segunda-feira, 25 de janeiro de 2016

MARCELO REBELO DE SOUSA, PRESIDENTE DA REPÚBLICA

O professor universitário e comentador televisivo Marcelo Rebelo de Sousa foi ontem eleito Presidente da República Portuguesa à primeira volta e com mais de cinquenta por cento dos  votos válidos.

A abstenção foi de 50%, significando assim que cinco milhões de portugueses e portuguesas, pura e simplesmente, abdicaram de decidirem sobre o seu próprio futuro.

Espero sinceramente que Marcelo cumpra aquilo que afirmou no seu discurso de vitória e desempenhe bem o cargo, para bem do país.

Estou furiosa com quem por indiferença e conformismo não exerce o seu dever cívico de votar , tendo depois o descaramento de se lamentar  e queixar, quando as coisas não correm bem.

Como é possível ignorar-se e desrespeitar quem perdeu a vida para que o voto seja universal ?!

É inaceitável que as mulheres, impedidas de votar na ditadura Salazar-Caetano, agora se permitam o luxo de recusar o direito de se fazer ouvir !

Mais uma vez a Direita uniu-se e engoliu sapos, pois é do conhecimento público que nem Pedro Passos Coelho (PSD) nem Paulo Portas (CDS) morrem de amores por Rebelo de Sousa e , muito menos, o queriam como candidato dessa área política.
 
Quanto à Esquerda e com o Partido Socialista (PS) preso , a nível interno, por fios , a desunião foi a  habitual : Bloco de Esquerda  e PCP apresentaram candidaturas próprias e apareceram umas quantas figuras, algumas  despropositadas.

António Sampaio da Nóvoa sendo independente e desconhecido, conseguiu fazer uma campanha em crescendo e eu cheguei a acreditar ser capaz de ir a uma segunda volta.

Maria de Belém(PS) foi um desastre total a todos os níveis e acabou com 4% , depois do triste espectáculo dos auto-elogios, dos remoques aos outros candidatos,  do não assumir que pedira  a reposição da subvenção como deputada, da representação da facção apoiante de António José Seguro.

Vitorino Silva acaba com um resultado surpreendente e  para mim inexplicável, logo atrás dos "tubarões ".

Edgar Silva (PCP) teve um desaire imenso  e Jerónimo de Sousa  na sequência disso , soltou uma frase bem infeliz sobre Marisa Matias(BE), pois a europdeputada é muitissimo mais do que uma "candidata engraçadinha" e foi por isso mesmo que obteve um excelente resultado.

Finalmente, Cavaco acaba os seus pesados trinta e cinco anos de vida política activa, mas não sem antes nos lembrar mais uma vez que é uma criatura desprezível, medíocre e mesquinha : vetou legislação sobre a adopção por pares homossexuais e interrupção voluntária da gravidez .



42 comentários:

  1. Resumindo: Vira o disco e toca o mesmo.
    Boa semana, tudo de bom.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esperemos que seja um, pouco melhor, pois o algarvio é totalmente indigente a nível intelectual.

      Abraço e boa semana

      Eliminar
  2. Que ele cumpra as promessas e que o governo seja bom para o povo! beijos, chica

    ResponderEliminar
  3. Parabéns pela descrição perfeita do final das eleições!
    Como tu, não entendo quem não vota!
    Enfim...é o país que temos.
    Não confio , de todo, em Marcelo...espero para ver!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, quaNTo a Marcelo, a minha confiança também não por aí além, não.

      Veremos!

      Como é possível as pessoas abdicarem do seu poder de decisão???

      Beijinhos agradecidos

      Eliminar
  4. Amiga São, fez uma análise muito correcta desta eleição, e correctíssima no que toca ao Cavaco.

    Um beijinho e boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grato abraço, amiga , e ainda bem que concordamos !

      Eliminar
  5. A campanha foi um espetacúlo,
    nunca dantes visto em Portugal
    só não foi no Teatro de S, Carrúlo
    nunca tinha ouvido dizer tanto mal!

    Não é com o vinagre,que se apanhas as moscas. Mas sim com o açúcar que está dentro do recipiente de vidro junto do vinagre. Elas moscas não comer o açúcar, ao levantarem voo, porque o vidro é transparente, batem com as asas no vidro e caem dentro do vinagre e morrem afogadas!
    É com o anzol que se apanha o peixe, mas é se tiver preso no anzol, bom engodo. Porque se não tiver engodo nenhum peixe lá vai morder!

    Por isso mesmo eu penso que não se vence o adversário, só com acusações contra ele. Mas sim com inteligência conseguir fazer com que as suas palavras conquistem a confiança dos eleitos!

    O Tino de Rans, fez uma campanha divertida, dançou e fez dançar, sem pisar os pés do parceiro!

    Tenha uma boa noite amiga São, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Corrijo: Elas moscas vão comer o açúcar! Dos eleitores e não dos eleitos!

      Eliminar
    2. Concordo: as pessoas têm que apresentar ideias escorreitas e que se entendam, porque atacar tudo e todos , além de ser impróprio, não resulta.

