MALTA

MALTA

domingo, 18 de maio de 2014

LOS OLVIDADOS - PALESTINA UNA HISTORIA DE RESISTENCIA

Como eu gostaria de ter que reconhecer ter-me enganado quanto a Israel !!

                                     25 de Julho , 2014

O Apartheid praticado por Israel contra todos os não-judeus é mais feroz do que o da África do Sul. Pelo menos,  teve a coerência de não se fazer representar no funeral de Nelson Mandela.

Os palestinianos , além de espoliados em todos os aspectos, foram encerrados em dois guetos : Gaza e Margem Ocidental.

Apesar de ter recebido uma avultada verba para cuidar quem sobreviveu aos campos nazis, muitíssimas dessas pessoas preferem viver na Alemanha onde são muito mais bem tratadas. Até porque quem ficou em Israel , não recebe  o que deveria receber.

Para meu gosto existem  demasiados pontos semelhantes entre o sionismo e o nazismo, começando logo porque o primeiro acha os judeus o "povo eleito" e quer reconstruir o Grande Israel ( que implica a destruição de uma série de países  à volta) e o segundo declara os alemães a "raça superior" e fala no "espaço vital"( que  obriga também à invasão de vários países).

E, para grande espanto  meu, a extrema-direita sionista tem estreitas relações com a extrema-direita europeia.

Se não houvesse a vergonhosa duplicidade de critérios que existe no Ocidente e o lobby judaico não tivesse a tremenda força que tem nos EUA, Israel já teria sofrido o mesmo brutal tratamento de que muitos países  foram vítimas.

É inconcebível que nunca se fale nos milhões de vítimas do nazismo e vergonhoso que   os judeus  jamais tenham uma palavra de memória sobre os ciganos, os  deficientes alemães, os opositores políticos, os prisioneiros de guerra, os homossexuais, as horrorosas experiências sobre  seres humanos vivos.

Obviamente, e como muitas vezes tenho escrito e dito publicamente, as perseguições ao longo de séculos  do povo israelita  - culminadas na abominação nazi -  são hediondas. 

Que ninguém me venha com esse disparate de anti-semitismo , porque os palestinianos são tão semitas como os judeus.Aliás , não entendo , porque motivo só é anti-semita quem não gosta de hebreus.

Sugiro a leitura de "Palestina. Paz , sim, Apartheid, não" de Jimmy Carter, Nobel da Paz e o Presidente dos EUA que conseguiu  o Acordo de Paz entre Israel e Egipto. 

Assim como, de Laurence Rees, " Auschwitz: os Nazis e a «Solu ção Final» " e ,de Robert Fisk, "A Grande Guerra pela Civilização".

52 comentários:

  1. Boa tarde São.

    Passo para lhe desejar uma excelente Domingo.

    Beijo

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E não diz nada sobre o post?! Gostaria de saber a sua opinião.

      Abraço grato e que tenha também um bom domingo, Ci

      Eliminar
  2. São
    Tudo o pressupõe apartheid's étnicos (?) me confundem. No caso dos palestinianos e israelitas, por muito equacione o problema, esbarro sempre com interesses de segurança americana. Se não fora isso, o país que policia a mundo, já teria tentado resolver o eterno conflito.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A mim também me espanta este tipo de conflitos, até porque aqui ambos os povos são semitas.

      Assim como me deixa perplexa a pena de morte seja porque motivo for e, mais ainda, por crenças religiosas!

      E concordo totalmente: a situação serve os interesses dos EUA , mas não tento como os seus dirigentes julgam ( até porque já existem vozes de peso a contestar a posição de incondicional dado ao Estado judeu) .

      Caso contrário, o polícia mundial já teria invadido e bombardeado Israel, destroçando-o com fez ao Afeganistão, Iraque e , actualmente, Síria e Ucrânia.

      Grande abraço

      Eliminar
  3. Minha amiga li atentamente este seu texto. Merece muita reflexão. Há muitas
    coisas incompreensíveis na política...e realmente os Estados Unidos têm também
    critérios muito diferenciados.
    Concordo com algumas semelhanças que refere.
    Lamento a mistura de política com religião...
    Infelizmente paz é coisa que não se avista...
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Israel foi construído sobre o terror implantado pelos sionistas mo territórios palestiniano , mas que não poupou ninguém.

