MALTA

MALTA

quinta-feira, 5 de novembro de 2009

"SUGESTÃO"

O mar é grande por não ter sentido.

Por ser um verso azul feito de espuma,

E de fúria e de bruma,

E nunca se cansar dentro do ouvido.


MIGUEL TORGA

62 comentários:

  1. Que giro, rima e é lindo..
    Gostei de te saber aluna do Zeca Afonso, maravilhoso..
    Beijinhos a ti e adoro o mar, sempre o mar..laura

    ResponderEliminar
  2. Os grandes poetas como Torga conseguem sempre tocar-noe, não é?

    Um abraço, linda.

    ResponderEliminar
  3. Sendo uma eterna e profunda apaixonada pelo mar, não podia deixar de apreciar este curto mas intenso poema de Miguel Torga.
    Beijinhos
    Branca

    ResponderEliminar
  4. O nosso querido Torga, sabia escrever, e não foi por acaso que se tornou poeta!... Há poesias e poesias, mas algumas, tocam-nos..Mais jinhos a tu..laura

    ResponderEliminar
  5. miguel torga um amante da nazaré! fala do mar, do meu mar, do nosso mar, que está um cão... quer galgar o paredão, são ares de inverno que se aproxima!
    beijinhos, xará

    ResponderEliminar
  6. Furiosas de espuma,
    de poeirada branca,
    contra as rochas escuras,
    infatigáveis,
    as ondas.

    Um grande abraço

    ResponderEliminar
  7. .__________querida São





    .aquele mistério


    .
    mar_________que cala em nós

    .tão indecifráveis

    .
    sente.SE.sente.SE

    apenas

    .a



    sua


    magnificência___________de exitir...



    Torga:_______o Mestre tinha (tem) razão!







    ______________///








    beijO______ternO
    b.f.semana

    ResponderEliminar
  8. Boa a "sugestão" experimentar reler este fds algo de Miguel Torga.

    Esse mar está lindo de arrepiar, quer pela beleza, quer pela sua bravura.

    bjs.
    Mer

    ResponderEliminar
  9. ... e porque o mar é a metáfora da vida. Até nas tempestades!

    Beijinhos São e óptimo fim de semana!

    ResponderEliminar
  10. Nós portugueses temos como sina ser apaixonados pelo mar. O grande Torga não fugiu à regra.
    Bom fim de semana

    ResponderEliminar
  11. "... nunca se cansar dentro do ouvido"
    quando bravio mete respeito;
    o mar que tem tamanho desmedido
    que ao maior rio causa despeito.

    Abraço e óptimo fim de semana!

    ResponderEliminar
  12. Grande o mar...enorme Miguel Torga!

    beijinho

    ResponderEliminar
  13. O mar da São é mesmo a espuma da clarividência vindo à tona...

    ResponderEliminar
  14. O mar é sempre algo que nos extasia
    beijinhos

    ResponderEliminar
  15. Bem vinda, BRANCA!
    Eu também amo muito o mar.

    Bom fim de semana.

    ResponderEliminar
  16. Há poesias e poesias, não é, LAURINHA?

    Bom fim de semana, linda.

    ResponderEliminar
  17. Minha querida xará, a Nazaré é ela própria um hino ao poder do oceano, principalmente vista do Sítio no Inverno.

    Um grande abraço e altos voos, GAIVOTA.

    ResponderEliminar
  18. Como é possível que aquele eterno movimento tanto nos acalme?!

    Beijinhos, DUARTE!

    ResponderEliminar
  19. Querida BETTY, o mar é algo poderoso que nos toca bem no fundo e nos fascina sem remédio, não é?

    Um abraço grande.

    ResponderEliminar
  20. Tudo nos Açores é maravilhoso, até o mar!

    Um grande abraço, JARDIM.

    ResponderEliminar
  21. Querida LÙCIA, concordo : o mar é tudo de grande!

    Um beijinho para ti.

    ResponderEliminar
  22. E como é possível alguém não se apaixinar por aquela beleza sem par, MARIA ELVIRA?

    Ah, a resposta ao e-mail é "sim".


    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  23. Muito bem, gostei.

    Abraços, LEGÌVEL.

    ResponderEliminar
  24. Bem vinda AUSENDA!

    Ambos a merecerem-se, não é?

    beijinhos.

    ResponderEliminar
  25. agradou.me o comentário, sim.

    Bom fim de semana, ROUXINOL.

    ResponderEliminar
  26. ....porque ali começou a Vida!

    Beijinhos, querida LUNA!

    ResponderEliminar
  27. Querida, eu não sei comentar tamanha beleza , a da poesia, e que traz a precisão da simplicidade - o que a torna mais bela.
    Muito menos o mar, onde mora minha mãe Yemanjá.
    Mas que momento bom você me deu!

    ResponderEliminar
  28. ...e como lhe posso eu agradecer essas suas amáveis palavras, linda?

    Um abraço grande.

    ResponderEliminar
  29. o mar

    azul

    livre

    água

    é mar...

    abrazo serranos

    ResponderEliminar
  30. São,


    é ____lindo____ .

    sorrisos :)
    mariam

    ResponderEliminar
  31. ...e como eu adoro o mar!

    Besos, MIXTU.

    ResponderEliminar
  32. Folgo em que goste.

    Diga-me, por favor, sou eu que não encontro onde comentar no seu blogue ou não se pode mesmo comentar?...

    Boa semana, MARIAM

    ResponderEliminar
  33. *
    sentir no ouvido,
    que bom,
    o marejar
    de um mar
    indefinido . . .
    ,
    conchinhas, deixo,
    ,
    *

    ResponderEliminar
  34. e esse ruído que nos move o coração, é fogo, ou simplesmente pura paixão.

