MALTA

MALTA

terça-feira, 25 de setembro de 2012

PENSAMENTO: SERNA

14 comentários:

  1. Até os sonhos nos estão a roubar Sãozita!

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  2. Minha amiga

    Que post acutilante.
    Muito bom!
    Na escala de 1 a 10 deu 11!

    Quanto ao assunto que esteve em epígrafe há momentos, quero felicitada pela inteligência arguta num pensamento escrito em "Glória"!

    Abraço terno e eterno
    M.

    ResponderEliminar
  3. Errata:
    Na escala de 1 a 10 DOU 11!

    e ainda:

    ....quero FELICITÁ-LA pela inteligência....

    perdoe as gralhas, mas o tempo está de chuva....

    M.

    ResponderEliminar
  4. Os sonhos me têm sido sonegados por sucessivos e incompetentes governos.
    E já me vão faltando forças para lutar.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  5. Rosamarela pretende continuar sonhando e por isso lutará,

    ResponderEliminar
  6. Não! ninguém rouba nossos *sonhos, não acredito nisso,a menos que percamos a esperança e, então é a morte ...
    Assim eu penso.
    beijinhos.

    ResponderEliminar
  7. ELVIRINHA, uma mulher de força e coragem como a minha amiga é , lutará sempre!

    Abraço solidário.

    ResponderEliminar
  8. Nunca nos impedirão nem de pensar nem de sonhar, querida!

    Um abraço apertado para ti, ADELINHA, e tua mãe, a quem desejo rápida recuperação.

    ResponderEliminar
  9. O sonho nunca nos poderão tirar!

    Terá que haver união para que nos devolvam a "liberdade"...

    Beijos.

    ResponderEliminar
  10. Sim, espero que desta vez a união seja conseguida!

    Um abraço

    ResponderEliminar
  11. Tens razão, MERY.

    Sonhar é uma coisa que ninguém pode nos impedir...assim como pensar!

    Abraço apertado, querida

    ResponderEliminar
  12. AVELYS
    O meu grato, grato abraço pelas sua palavras generosas

    Bons sonhos

    ResponderEliminar
  13. Querida AVELYS, não se preocupe com as gralhas: deu para entender...e eu também as faço, rrrss

    Abraço apertado

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...