      Actos terroristas foram praticados pelos judeus , desde o rapto e assassinato de um membro da ONU até ao rebentamento de um bomba no actual Hotel Rei David passando pelo massacre da população de centenas de povoações árabes!

      E mesmo depois , não cumprindo nunca nenhuma determinação internacional, invadiram o Líbano , continuam com a construção de colonatos , chacinam palestinianos ...e não só e até experiência s com prisoneiros do Hamas ou da Fatah fazem.

      E quem não se lembra da matança durante três dias provocada por Ariel Sharon nos campos de refugiados de Sabra e Chatila?

      Pena que a Banca sionsita que está implantando a Nova Ordem MUndial através da presente crise que ela mesma provocou e em que o Banco judeu Goldman .Sachs já colocou os seus homens de mão nos lugares de decisão crucial , tenha o tremendo poder que tem e que os EUA se verguem aos seus interesses , armando-se em moralistas só quando isso não afecta Israel!!

      Beijinhos, amiga

      Eliminar
  4. Sabe o que mais me deixa estupefata... que todo esse massacre, esse horror, aconteça por crença religiosa... e o pior que isso sempre existiu na historia da humanidade... e acontece tbm por servir a interesses politicos... é vergonhoso que um ser humano veja o outro como um animal e nao reconheça nele o ser divino que cada um de nos é... independente de crenças...

    Que seu domingo seja maravilhoso querida...

    Beijos...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tocou no ponto: os sionistas consideram os palestinianos como sendo animais tal como os nazis consideravam os povos eslavos, os ciganos e os judeus sub-humanos.

      E isso é algo de muito chocante!!

      Parece que a Humanidade em vez de avançar , regride : como é possível ainda hoje a crença religiosa e/ou a cor da pele serem motivos de perseguições e guerras cruéis?!

      Meu bem, que tenha bons sonhos :)

      Eliminar
  5. São

    Aproveito a deixa, para deixar dito que, Armação de Búzios, a partir da BB, ter passada férias aí com o namorado, passou a haver quem a designe por Saint Tropez brasileira.
    abraços

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que interessante!

      Desconhecia a estória por completo.

      Abraços

      Eliminar
  6. Amiga São.
    Vivemos num mundo onde impera o poder económico, o povo, o seu sofrimento e a sua opinião não interessa para nada.
    Os judeus são têm uma grande força económica e está tudo dito!

    beijinho e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, tem razão.

      A Banca judaica provocou a presente crise , que está a destruir milhões de vidas, através do Banco Goldman-Sachs ( que já colocou os seus homens de mão em pontos cruciais de decisão na Europa, depois de enganar os seus próprios clientes e de ajudar a falsificar as contas públicas gregas), para impor a Nova Ordem Mundial e fazer a larguissimos milhões de pessoas aquilo que Israel está a fazer aos palestinianos e toda a gente que não pertence ao auto-proclamado "povo eleito", ou seja, humilhar as pessoas e reduzi-las a trabalho pouco menos que escravo, sem direitos nem esperança.

      Abraço com desejo de feliz semana, Fê

      Eliminar
  7. Um crime continuado, e que não interessa parar! Irá perecer, certamente, o mais fraco...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não pára , porque Israel não pretende paz nenhuma e só a fez com o Egipto para ter as mãos livres , dividindo os àrabes.

      E , infelizmente, tem o incondicional apoio dos EUA - onde o loby judeu é fortíssimo - embora já se comecem a levantar vozes contra a situação de impunidade dos sionistas e do apoio que lhes é dado pela Administração estado-unidense.

      Boa semana,

      Eliminar
  8. Hay unos cuantos pueblos olvidados en nuestro presente que merecerían que la sociedad internacional se volcara en resolver los conflictos: palestinos, saharauis, poblaciones indígenas americanas, culturas africanas y asiáticas. No puedo creer que no haya solución para ellos.
    Besos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Trágica e infelizmente , existem demasiados povos esquecidos e abandonados à sua sorte - tens razão, Pedro.