    ResponderEliminar
  35. o mar é apaixonante, não é?

    Boa semana, POETA.

    ResponderEliminar
  36. Talvez a raiz da Vida...
    Fique bem, mAgia da Noite.

    ResponderEliminar
  37. Muito bom, amiga! Obrigado. :) Boa semana, fica bem.

    ResponderEliminar
  38. Miguel torga é uma das reservas morais portuguesas e um excelente poeta, e o mar é uma das minhas paixões.

    Um abraço grande, Mestre.

    ResponderEliminar
  39. Querida São,
    Vinha buscar a "hortense" e já não está?
    Que se passou?
    É que ainda não sei colar os selinhos e preciso de ajuda.
    A ajuda está aqui ao pé de mim...mas a hortense desapareceu?

    Bjs.
    Mer

    ResponderEliminar
  40. Minha linda, a hortense nunca esteve aqui.
    Está no blogue onde escrevo mais: "são".
    Aqui, só publico semanalmente.

    Beijinhooooos

    ResponderEliminar
  41. e grandes são as palavras de Torga...depois delas tudo que se diz sobre o mar é pequeno
    beijo

    ResponderEliminar
  42. Sabes o que impediu Torga de ser proposto para o Nobel? a inveja terrível que caracteriza a Ibéria.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  43. LINDAS PALAVRAS.
    Fiquei deliciada com a suavidade de pensamentos.
    Obrigado pela partilha.

    Já agora:
    «Se usasse um dos seus filhos para salvar outro, estaria a ser uma boa mãe... ou uma péssima mãe?»

    Se dependesse de nós salvar um familiar próximo, que tanto amamos, não hesitaríamos em doar sangue, medula, até um rim... mas essa seria uma escolha nossa, não seria a escolha que outros fariam por nós.
    Anna, a protagonista desta história, sente-se dividida entre ajudar a irmã que está a morrer e as dúvidas sobre a sua própria existência nesta família visto que foi gerada com o fim de salvar a irmã a quem foi diagnosticada uma forma grave de leucemia.
    Mais um filme que aborda um assunto polémico e emocionalmente perturbante, que nos prende até ao último minuto do filme.

    ResponderEliminar
  44. Se estás perguntando o que acho . então digo assim: só quem está em situação é que sabe!

    No entanto, penso que uma criança deve ser querida por si e não como remédio ou pretenso substituta seja de quem for.

    Desgraçadamente, conheço casos mais do que suficientes para ter a certeza desta minha tomada de posição.

    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
  45. O mar é grande
    --------------
    Possívelmente, se olhado do espaço, o mar não passará de um ínfimo ponto.
    ---------
    Fica bem.
    E a felicidade por aí.
    Manuel

    ResponderEliminar
  46. Que bela sugestão !

    Beijinhos

    Verdinha

    E viva o Sporting ! ;D

    ResponderEliminar
  47. Olá, MANUEL!
    De cima, isto é, do espaço a suprficie aquática ressalta: é por isso que a Terra tem o nome de planeta azul.

    Até À próxima.

    ResponderEliminar
  48. Gosto de que tenha gostado.

    Venha sempre, BÍPEDE!

    ResponderEliminar
  49. Olá, minha linda.

    O mar é sempre tentador, não é?

    Beijinhos verdes, VERDINHA.

    E viva o Sporting, sempre!

    ResponderEliminar
  50. Miguel Torga, o Único, que nunca se cansa, de Ser, de nos deixar Ser.

    ResponderEliminar
  51. Sem dúvida, por issso ele é com Herculano uma das referências morais portuguesas.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  52. "Não tenho mais palavras.

    Gastei-as a negar-te...

    (Só a negar-te eu pude combater

    O terror de te ver

    Em toda a parte.)

    Fosse qual fosse o chão da minha caminhada,

    Era certa a meu lado

    A divina presença impertinente

    Do teu vulto calado

    E paciente... E lutei, como luta um solitário

    Quando alguém lher perturba a sua solidão.

    Fechado num ouriço de recusas,

    Soltei a voz, arma que tu não usas,

    Sempre silencioso na agressão.

    Mas o tempo moeu na sua mó

    O joio amargo do que te dizia...

    Agora somos dois obstinados,

    Mudos e malogrados,

    Que apenas vão a par na teimosia."

    Não queria comentar sem me recordar do nome do poema.
    Mas passou-me completamente.
    Pelo menos ficou o tronco e membros, só se perdeu a cabeça.
    Como reduz um mar azul imenso, de fúria em bruma, num sussurro no ouvido.

    Uma boa semana e obrigada pelas palavras que me deixou.

    Cumprimentos.

    ResponderEliminar
  53. Meu caro JOSÈ é sempre bom tê-lo por companhia e quando me enfeita o espaço com um poema assim...só tenho que lhe ficar grata.

    Bem haja!

    ResponderEliminar
  54. Obrigada amiga São.
    É tão vivo e fresco este poema que de tão simples apetece-nos experenciá-lo...

    O "Espírito" sempre presente...

    António Serra

    ResponderEliminar
  55. Talvez porque sou Virgem, aprecio muito estas coisas assim simples.

    Lantejoulas para quê?

    Um abraço, carissimo.

    ResponderEliminar
  56. Amiga Sao,

    Que lindo.

    Me acordaste de una cancion francesa que tocan en "Le scafandre et le papillon" y en "Mr. Bean" que se llama "La mer".

    Te dejo un beso grande..

    ResponderEliminar
  57. também me lembro dessa canção, cantada por Charles Trenet...

    Besos, amigo mio.

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...