MALTA

MALTA

sexta-feira, 27 de junho de 2014

"AUSCHWITZ - OS NAZIS E A « SOLUÇÃO FINAL» "



"Auschwitz - Os Nazis e  a «Solução Final»" é uma obra em que Laurence Rees investiga exaustivamente o horror constituído tão só pela existência de um complexo como o de Auschwitz-Birkenau, na Polónia, e de tudo quanto de baixeza e crueldade humana isso significou.

Pela sua especificidade , tornou-se o macabro símbolo da política racial e étnica nazi durante todo o seu período de funcionamento ( 14/6/1940 - 27/1/1945), em que milhões de seres humanos de todas as etnias, idades , sexo , pensamento político, orientação sexual , religião, ali foram escravizados, torturados , assassinados.

Refere , igualmente,  a instalação de um bordel e a maneira como os prisioneiros masculinos utilizavam sexualmente as prisioneiras.

Assim como, inevitavelmente, fala nas experiências de Josef Mengele e restante equipa médica.

No entanto, não foi construído propositadamente para  o extermínio de judeus nem nunca foi esse o seu principal objectivo. Aliás,  campos de extermínio existiram, muito menores, certamente sem precedentes históricos , em que se praticou maior assassinato massivo e de que  hoje, dalguns nem vestígios restam : Belzec, Sobibór e Treblinka, cujo funcionamento  começou em 1942.

Foca também o comportamento dos próprios judeus enquanto responsáveis pelos guetos criados ( Mordechai     Chaim R. , dirigente do de Lódz, exemplificando, que esteve longe de ser irrepreensível) e de como se vingaram dos alemães ,após a vitória dos Aliados, sem grandes escrúpulos.

Aborda a maneira como os diversos países protegeram ou não os  seus cidadãos judeus e de como os receberam após a libertação. E, francamente, naqueles que ficaram sob a URSS - que até as pessoas soviéticas tratou indecentemente -  tiveram problemas bem graves.  Sendo assim, percebe-se que tenham querido criar Israel, o que criou um problema maior ainda e sem fim à vista (também pelo apoio incondicional dos EUA ao novo país), isto é, o duro conflito israelo-palestiniano.

O interesse do livro  é muito, porque analisa com profundidade quanto se passou e como se passou naquele período negro e não se centra só nos judeus como vítimas, pois não esquece quem também foi perseguido , aprisionado e assassinado pelo regime  de Hitler, referindo o genocídio de ciganos e a eutanásia selectiva dos deficientes alemães, por exemplo. Além disso, o autor entrevistou  vítimas e carrascos - um destes achou importante testemunhar o que vira em Auschwitz, enquanto lá trabalhara como administrativo SS, porque  um seu companheiro  actual de lazer não concebia ser verdadeira a chacina levada a cabo nos campos nazis.

Um documento chocante pela brutalidade do que relata e pelos números espantosos de vítimas, embora pecando por defeito.

Penso que a não perder , pois  abarca muito mais do que é habitual  nas obras dedicadas à Segunda Guerra.

- "Esta procura de uma relação com uma figura com poder como meio de sobrevivência não se confinava a Auschwitz; também era um fenómeno comum na vida do gueto.Acontece que, aqui, o indivíduo com o poder de vida ou de morte tanto podia ser judeu como alemão."

 -  "Em Dezembro de 1941...Christian Wirth chegou a Belzec para ocupar o posto de comandante.Tinha cinquenta e seis anos.Em 1939, envolveu-se nas acções de eutanásia aplicadas aos doentes mentais, tendo ajudado a organizar o assassínio destes por meio de monóxido de carbono engarrafado. Em 1941, trabalhava na zona de Lublin, onde levava a cabo mais mortes por eutanásia...era um sádico."

- " Vera Alexander, uma prisioneira checoslovaca, apercebeu-se de perto da existência desta dualidade de personalidades em Mengele quando exercia as funções de Kapo num dos blocos destinados a crianças polacas e ciganas."

32 comentários:

  1. Meu marido gosta muito de tudo que diz respeito ao nazismo, por curiosidade apenas, pois não temos nenhum parentesco com alemães ou poloneses. Vou procurar para dar de presente a ele, nós assistimos a uma série na Net Flix com esse mesmo nome, muito rica em detalhes, com várias filmagens atuais e gravações da época, é bem chocante, confesso que não gosto muito dessa parte da história, fico muito perturbada quando assisto, nunca consegui ler nada a respeito, pois creio que ficarei muito impressionada!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem vinda!

