MALTA

MALTA

segunda-feira, 31 de março de 2008

POEMA


Subtil
E de maneira secreta
A luz desce
Ao longo do corpo
Por dentro dos olhos abertos
Da noite
Para que os leopardos
Se soltem
Para lá do sangue ardente
De quem busca e perde
A ciência da verdade.
São Banza

quinta-feira, 27 de março de 2008

DIA DO TEATRO

Festeja-se hoje o Teatro.
Eu que amo esta arte nobre , não poderia deixar passar a data em brancas nuvens.
E não há melhor maneira de celebrar o Teatro do que através do preito a FERNANDO PEIXOTO, responsável por um blog imperdível nesta área:
Aqui, este meu caro amigo, desenvolve um louvável trabalho pedagógico e informativo acerca da acividade teatral.
Aqui fica o meu convite para o visitarem!

segunda-feira, 24 de março de 2008

"MASSACRES EM ÁFRICA"

"Massacres em África" é um livro da jornalista Felícia Cabrita , editado pela Esfera dos Livros em Janeiro de 2008.

Felícia Cabrita exerce actualmente a sua profisssão no semanário Sol, após ter passado pelo Expresso e pela SIC, por exemplo.

O seu nome saltou para o grande público quando denunciou o gravíssimo caso de abusos sexuais prolongados sobre as crianças e adolescentes da Casa Pia de Lisboa.

Este livro é constituído por uma série de reportagens surgidas do seu trabalho de investigação sobre acontecimentos terríveis que tiveram lugar nas antigas colónias portuguesas e, de algum modo, relacionados com o colonialismo.

Aqui se mostra à saciedade a extrema facilidade com que o animal humano pratica as maiores barbaridades em nome dos mais nobres principios e invocando o nome de Deus.

Alguns dos massacres referidos são os de Batepá( perpretado pelos portugueses na Guiné, na década de 50 do século passado), Norte de Angola ( efectuado pela UPA em 15 de Março de 1961), Wiriyamu (da responsabilidade da tropa portuguesa em Moçambique, Natal de 1972).

Nos casos em que ainda existem sobreviventes de massacres , a jornalista recolheu os seus testemunhos , fazendo o mesmo relativamente aos responsáveis. Inclusivamente, junta as duas partes.

Este livro destrói por completo as ilusões , que eu não tinha, de sermos um povo de brandos costumes : somos tão selvagens como todos os outros!

Quero deixar aqui testemunho da minha admiração e respeito por tudo quanto implica um trabalho deste tipo.

"Massacres em África" deve ser lido para que tenhamos uma informação bem documentada do que foi a realidade da presença portuguesa naquele continente.

Há livros que se não conseguem ler de rajada : temos que parar para respirar e conseguir continuar em frente. Este é um deles.

domingo, 23 de março de 2008

FOLAR DE MIM PARA VÓS...


É Domingo de Páscoa e o Sol brilha.
Aqui vos deixo uma foto do interior da magnífica Sé de Torre de Moncorvo a acompanhar esta maravilha tecnológica ( Depois de abrir, clicar no chapéu):
Muitas amêndoas doces partilhadas com quem vos quer bem!

terça-feira, 18 de março de 2008

PÁSCOA 2008


A Virgem da Macarena é uma das imagens que percorre durante doze horas as ruas e avenidas de Sevilha na Semana Santa.
O andor pesa largas centenas de quilos e é transportado aos ombros de dezenas de homens que se revezam de quinze em quinze minutos.
A procissão é acompanhada por Saetas e gritos de "Guapa!".
A Basílica que guarda a imagem é pequena, mas possui um interessante Museu onde se encontram as ofertas de alguns dos mais famosos matadores de touros.
Aqui vos deixo votos de uma Páscoa de ressurgimento!

sábado, 15 de março de 2008

"GUERRA COLONIAL"


Entre capim e catanas
Os nossos amigos sofriam.
Pior , eram os que mortos...viviam!

São Banza

A 15 de Março de 1961, a UPA, sob a responsabilidade de Holden Roberto, massacrou bárbaramente milhares de colonos portugueses e bailundos no Norte de Angola, na sequência da crueldade do colonialismo velho de séculos do império português.

Deu-se assim início a uma guerra inútil e estúpida que só findou após 25 de Abril de 1974.

Paz às vítimas!

sexta-feira, 7 de março de 2008

8 , MARÇO

De repente semeias o ar
de cor  e alegria

Nesta encruzilhada
dói-me como um punhal
a tua presença no meu pensamento
nesta casa vazia

Um rio tumultuoso
liberta a minha fragilidade
quando te ouço
vejo ou
penso em ti
resguardando os gestos e as palavras
porque de súbito tudo parece tão perto
a felicidade
o riso
a serenidade
e o receio de perder-te
de tu não estares ou partires.

VÍCTOR NOGUEIRA


Obrigada por este teu poema, neste Dia da Mulher !