:

  1. E tanta gente a querer ter um patrão para elogiar, São.
    Esses são os que verdadeiramente me preocupam.

    ResponderEliminar
  2. Ver o emprego por este ângulo é assustador. Toda a vida trabalhei e sempre fui feliz porque o emprego me ajudou a realizar os meus sonhos.
    Ter emprego/trabalho e salário ajuda as pessoas a estarem ocupadas e realizadas (Mais ou menos nem todos somos iguais)

    ResponderEliminar
  3. Peores que esclavos.
    Que horror...

    Besos.

    ResponderEliminar
  4. A mim preocupam-me os desempregados e muito, especialmente quem não tem apoio social de espécie alguma - como acontece a milhares neste momento aqui.Como vivem os casias desempregados com crianças, por exemplo?

    Mas preocupam-me também as pessoas a recibos verdes, com trabalho precário, tendo salários miseráveis que os magnatas portugueses ainda querem dimuir mais, sem horário de trabalho nem direitos.

    Tudo de bom, PEDRO

    ResponderEliminar
  5. Trablahei e gostei imenso, porque desempenhei exactamente as funções para as quais tinha vocação e porque tinha um salário digno e um horário decente além de direitos.

    Neste momento estou muito aflita com quem não tem emprego nem protecção e com quem tem trabalho pouco menos que escravo.

    Bom dia, LUÍS

    ResponderEliminar
  6. Sim,desgraçadamente, em muitissimos casos , as pessoas estão em situação pior do que se fossem escravas legalmente.

    Besos, TORO

    ResponderEliminar
  7. Escravos amarrados ao tronco da incerteza, do desespero e sem esperança...

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  8. ...e só para que a riqueza se concentre cada vez mais nas mãos de uns poucos, que não olham a meios para ter Poder.

    Fica bem

    ResponderEliminar
  9. Eis um filósofo bastante prático

    e triste, dentro da forma como se apresenta e do tempo que passa...

    Pobres dos mais pobres
    e dos sem emprego
    e dos sem nada!

    Maria luísa

    ResponderEliminar
  10. Ai, como desgraçadamente tem razão esse filósofo!!

    Um beijo, Maria Luísa.

    ResponderEliminar
  11. Dá o que pensar, não, São? Não só nas relações empregatícias, mas também nas relações entre as pessoas. Boa semana, amiga!

    ResponderEliminar
  12. Sim, infelizmente também nas relações interpessoais este desastre inominável acontece...

    Uma semana feliz, Swami!

    ResponderEliminar

  13. A escravatura avança, São, implacável e na legalidade, à medida que as condições sociais diminuem.

    Beijo

    Laura

    ResponderEliminar
  14. A escravatura está já , sim, em vigor só falta oficializá-la!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  15. oportunas citações - sempre prazer em ler-te.

    beijo

    ResponderEliminar
  16. É assustador Sãozita, estou a viver e a sentir na pele, o casal um sem direito a qualquer tipo de ajuda, o outro no desmprego e ainda tenho a minha filha com 3 filhotes, o unico rendimento que tem são 152€ e paga 220€ de renda de casa (já nãopaga à 2 meses) e eu já não consigo ajudar porque não tenho.

    beijnho e uma flor

    ResponderEliminar
  17. Muito grata e feliz com o teu apreço, HERÉTICO.

    Bem hajas!

    ResponderEliminar
  18. Minha querida, é doloroso saber isso e a indignação e a raiva que sinto sobem mais ainda. Até porque também tenho na família a triste realidade do desemprego.

    Abraço apertado e solidário, Adelinha.

    ResponderEliminar
  19. Sempre trabalhei com prazer porque fazia aquilo que gostava e para o qual senti-a uma grande vocação, agora...nada disso é válido...

    ps: estive fora por isso só agora respondo, a nossa amiga teve uma grande depressão, penso que está a recuperar bem, em breve a irei contactar, depois darei noticias.
    Bjs

    ResponderEliminar
  20. Hoje em dia a maior aspiração comum é de consigar arranjar ou manter um emprego. E depois vem aquele palhaço dizer que em Portugal há muito trabalho e que só não trabalha quem não quer.
    Um abraço e bom feriado.

    ResponderEliminar
  21. Também tive a felicidadde de trabalhar toda a minha vida em Educação, minha vocação e paixão.

    Neste momento, as pessoas ou estão desempregadas e sem apoio do Estado ou sujeitam-se a trabalho pouco menos que escravo!

    Agradeço as novas sobre a nossa amiga e espero que ela se recompomha depressa e bem.

    Um abraço para si, LILA.

    ResponderEliminar
  22. ELVIRA, gostei muito da sua nova decoração do "Sexta-feira", mas não deu nem para ler direito AS VIdas Cuzadas nem , ainda menos, comentar.


    Penso que se está a referir a Miguel Gonçalves,esse alienado que Relvas, a fraude ambulante, descobriu no youtube.

    Eu telefonei para a chafarica dele e, como a criatura não estava, pedi para lhe transmitirem que tenho pena dele e que tenha cuidado com o que está a defender, porque quando for velho e não tiver apoios nenhuns é que terá a noção dos disparates que anda a propor!

    Abraço grande.

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...