      Tal como tu , recuso-me a crer que não haja soluções viáveis para essas pessoas e que tenham que "viver" em campos de refugiados , em Reservas - que são, digamos os verdadeiros nomes, campos de concentração sem dignidade alguma nem sequer condições de vida!

      Enviei-te , pelo Google (porque o meu computador não aceitou o teu endereço electrónico ) o pedido do teu mais recente livro.

      Querido amigo mio, fuerte abrazo.

      Eliminar
  9. O complexo de culpa do chamado ocidente e o dinheiro da AIPAC nunca vão permitir que se possa afirmar alto e bom som que as semelhanças entre sionismo e nazismo não são mera coincidência.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. penso que tem razão , mas as pessoas acabarão por o descobrir e denunciar.

      A presente crise está a desmascarar o sionismo, pois David Rockfeller já agradeceu publicamente a alguns meios de comunicação social o silêncio sobre a preparação da Nova Ordem Mundial , servida por esta crise criada pelo Banco judeu Goldman-Sachs .

      Haverá , claro, a contra-informação que são as designadas Teorias da Conspiração, mas com o que estão a sofrer na pele e com milhões de vidas destroçadas pelo capricho destes patifes e seus fantoches , creio que a verdade se acabará por aparecer à luz do dia , sem que haja lugar para dúvidas !

      Abraços, Lino

      Eliminar
  10. Só por trazer implícito o preconceito, São, qualquer tipo de apartheid já é revoltante, em sua essência! Belo texto para reflexão, amiga; boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tens toda a razão, o preconceito - seja ele qual for - é algo de muito baixo.

      Amigo, te desejo excelente semana

      Eliminar
  11. Olvidados por todos y viviendo en el horror permanente.
    Que vergüenza!!!

    Besos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vergonha , sem dúvida!

      E os EUA que se armam em polícia do mundo quando lhe interessa , apoiam incondicionalmente Israel , apesar de todos os seus hediondos crimes.

      Abrazos

      Eliminar
  12. Boa tarde amiga São!!!
    Bem...hoje nem vou opinar...vou apenas deixar meu abraço e votos de uma semana feliz e abençoada!!!
    Bjokas...da Bia!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É um tema doloroso e que magoa , não é?

      Num enorme abraço, agradeço e retribuo seus gentis votos, minha querida Bia

      Eliminar
  13. Triste, triste e triste...Esquecidos e desrespeitados! bjs e linda semana,chica

    ResponderEliminar
  14. Um horror sem nome nem fim ...

    Não consigo entender como os judeus depois do que sofreram ,são capazes destas atrocidades e também não percebo como jamais se lhe ouviu uma palavra de memória sobre os milhões de vítimas do nazismo!!

    Abraço grande e felzi semana, Chica

    ResponderEliminar
  15. Saio daqui enriquecido em saberes. Nunca tinha analizado a situação com tanto rigor, mas agora reconheço que sou possuidor dum maior conhecimento de causa. Agradecido quedo. O certo é que... algo intuía.
    Abraços de vida, querida amiga

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente , assim se passam as coisas.

      Tal com Robert FIsk diz em "A Grande Guerra pela Civilização" temos que tentar ser o mais objectivos possível...e o facto de denunciar os crimes de Israel não implica que me esqueça dos crimes da Fatah,

      Abraço, amigo

      Eliminar
  16. Estoy de acuerdo con usted, no se comprende tanta barbaridad, pero ahí sigue y no tiene visos de ver su final.
    Un buen vídeo.
    Agradecida por su visita.
    Con ternura
    Sor.Cecilia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A Humanidade está a ficar, acho eu, muito perdida quanto a valores , infelizmente.

      E quando se misturam religiões e crenças , pior, porque ninguém deveria ser perseguido por questões religiosas ou de cor de pele.

      Grande abraço

      Eliminar
  17. Os extremos tocam-se!... É o fecho do círculo dos extremismos.
    Na Política, na Religião, na Raça, no...futebol, tudo se rege pela mesma "cartilha": se não és dos meus, és do contra. Logo, um inimigo.
    Os males do Mundo andam pela ambição e hegemonia sobre os menos favorecidos.
    Justiça? Pois! É coisa de gente poderosa, seja ela quem seja.