      Compreendo o interesse de seu marido, porque o partilho; compreendo também a sua posição porque quando que estive ( já duas vezes) no complexo de Auschwitz_Birkenau , num campo de concentração nazi na Bélgica e no campo de concentração do Tarrafal de Santiago( mandado construir pelo ditador português Salazar em cabo Verde) saí completamente de rastos!

      Mas temos que não deixar esquecer o que aconteceu naquele período negro da Humanidade, até porque sinais preocupantes de racismo se levantam de novo e , na Europa, a Extrema-Direita está a crescer de maneira muitissimo rápida!

      Bom final de semana e volte sempre, :)

      Eliminar
  2. Bom dia São.
    Adorei a leitura. obrigada ;-)

    Beijo, bom fim de semana.

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se se interessar pela Segunda Guerra e consequências , leia...

      Abraço grande, Ci

      Eliminar
  3. No debemos olvidar el horror que se cometió.
    Besos, querida amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo totalmente, até por causa do crescendo vertiginoso da Extrema-Direita na Europa...

      Querido Pedro, abraço grande :)

      Eliminar
  4. El horror de los horrores.

    Besos y memoria.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mais doloroso é que , embora não com esta gravidade inconcebível, os horrores continuam presentes : Iraque, Afeganistão, Ucrânia, Síria, Palestina, África, ...

      Memória, sempre!

      Abrazos, Xavi

      Eliminar
  5. Vou querer ler... ate ja tentei achar aqui o preço do livro mas so consegui em euros, nao tem em reais... vou em uma livraria grande aqui da cidade e vou ver se acho por la... parece muito interessante, acho que esse livro podera nos fazer entender um pouco mais sobre o holocausto...


    Querida, agradeço o seu carinho em me responder e esclarecer sobre os melhores lugares para visitar em Portugal no mes de dezembro...
    Estavamos entre Espanha e Portugal... mas a maioria preferindo Portugal por achar o país mais bonito, so que entre nos tem uma pessoa que tem problemas respiratorios de certa gravidade e ficamos com medo de estar nevando nessa epoca, e so temos dezembro para ir, devido as ferias escolares... mas agora vc indicou cidades que fazem apenas frio, assim fica mais facil... entao provavelmente nosso destino sera mesmo Portugal ja que era mesmo a preferencia da maioria e acho que Lisboa sera a escolhida...
    Muito obrigada mesmo pelas dicas... e mais uma vez lhe agradeço a atençao e carinho...

    Beijos, querida São...

    ResponderEliminar
  6. SE achar, leia porque é mais abrangente do que normalmente são estes livros .

    E tem o mérito de falar sobre todas as vítimas dos nazis.Durante anos , e mesmo ainda, só se enfocam os judeus e isso é tremendamente injusto, porque muito mais que seis milhões ( que é o número de hebreus mortos) é das pessoas assassinadas e destroçadas por causa do regime de Hitler.

    Comecei a ler muito nova sobre a Segunda Guerra e só na casa dos trinta anos é que descobri ter havido muitissimos povos a serem perseguidos...e , no entanto, nem sequer os judeus têm uma palavra de memória sobre quem sofreu perseguições e sofreu horrores como eles.O que me choca, sinceramente.


    Minha querida, ainda bem que ajudei e se precisar pergunte que eu , se souber, responderei. Claro que não adivinho como será o próximo Inverno , mas se nevar em Lisboa será um fenómeno totalmente inesperado!!!

    Abraço, meu bem :)

    ResponderEliminar
  7. Esse nome me amedrontar!
    só de o ver me revolta
    tanta gente mandou matar
    será que alguém dessa peste gosta?
    Tanto sofrimento causou.
    aquele fanático genocida
    a ele outros loucos juntou
    lançou no mundo a semente fascista
    muitas lágrimas dos olhos caídas
    na terra de sangue manchou!

    Tenha amiga São, uma boa noite
    e um bom fim de semana, um abraço.
    Eduardo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gostam , sim, meu caro, por muito incrível que nos pareça há criaturas que apoiam o nazismo, o racismo...e aí está a subida da Extrema-Direita para o provar!

      Penso que o Ocidente teve uma certa responsabilidade na situação em diversos aspectos: saqueou os recursos naturais de muitos países , deixando as populações pobres e obrigando-as a emigrar, pelo que acabam tragicamente , por exemplo, afogadas no Mediterrâneo ou abandonadas no deserto por autoridades oficiais.

      Depois , a integração não foi feita da melhor maneira, porque respeitar os emigrantes não é deixá-los construir e conservar no país de acolhimento costumes que violam direitos humanos e constrangem liberdades individuais.

      Como é possível que os judeus exijam alimentos kosher em todos os restaurantes, escolas e hospitias?

