MALTA

MALTA

sexta-feira, 15 de janeiro de 2010

OBRA DE ARTE


"A possibilidade do efeito profundo e amplo de um produto espiritual significativo reside na íntima afinidade, na harmonia que une o destino pessoal do seu criador aos destinos indiferenciados dos seus contemporâneos.O público não sabe porque razão concede a fama a uma obra de arte...

Tudo aquilo que é grande nasce como um desafio: nasce apesar de preocupações e sofrimento, pobreza, abandono,fraqueza do corpo,vícios, paixão e tantos outros obstáculos."

THOMAS  MANN

("A Morte em Veneza")

32 comentários:

  1. Amiga,

    gosto , verdadeiramente, de vir aqui! Ler seus textos, as reflexões e levar um cadinho de conhecimento. Aprendendo e refinando o espírito. Obrigada São!


    Beijos, com carinho.

    ResponderEliminar
  2. Graças pela sua grande amabilidade, querida.
    Bem haja!

    ResponderEliminar
  3. HAhahahahahahahah agora voltei gargalhando, amiga! Sou desgraçadamente meia...Não conheço o Pantanal! Hahahahahahahahah.

    + Beijos!

    ResponderEliminar
  4. Então, linda, pode ser qua ainda o vistemos juntas, rrsss

    Um afectuoso abraço.

    ResponderEliminar
  5. Obrigada. Espero, assim, que regresse muitas vezes.
    Fique bem.

    ResponderEliminar
  6. Muito interessante este pensamento de Thomas Mann! Na realidade apesar de a obra de arte poder ter no público diferentes interpretações, porque indiferenciadas personalidades a recriam na sua forma de observar, é interessante reflectir na razão porque o que é grande sobressai acima de todos os obstáculos, muitas das vezes obstáculos bem duros e impositivos, fruto de épocas e estados proibitivos.
    É a beleza que emerge sempre do lodo, para nos dar vida e nos mostrar o caminho da Luz.
    Obrigada pela partilha de tão belas palavras que dão asas ao nosso pensamento.
    Beijinhos São.
    Bom fim de semana.
    Branca

    ResponderEliminar
  7. Que cores! Que tons!

    Que grande Thomas Mann. Não conheço toda a sua obra, mas vendi muitos dos seus livros, no meu passo por Plaza & Janés...
    Obras como "Os Buddenbrook" e "A montanha mágica" imortalizaram-o.

    Não li "Muerte en Venecia" mas não demorarei em fazê-lo, foste a impulsora dessa ideia...

    Bom fim de semana e um forte abraço

    ResponderEliminar
  8. Profunda reflexão a tua sobre a citação , já de si interessante, de Mann.

    Bem hajas, BRANCA!

    ResponderEliminar
  9. Que honra ter-me sido dada a oportunidade de te impulsionar a ler Mann.

    Bem hajas, DUArte!

    ResponderEliminar
  10. Já li esse livro. Talvez numa idade inadequada... bj

    ResponderEliminar
  11. Tem 22 anos: é muito jovem!
    Será que o leu com 12 anos, que foi a idade com que li "O CRime do Padre Amaro"?

    Boa semana.

    ResponderEliminar
  12. *
    ou não seja
    de THOMAS MANN,
    beleza da arte
    é a harmonia infinita,
    ,
    conchinhas,
    ,
    *

    ResponderEliminar
  13. De Mann li algo quando era muito nova e , agora, "A Morte em Veneza" agradou-me pelo enorme domínio da escrita.

    Beijinhos , POETA.

    ResponderEliminar
  14. Li um ou outro livro de Thomas Mann. Agora não me façam lembrar "O Crime do Padre Amaro". Esse custou-me dois dias de suspensão ás aulas bem como "O Sonho" de Emilio Zolla. Andava eu na E.I.C.F. hoje escola secundária de Francisco Franco. A participação ao Director da escola foi feita pelo então padre Maurilio de Gouveia, hoje arcebispo de Évora. Era ele professor de religião e moral. Por essas e outras, hoje sou um ateu confesso.

    ResponderEliminar
  15. O troar do trovão, esta incessante chuva
    As estrelas choram todas as mágoas na terra
    Onde param os Anjos, porque não nos acodem os Santos
    O mal e o bem porfiam esta eterna guerra

    As casas do sul ruiram todas
    Tal como a esperança desesperada
    Toquei no rosto de uma criança triste
    Senti uma paz surgir do nada


    Mágico beijo

    ResponderEliminar
  16. É uma bela definição, sim. amiga. Grato pela partilha.; ) Boa semana, fica bem!

    ResponderEliminar
  17. A arte é isso mesmo, o sublime com um elo de ligação entre a criação e os admiradores, apreciadores, cujo segredo foi lá colocada pelo artista.

    Saudações

    ResponderEliminar
  18. Meu caro João, mas tunão sabes que a Igreja Católica odeia a liberdade e é é incorrígivel?

    Sabes que há um arcebispo es+anhol que afirma haver desgraças bem maiores do que a tragédia que matou milhares de pessoas no Haiti e deixou(ainda mais) desamparadas outras tantas?

    Mas essas idiotoces são só da responsabilidade de quem as pratica.

    Um grande abraço.

    ResponderEliminar
  19. Caro PROFETA, quamdo me deres a honra da tua visita, acresecenta-lhe também o gosto de me comentares aquilo que coloco à vossa apreciação, sim?
    Fica bem.

    ResponderEliminar
  20. Que bom gostares, amigo.
    Beijinhos, ÀRABE!

    ResponderEliminar
  21. O pior é quando essa semente lá posta pelo/a artista não é correspondida

    Fica bem, GATO.

    ResponderEliminar
  22. morte em veneza, colorido quadro, lindíssimo!
    palavras para quê? ninguém sabe para o que nasce... nem porque nasce!
    a vida é um desafio, xará, que é difícil levar em frente, e tantas vezes sem sabedoria, ultrapassando obstáculos sem fim!
    beijinhos

    ResponderEliminar
  23. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  24. Esta minha prolongada ausência não impede, embora tardiamente, de desejar votos de felecidades, venturas e muito amor para este ano de 2010.

    ResponderEliminar
  25. Mais uma vez compartilho inteiramente o teu modo de pensar, querida.
    Bem hajas, xará!

    ResponderEliminar
  26. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  27. Feliz regresso, meu caro !

    Agradeço e retribuo os votos, verdadeiramente.

    Uma enorme saudação de boas vindas, PEPE LUIGI!

    ResponderEliminar
  28. ...e que seja para bem esse nascimento, zogia!

    Abraço-te, MER!

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...