      Veremos o que Marcelo faz.

      Meu amigo, boa semana

      Eliminar
    3. Mesmo sem errata, dava para entender :)

      Eliminar
  6. Não me surpreendeu o Marcelo ganhar à primeira volta. Como não me surpreendeu o resultado do Tino, que podia ser bem maior com alguém por trás que orientasse a campanha. Não que pense que ele poderia ser presidente da república, mas que é um homem do povo e quem vota gosta disso. Penso que devia ser devidamente aproveitado por algum dos partidos. ´Bem orientado é um homem com muita força e competente. E decerto existem cargos na política onde podia fazer um bom trabalho.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois, veremos o que irá ainda fazer o nortenho e que fará Marcelo, tão beneficiado pela comunicação social.

      Beijinhos, amiga

      Eliminar
  7. Pois vamos ver o que vai fazer!!
    Beijos de boa noite.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  8. Tino de Rãs... o mais autêntico, nesse autêntico ninho de vespas, daí a explicação para o seu bom resultado...
    Enfim! Vamos lá ver se é desta que temos um Presidente de todos os portugueses eleito... mas cá para mim... e como já alguém mais acima o afirmou... vira o disco e toca o mesmo...
    Em relação ao presidente cessante... não poderia estar mais de acordo...
    Beijinhos! Boa semana!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, é genuíno...mas, convenhamos, não tem preparação para ser Presidente da República, mas como o desempenho do reformado de Boliqueime foi tão mau...levou algumas pessoas a pensar que qualquer um(a) de nós o pode fazer.

      Eu não votei Marcelo nem tenho grande confiança(para não dizer nenhuma) nele, mas espero que tudo corra bem.

      Beijinhos w abraços, Ana

      Eliminar
  9. Para mim qualquer um seria melhor que o actual presidente o Sr. Cavaco Silva.
    Espero que o Marcelo se porte bem.
    Um abraço e boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, pior do que o reformado algarvio, deve ser quase impossível, concordo.

      Oxalá que Marcelo saiba estar à altura das responsabilidades!

      Beijinhos

      Eliminar
  10. Que seja um bom presidente.


    Isabel Sá
    http://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
  11. Que faça um bom trabalho.... Bjbj Lisette.

    ResponderEliminar
  12. Que seja integro nas propostas apresentadas.
    bjs
    Ritinha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Oxalá, Ritinha, oxalá ele cumpra o que prometeu

      Abraço carinhoso

      Eliminar
  13. Pior que o Aníbal será difícil de encontrar. Mas isto nunca fiando, né?
    Está eleito agora que Presida e bem, porque para presidente já tivemos dose que chegue.
    Foram tristes as declarações de alguns para justificarem os seus magros resultados. Do Jerónimo de Sousa esperava muito mais do que aquela frase/apreciação reles. Acho que cada um teve o que mereceu.
    Beijos, mas com sorrisos.

    §-o teu texto? assino por baixo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim, pior do que o reformado de Boliqueime só por encomenda, mas "isto nunca fiando" como bem dizes .

      Sousa anda aflito com a ultrapassagem sistemática do PCP pelo BE, mas nada justifica o machismos labrego da sua frase.

      Comentei no teu blogue, mas saiu como Anónimo

      Tudo de bom

      Eliminar
  14. Vamos ver o que o futuro nos reserva :)

    ResponderEliminar
  15. São, afinal o Prof. Marcelo Rebelo de Sousa, parece ter sido o candidato de todo a espetro politico. Ganhou ele e as abstenções. Resta o futuro.
    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo.

      Enfim, é o país que somos ...

      Agradeço o novo comentário e renovo o pedido de desculpas pela involuntária eliminação do outro.

      Bom fim de semana :)

      Eliminar
  16. foi pena o peixinho não ter comido o tubarão
    jajajaja
    abrazo, presidente morto, presidente posto...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu gostaria muito de ter visto isso , rrss

      Beijinhos e feliz final de semana

      Eliminar
  17. A abstenção é um atentado à democracia.
    Pior que isso é o que está por detrás: a falta de opinião que advém da falta de uma formação cívica e académica sólidas...e quantos não votam plenos de inconsciência...é a ignorância do povo que alimenta o poder...
    Bem-haja!
    beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Subscrevo na íntegra o seu lúcido e certeiro comentário, Graça.

      Tudo de bom

      Eliminar
  18. Respostas
    1. Também eu, mas que não arme confusões

      Beijinhos, amiga

      Eliminar
  19. Um bom trabalho, que, se não pões opção alguma vou divulgar na minha Aula de Cultura Portuguesa. Aqui quase que nem se falou destas eleições. Só um pouco das visitas de algum dos políticos de moda a Portugal.
    Escrevo aquilo que sinto en cada momento, repetir o que disse há dias resulta tarefa difícil.
    Abraços de vida, querida amiga

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Te agradeço imenso tanto me dares a honra de aproveitares o meu texto como o favor de repetires o comentário.

      Um afectuoso abraço com renovado pedido de desculpas pela involuntária eliminação do comentário original, meu querido amigo, e bom domingo.

      Eliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...