      Como se permite que as mulheres muçulmanas continuem subjugadas e tenham que ser obrigatoriamente assistidas por médicas, sendo as funcionárias hospitalares insultadas quando isso não é possível ou, simplesmente, perguntam que médico pretendem?

      Concordo totalmente com a proibição do véu islâmico e da burka em França e com o discurso do Primeiro-Ministro australiano!

      Respeito , sim! Subserviência, não! Além disso, temos que preservar a nossa identidade e fazê-la respeitar até porque já se chegou ao ponto de num documento oficial da União Europeia aparecerem todas as datas importantes das religiões presentes na Europa, sem um referência sequer ao Cristianismo!!

      E estou perfeitamente à vontade porque não sou cristã, um avez que não sigo nenhuma religião organizada.

      Bom fim de semana

      Eliminar
  8. Sãozitamiga

    Estive em todos. Vi tudo o que me foi possível ver. Foi uma via sacra da pulhice humana, do horror e da mentira plantada no portão de Auchwitz: Arbei macht Frei, o trabalho faz a liberdade. Vou ler o livro, ainda não sei quando, pois tenho muitos em carteira, Mas vou.

    Qjs

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não vi todos,só vi um na Bélgica e estive duas vezes em Auschwitz -Birkenau e imagino o horror que se sente ao ver repetidamente aqueles infames espaços...

      A legenda sobre o portão é de um cinismo atroz,Aliás, tudo aquilo que aconteceu é uma barbaridade sem nome.

      Espero, então, saber qual a opinião sobre o livro...

      Bom fim de semana, meu caro Henrique

      Eliminar
  9. Não será um livro que vou ler nesta fase de leitura que estou a viver, mas acho bem que nunca se deva esquecer os horrores infligidos para que nunca aconteçam de novo. O que se está a passar em vários países ditos seculares é, no mínimo, bastante preocupante

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não posso estar mais de acordo contigo.

      A Extrema-Direita está a subir vertiginosamente na Europa. Até no meu facebook apareceu um nazi dizendo que estava a dar aos judeus o estatuto de bons que nunca foram e que , como fora vencida, a Alemanha não se pode defender. O que prova bem o à-vontade que já sentem!

      Para compensar tenho uma judia neste mesmo blogue a espalhar por todo o sítio, como a própria diz, a minha foto e o que penso sobre os bombardeamentos a Gaza , os colonatos e o muro de separação porque sou anti-semita e esquerdista mentirosa.

      E assim vai a estupidez humana...

      Bom fim de semana :)

      Eliminar
  10. Olá São:
    Espero que estejas bem.Agora ando melhor e voltei.

    Quanto ao livro...não li e deve ser horrível.tenho visto os documentários do canal de história e simplesmente horrível.

    QUE O MUNDO NÃO SE ESQUEÇA!!!!!

    Beijinho doce:) espero por ti e visitinha no Sonhar

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ora que surpresa agradável, linda!

      Estou bem, obrigada e fico ainda melhor por saber que estás a vir ao de cima.

      Foi um dos livros mais duros que li e eu comecei a interessar-me pela Segunda Guerra aí pelos 16 anos e já estive duas vezes em Auschwitz-Birkenau

      Mas como bem dizes, não podemos permitir que o esquecimento caia sobre esta tragédia. Assim como não podemos tolerar que outras tragédias estejam acontecendo neste preciso momento , exclusivamente por cobiça, fanatismo e cinismo da Humanidade.

      Bom fim de semana, linda

      Eliminar
  11. Olá São:

    Um livro a ler futuramente.Cá cheguei.Voltei, melhor.

    QUE O MUNDO NÃO SE ESQUEÇA!

    Beijinho doce:) espero por tua visitinha no Sonhar...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sugiro que o leias, mesmo...mas só quando sentires que não te vai afectar muito, porque afectará sempre---

      Beijinhos, meu bem

      Eliminar
  12. Minha querida

    Infelizmente uma realidade que nunca vai ser esquecida e nem deve. Foi uma fase negra da história.

    Um beijinho e agradeço as palavras de apoio e carinho que me adoçaram o coração e me ajudaram a voltar.
    Sonhadora

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Rosinha, bem vinda!

      Esquecida não será, mas há quem a queira clarear ...e muito.

      E nós não podemos permitir isso e nem deixar em branco as graves consequências que acabaram por afectar quem viveu durante séculos em permanência na Palestina e é quem está a pagar a pesada factura da má consciência da Europa!

      Nada tem a agradecer, amiga, só quero que não se deixe destruir : ninguém merece isso !

      Abraço caloroso

      Eliminar
  13. O Homem tem sido assim ai longo da História: cruel, guerreiro, discriminatório,racista, maldoso, sádico e sei lá que mais.
    Umas vezes mais encapotado, outras às vistas de todos.