    Beijos


    SOL

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O que diz faz-me lembrar um cartoon que circula no facebook e que , infelizmente, traduz a actual situação : o filho, que vai pela mão do pai, pergunta-lhe o que são Direitos Humanos e tem como resposta que são coisas que só os ricos têm

      Abraço grande, Sol

      Eliminar
  18. Respostas
    1. Incrível, mas infelizmente verdadeiro...por muito que algumas pessoas o neguem.

      E nem sequer falei dos massacres nos campos de refugiados de Chatila e Sabra, que mesmo em Israel levantou uma onda tremenda de protestos contra Ariel Sharon

      O comentário ao seu post , deixei-o no facebook, porque foi a única maneira .

      Beijinhos

      Eliminar
  19. São, obrigada pelo carinho no Vida & Plenitude...
    Bem reflexivo!
    Haja AMOR! Haja PAZ e UNIÃO!!!
    Abraços...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oxalá , sim, haja Paz e Respeito pelo Outro enquanto ser humano.

      Tudo de bom

      Eliminar
  20. Olá São,

    Achei o seu artigo curioso; pelo que deixo o meu comentário em três partes, visto haver muito para dizer.

    Diz que há apartheid em Israel? Bem, não sei o que a palavra Apartheid significa para si; mas a definição desse sistema político é a seguinte:

    Apartheid é um sistema de segregação racial implementada através de legislação, através da qual é considerada uma ofensa criminal o seguinte:
    - relações sexuais com pessoas de diferentes raças,
    - segregação racial no uso de lavabos, transportes e áreas públicos, hospitais, áreas residenciais etc,
    - ideologia política única e somente as raças que tenham a devida permissão é que podem votar.

    Diga-me, São: é isto que acontece em Israel? De maneira nenhuma.
    Em Israel, pessoas de diferentes raças podem ter relações sexuais umas com as outras; é bastante comum ver mulheres árabes, negras, asiáticas e de pele clara darem à luz na mesma sala de partos em hospitais israelitas; as mesmas raças utilizam os mesmos lavabos públicos; qualquer ideologia política e partido político são bem-vindos ali (i.e. há árabes e pessoas de todos os tons de pele a servir no Knesset [o parlamento israelita]); e todo o cidadão israelita, de qualquer côr e forma, tem o direito ao voto (tal como a, então, Autoridade Palestiniana e a Liga Árabe o reconheceram, no ano passado, quando instaram ao árabes em Israel para irem às mesas de voto afim de "boost their numbers at the polls so that they can strengthen their representation in Israel." [http://www.israelhayom.com/site/newsletter_article.php?id=7118] querendo isto dizer que esses árabes têm a nacionalidade israelita que lhes confere esse direito).

    Em suma: não há Apartheid em Israel. Portanto gostaria de saber qual o propósito da disseminação desta falácia maliciosa, sem qualquer fundamento factual.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pronto, estou esclarecida: Jimmy Carter é mentiroso e eu ignorante .

      Tudo quanto tenho lido, ouvido em documentários e em pessoas que já lá estiveram não corresponde à verdade.

      Lamento laborar em erro.

      Eliminar
  21. PARTE II

    Afirma que os "Palestinianos" são espoliados: claramente desconhece a lei internacional e o relatório de Levy que afirmam que Israel não é uma força ocupadora, e que a Samaria e Judeia (erradamente por si chamada de Margem Ocidental [bem, se se quisesse manter fiel à sua posição de pró-"palestina" deveria ter utilizado o termo internacional [ainda que ilegal]: Cisjordânia) é um território disputado.
    Diz que Gaza é um campo de concentração. Em que medida? Serão os pobres árabes de Gaza forçados a trabalhar sem comer horas a fio? Serão eles depois conduzidos a fornos e câmeras de gás para aí serem exterminados? Mais uma falácia sua, facilmente refutável.
    A Faixa de Gaza é o estado de facto do povo árabe da Palestina (que é a Nação Histórica do Povo Judeu, segundo instrumentos internacionais legais, vinculativos, tais como a Declaração da Conferência de Paz de San Remo e o Mandato da Palestina), faixa essa desocupada por Israel unilateralmente em 2005, onde o Hamas construiu um estado com instituições governamentais dignas desse nome com centros comerciais, supermercados, hoteis etc; e donde exporta produtos tais como cravos, morangos, tomate bébé etc.
    Portanto, também não compreendo a sua definição de campo de concentração.

