sábado, 5 de junho de 2021

POESIA - GRAÇA PIRES (5/6/2020)





Não frequentou a escola 

no tempo de criança que lhe coube.

O trabalho instalou-se, desde sempre,

na orfandade de suas mãos.

Queimava alecrim para incensar

a cal das paredes por onde gotejava

a secura dos olhos.

Um cansaço antigo a transformou

em filha de si própria.

28 comentários:

  1. Que lindo,São! Bela escolha trazer a querida Graça Pires! Adorei! beijos, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço em meu nome e no nome da Graça!

      Beijinho, amiga, excelente semana

      Eliminar
  2. Parabéns pela inspiração, querida amiga.
    Grata pela beleza da leitura.
    Beijinhos
    ~~~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agradeço em nome da autora e meu.

      Abraço e que tenha boa semana, minha amiga :)

      Eliminar
  3. Olá amiga São
    Um poema intenso, um sentimento forte em versos que tocam o coração
    Belíssimo poema da amiga Graça
    Beijinhos e uma linda semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem vinda, querida amiga!

      Ainda bem que ambas sentimos o emso relativamente ao poema da Graça.

      Abraço grande , excelente semana

      Eliminar
  4. Tantas e tantas assim, São.
    Que nunca tiveram tempo de ser meninas.
    Boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. continuam existindo, desgraçadamente...

      Para si e meninas também boa semana, graças.

      Eliminar
  5. Qué maravillosa conjunción de poesía e imagen, querida amiga. Feliz semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Muvhas gracias, amigo mio.

      Excelente semana .Te abraço :)

      Eliminar
  6. Respostas
    1. Um dos que mais me agradou.

      Para si e família também, graças.

      Eliminar
  7. Infelizmente, há muitas pessoas assim...
    Excelente poema da nossa amiga Graça.
    Belíssima partilha!

    Beijinhos, e ótima semana, amiga São.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade e desgraçadamente ainda existem muitas pessoas com este destino cruel e injusto.

      Abraço, Mário, feliz semana

      Eliminar
  8. Es duro el poema pero es un gran poema.

    Besos.

    ResponderEliminar
  9. Bela escolha, São! Lindo, o poema da Graça! Meu abraço, querida amiga; boa semana!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Que bom teres apreciado, Swami, este belo poema da mossa amiga Graça.

      Te abraço com carinho.Boa semana

      Eliminar
  10. Obrigada, minha Amiga São, por divulgares este meu poema que foi feito para o meu livro "A solidão é como o vento" e que fala de uma realidade que infelizmente conhecemos. Obrigada a todos os que aqui passam para ler e gostam.
    Uma excelente semana.
    Cuidado com a saúde.
    Um beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Para mim, um dos teus mais tocantes poemas.

      E nada há para agradeceres,

      Beijinho com estima, desejando-te o melhor de tudo.

      Eliminar
  11. Uma realidade quotidiana e muito presente ainda este país, velhotes que gostariam de saber escrever o seu nome ou um pouco mais, mas o Estado dá computadores e Interner a quem já tem consolas em casa

    Enfim, mero desabafo

    Gostei muito do poema, obrigado pela partilha

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, isso acontece. Porém , a analfabetismo dos velhotes vem do regime anterior.

      Eliminar
  12. Gostei do poema de Graça Pires.
    A imagem fala por si soa e reflite o que se conta no poema.
    Vou ver melhor a sua postagem.
    Bjs

    ResponderEliminar
  13. Para mim, este é um mais tocantes poemas da Graça.

    Abraço, boa tarde

    ResponderEliminar
  14. Uma realidade ainda tão presente... brilhantemente traduzida nas magistrais palavras da Graça... e a imagem, não poderia complementá-las melhor!
    Beijinhos para ambas! Grata por este momento, de excelência!
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, pelo mundo fora ainda existem muitas crianças a quem estão roubando a infância...

      Grato abraço, Ana !

      Eliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...

CITAÇÃO : ADORNO, FILÓSOFO ALEMÃO, 1949

 "Escrever poesia depois de Auschwitz é bárbaro e a educação tem como objectivo que se não repita!"