    Esta época teve direito documentação o que a torna mais rude pelas imagens e filmes.

    Um livro a ler, mas sou a dar para o maricas e choro com tanta facilidade.

    Irei ganhar coragem.

    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É, só que o enfoque é sempre sobre os judeus, não é?

      Já viste algum filme sobre os ciganos, as testemunhas -de-Jeová,os deficientes, os garotos de treze anos abatidos como desertores, os homossexuais, os prisioneiros de guerra?

      Ganha coragem , porque vale a pena. Mas não a gastes toda , para leres, de Robert Fisk, "A Grande Guerra pela Civilização", imperdível e que nos dá o enquadramento e os resultados actuais e nos conta as barabaridades do nosso tempo no Médio Oriente e do cinismo do Ocidente!

      Abraço colorido :)

      Eliminar
  14. Quanto mais leio sobre a Segunda Guerra Mundial, mais me espanto com a crueldade a que pode chegar o ser humano. Um abraço e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Amiga, se ler algo sobre Estaline, verá que a crueldade dele é imensa e a paranóia algo de insano, coisa que o próprio Hitler não tinha.

      Para saber com é a crueldade actual, sob as asas protectoras e cínicas dos EUA e UE leia " A Grande Guerra pela Civilização", de Robert Fisk....mas prepare-se para ter que parar e respirar fundo muitas vezes!

      Bom serão, amiga

      Eliminar
  15. Boa noite amiga São!!!
    Que triste tudo o que se passou nessa época.
    Sempre que leio algo, a respeito fico muito chocada e triste.
    Temos que melhorar muito ainda, como seres humanos...
    Obrigada por essa dica de leitura e mais um aprendizado.
    Tenha uma semana feliz e abençoada!!!
    Bjokas...da Bia!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem vinda, Bia!

      Foi bem triste, mas o que dói muitissimo é que a crueldade continua igual .Sugiro a leitura de "A Grande Guerra pela Civilização " do jornalista Robert Fisk, vivendo há mais de vinte anos no Líbano e verá que nada mudou no essencial.

      O mais chocante no nazismo foi o de construírem campos de extermínio puro e simples, coisa que nunca acontecera daquela maneira.

      Extermínio já fora feito e continua a ser feito, não esqueçamos!!!

      Abraço apertado e grato, amiga

      Eliminar
  16. Estremeço só em pensar... Deve ser muito forte, mas eu gostaria de ler. Já está anotada a dica! Um beijo!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. JUnte à lista o impressionante "A Grande Gierra pela Civilização " de Ribert Fisk e ficará com a informação actualizada e a saber com se comprta cinicamente o Ocidente...

      Abraço amigo, Claudinha

      Eliminar
  17. Pois é! E pensar que hoje ainda tem pessoas que cultuam o nazismo me dá asco!

    Solução Final, realmente, é o livro... Sim, já li! Todos deveriam lê-lo e ponto final!

    O Sibarita

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acabei de ver dois minutos de um vídeo de sete , em francês, fazendo um paralelo entre a ocupação nazi de França e aquilo que o autor designa pela "islamização " do país , contra os muçulmanos.Recusei ver mais daquele incitamento ao racismo e à xenofobia.

      Porém, u penso que quem está nos países de acolhimento deve ser respeitado, sem dúvida, mas concordo com o Primeiro-Ministro da Austrália, isto é , deve respeitar o país em que está e a sua cultura.

      Em França proibiu-se o véu islâmico e a burka e eu concordo de todo e acho completamente desajustadas as exigências feitas pelos muçulmanos para que haja piscinas só para as mulheres da sua comunidade e que sejam exclusivamente atendidas por médicas assim como a dos judeus exigirem comida kosher em todos os restaurantes , escolas e hospitais.

      A União Europeia há tempos publicou um documento oficial em que todas as datas importantes das religiões presentes no seu espaço eram referidas, mas sobre o cristianismo nem uma palavra.E estou perfeitamente à vontade, porque não pertenço a nenhuma religião organizada.

      Parece-me que se confundiram muito as coisas ; Como é possível que uma uma juíza alemã diga a uma muçulmana que apresentou queixa contra o marido porque a agredia que , ela, sabia que na sua cultura era assim e, portanto, nada a fazer?!

      Ora ainda bem que estamos de acordo quanto à importância do livro . Se puder, leia , de Richard Zimler, "À Procura de Sana".Foi inspirado num facto real do autor e refere um facto no qual intervi directa e estreitamente.

      Abraço grande, meu amigo.

      Eliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...