    Quanto à comparação falaciosa entre o Sionismo e o Nazismo:
    Sionismo: movimento político movimento político e filosófico que defende o direito à auto-determinação do povo Judeu e à existência de um Estado nacional judaico independente e soberano em Eretz Yisrael.
    Nazismo: ideologia praticada pelo partido nazi Alemão, caracterizada como uma forma de fascismo de extrema direita que incorpora racismo científico e antisemitismo.
    Portanto como compara alhos com bogalhos: um movimento político (sionismo) com uma ideologia (nazismo)? Não sabia que a defesa do direito à auto-determinação e respeito pelo principio "pacta sunt servanda" equivale à noção de que a raça ariana é perfeita e todo o resto deva ser exterminado.

    A São é perigosa na maneira como deseja controlar o pensamento das pessoas ao praticar o duplopensar (se não sabe do que se trata aqui fica um resumo da definição deste conceito Orwelliano "Saber e não saber, estar consciente da completa verdade ao mesmo tempo que profere mentiras cuidadosamente elaboradas [...]"), senão vejamos:

    "logo porque o primeiro acha os judeus o "povo eleito" e quer reconstruir o Grande Israel ( que implica a destruição de uma série de países à volta"

    É notável a sua propensão não só para a falácia como para a demagogia barata. O dito Grande Israel não implica a destruição "de uma série de países à volta" - ou a São é completamente ignorante no que toca à história do conflito árabe-Israelita (à lei internacional e acordos assinados) ou então está-se a fazer de ignorante, o que é francamente pior e mais perigoso. O Grande Israel implica o território descrito no Mandato da Palestina (faixa de Gaza, Samaria & Judeia e Jordânia) mas que por considerações políticas Israel esteve disposto a abrir mão de parte do território coberto pelo Mandato.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço as explicações , que são muito claras.

      Eliminar
  22. PARTE III

    Se vamos falar do Lobby judaico, falemos também do Lobby da Fatah/OLP na Europa e EUA.
    Se vamos falar de atrocidades, falemos também daquelas praticadas pelo Hamas e pela Fatah.
    Se vamos falar de ocupação, falemos também da ocupação territorial que a Fatah e Hamas fazem de território disputado (neste caso, a Samaria e Judeia).
    Equilibremos o debate se queremos mesmo paz e não somente expressar um antissemitismo latente, através de subterfúgios.

    A São tem todo o direito democrático de tomar uma posição de apoio à "Palestina". Mas se vai fazê-lo então faça-o com base em argumentos sólidos e em factos; não em falácias maliciosas e demagogia Junk.

    Aguardo a sua resposta, minha cara.

    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Assumo mais uma vez a minha pouca capacidade para perceber facto tão claramente como o senhor : se os palestinianos são semitas , como é que eu sou anti-semita?!

      Ou até nisso estou errada e os palestinianos não são tão semitas quanto os judeus?

      Boa tarde

      Eliminar
  23. Estava aqui a ler a troca de palavras entre a São e Max Coutinho e pensei: a São diz ter laborado em erro. Quererá isto dizer que está pronta a corrigir esse erro? Ir-se-á retratar? Porque se não o fizer então não foi em erro que escreveu esta calúnia mas sim num acto deliberado!

    Gostaria que Max lhe responde; e espero que o faça. Mas entretanto ofereço-me para lhe responder à sua pergunta sobre o antissemitismo:

    Universalmente, o termo antissemitismo define-se como:
    "Antissemitismo é o preconceito ou hostilidade contra judeus baseada em ódio contra seu histórico étnico, cultural e/ou religioso." (http://pt.wikipedia.org/wiki/Antissemitismo)
    O termo foi cunhado na Alemanha como "uma alternativa estilisticamente científica para Judenhass ("Aversão a judeus")" por isso o seu argumento de que os árabes são semitas e logo como poderia ser antissemita, é exactamente o argumento utilizado pelos antissemitas que desconhecem a origem do termo "antissemitismo".

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De facto estou numa situação interessante: por um lado Max e a Ana acusam-me de calúnias e anti-semitismo...e por outro há quem me acuse , no facebook, de que estou a defender os judeus a todo o custo e a caluniar a vencida Alemanha.


      Pelos vistos, não estou mesmo bem informada: os campos de concentração e de extermínio nazi não existiram, os massacres de Chatila e Sabra também não.

      Sendo assim, não sei muito bem que atitude tomar.

      Consequentemente, o assunto termina aqui. E se Max regressar , lamento muito terei que lhe dar a mesma resposta.

      No dia em que eu viver como os árabes vivem , com um muro de quilómetros e quilómetros de comprimento e alguns metros de altura( se é que existe) ou em Israel para ver por mim mesma como vivem lá as pessoas eu então responderei.

      Por agora limito-me a fazer o que faço desde a adolescência , que foi quando comecei a dedicar-me à Segunda Guerra.E, claro, a tirar as minhas próprias conclusões.

      Agradeço-lhe a explicação do termo, embora a minha percepção continue igual, ou seja, se os dois povos são semitas é anti-semita quem estiver contra judeus e palestinianos.

      Boa tarde

      Eliminar
  24. "O sarcasmo é o refúgio dos fracos" (Jean Paul Sartre)

    Ainda bem, São que consegue admitir em público que o seu pensamento é estático e não evolui à medida que recebe nova informação. Kudos para si!



    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Qual será o refúgio de quem se acha superior e não tem a humildade de reconhecer que ninguém tem a verdade na mão?!

      Retribuo os kudos.

      Eliminar
    2. São, a resposta à sua pergunta é simples: esse refúgio é o seu blogue.

      Não voltarei mais, já vi tudo. Foi um prazer trocar algumas palavritas consigo. Salam Aleikum!

      Eliminar
    3. Os sionistas têm realmente uma capacidade de análise espantosa: ou se é a seu favor ou então é-se anti-semita /nazi.

      Além disso, não conhecem rigorosamente nada da pessoa nem sabem se defende os judeus e se denuncia as perseguições de que foram estupidamente vítimas , mas como não concorda com colonatos, territórios ocupados ,muros de separação e bombardeamentos de Gaza então vêem logo tudo de uma vez só , porque têm medo da verdade.

      Obrigada por não regressar, porque não tenho efectivamente capacidade de trocar umas palavritas com quem me acusa de mentirosa esquerdista e que , segundo parece, não teria direito de começar a interessar-se pela Segunda Guerra e suas consequências aí pelos seus 16 anos...

      Oxalá os sionistas tenham a humildade e a coragem de colocar em Jerusalém um memorial pedindo perdão aos palestinianos como os portugueses o fizeram erguendo uma placa de reconhecimento do infame massacre que durante três dias se abateu sobre os judeus de Lisboa , que começou na igreja dominicana do Rossio, por incentivo de padres fanáticos no reinado de D. Manuel I( que acabou por mandar executar dois dos responsáveis, aliás).

      Que o Senhor dos Exércitos a acompanhe, Ana!

      Eliminar
  25. Hahahaha você é tão engraçada, São! Uma querida!
    Não sou sionista embora seja judia, mas pronto: mais uma vez revelou a sua ignorância. Naturalmente não sei nada de si, tal como a São nada sabe de mim; a minha crítica foi baseada neste artigo publicado neste blogue. Lamento que não saiba ver a diferença entre uma critica ao que apresenta em público e um ataque pessoal, que seria insensato visto que não a conheço pessoalmente.
    Tente informar-se mais sobre o meu povo, porque há muito mais para além do sionismo.

    Que Deus a ilumine!

    ResponderEliminar
  26. Não sei se já leu ou não o a texto de novo, porque dada interessante troca de impressões que temos tido (Max incluído) fiz alterações, porque realmente os palestinianos não estão em campos de concentração.

    Penso que conhece o escritor judeu norte-americano Richard Zimler. Foi através de "O Último Cabalista de lisboa, seu primeiro romance , que comecei a admirá-lo e , actualmente estou a ler "Á Procura de Sana", inspirado num facto real da sua vida e em que foca a amizade entre duas meninas e respectivas famílias, sendo que uma é judia e a outra árabe.

    Estou a iniciar o capítulo doze e a admiração que sinto por este homem até agora só tem aumentado.

    Se conhece ou vier a conhecer a obra , perceberá o motivo.

    Realmente não a conheço e por isso nunca a caluniei, até porque nem faz parte dos meus hábitos.

    Como parece que não há maneira de me fazer entender, já que até acha que considero todos os judeus sionistas e todos os árabes uns santos, o assunto acaba mesmo aqui .

    O que eu defendo é que os judeus têm direito a uma pátria, mas os palestinianos também. Se acha errada esta abordagem , claro que está no seu direito. Mas eu não consigo ver o drama daquela região de outro modo: toda a gente está a perder, incluindo o seu povo( que já sofreu bastante durante séculos e sem razão para tal).

    Porque não quero ser mal educada, informo-a previamente que se - ao contrário do que antes afirmou - regressar e, ainda por cima, nesse tom, eliminarei o comentário.

    Agradeço e retribuo : haja Luz !!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. São, obrigada pela sugestão do autor: irei procurá-lo. Quanto às mudanças que fez: pior a emenda que o soneto. Sim, retirou a parte dos campos de concentração, mas deixou ficar todas as outras mentiras e acrescentou ainda algumas coisitas mesmo depois de lhe ter explicado a origem da palavra anti-Semita e porque é que só se aplica aos Judeus: aplausos.

      Eu também quero uma pátria para os "Palestinianos": em Gaza ou na Jordânia.
      Se quiser apagar este comentário, esteja à vontade, o blogue é seu; mas irei partilhar a sua resposta nas redes sociais; já para não falar neste seu artigo calunioso.

      Foi um prazer.
      Salam Aleikum

      Eliminar
  27. Eu tenho que lhe agradecer uma coisa: finalmente, percebi como tinha razão o búlgaro que pensou que o grupo de quatro pessoas onde em me integrava era composto por judeus.

    Pode espalhar ainda mais o post, só espero que realmente a Mossad ou alguém sofrendo de fanatismo não se lembre de fazer algo que está dentro dos seus hábitos, mas também não é isso que me fará calar: só se me assassinarem.

    Já passei por uma ditadura e por uma Revolução, portanto não é por aí que me assustam.Além disso, como já lhe disse, no facebook um nazi resolveu acusar-me de dar aos judeus o estatuto de vítimas que nunca foram e de estar a caluniar a Alemanha que, por ter sido vencida, nem se pode defender...

    E , agora sim, vou ser sarcástica: se estiverem interessados em que eu desapareça acho que vão ter que, mais uma vez, enfrentar-se para vosso mal.

    Ainda gostaria de saber porque motivo é que toda a gente mente , menos quem defende incondicionalmente Israel. Lamento muito, mas entre Carter ( que sei quem é e o trabalho que tem desenvolvido ), uma amiga minha , cujo sogro ainda guarda a chave da casa que teve que abandonar para entrar uma família judia e a Ana, que não faço a mínima ideia de quem seja, não vejo razão para acreditar mais em si do que nas pessoas que referi ...e noutras.

    A Ana diz querer uma pátria para os árabes e eu acredito, mas quem assassinou o responsável pelo Acordo de paz com o Egipto foi um judeu e quem o insultara comparando-o com uma figura nazi foi Benjamim N. o actual primeiro -ministro - o que levou a viúva do assassinado a nem lhe ter aceite cumprimentos no funeral.

    Só mais uma coisa e é-me indiferente que me creia ou não: Arafat foi sempre alguém que nunca me agradou nem inspirou confiança , por várias razões.Mas foi a ele que o seu povo escolheu...

    Que DEus nos ilumine, principalmente a quem tem o Poder na mão!

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...