MALTA

MALTA

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

HAIKU

Como um chicote em acção
As palavras sulcaram o ar
E cortaram o coração...

SÃO BANZA
( 1/2/2016)

36 comentários:

  1. Poema curto nas palavras, mas longo na questão.
    Tudo de bom.

    E boa semana...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Queria comentar os políticos e dizer-lhe que pessoas existem em que , infelizmente,o excesso de peso não se resolve só com regime e ginástica, mas não são permitidos mais comentários...por isso, aqui me fico , rrss

      Espero que sim, que tenha alguma matéria para reflexão este poemeto.

      Bom semana e abraço

      Eliminar
  2. Haihu meu,
    bateu no chão
    tanto me doeu,
    já não sei não
    quando aconteceu,
    No tempo esquecido
    um dia de cada vez
    que seja bem vivido
    neste solo português!
    Sem que as palavras
    possam sulcar o ar
    olhos isentos de lágrimas
    livremente, ar puro respirar!

    Tenha uma boa tarde amiga São, um abraço,
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  3. Le doy a la traducción automática y no sé si lo traduce bien:

    Como un látigo en la acción
    Las palabras de aire ranurada
    Y le cortaron el corazón ...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Como un látigo en la acción

      Las palabras rasgaron el aire

      Y le cortaron el corazón.

      Besos

      Eliminar
  4. São acho um bom pensamento, faz lembrar essoutro: "se queres ver o vilão, põe-lhe o chicote na mão".
    beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, sim ... ou " NUnca peças a quem pediu nem sirvas a quem serviu"

      Abraços

      Eliminar
  5. Gostei do poema-pensamento.
    E tem razão. O meu excesso não vai com dietas, nem caminhadas, nem tai chi, como também não foi com ginástica e natação.
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ainda bem.

      Outro mito é de que o peso a mais tem a ver exclusivamente com a quantidade de comida que se ingere... e isso, muitas vezes, é mentira !!

      Grato abraço

      Eliminar
  6. Há palavras que doem sim... mais do que um golpe dum chicote... pois o seu efeito, o de um golpe de chicote... passa... já certas palavras depois de proferidas... não têm mais volta... e os seus efeitos, podem ser devastadores... e permanentes...
    Pouco mais de uma dúzia de palavras... e que nos dá imenso, que pensar...
    Excelente partilha, São!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Subscrevo inteiramente o que aqui escreve , Ana.

      A dor física passa , a psicológica não.

      Fraterno abraço

      Eliminar
  7. Amiga São:
    Há palavras que tem o dom de cortar o coração.
    Mas também existem corações que cortam as palavras.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Verdade, eu também conheço, infelizmente !

      Beijinhos, amiga

      Eliminar
  8. Muito lindo e verdadeiro sentido nas palavras! bjs, chica

    ResponderEliminar
  9. Gostei muito.
    E acredite que há palavras que magoam muito mais que qualquer chicote.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Acredito, sim, Pedro.

      Agradeço o apreço, muito.

      Eliminar
  10. el poder de las palabras, querida amiga...
    Besos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. ... que é imenso, especialmente em certas bocas !

      Abrazos, querido Pedro

      Eliminar
  11. Respostas
    1. Talvez, mais injustas do que outra coisa qualquer...

      Abraço e bom resto de semana

      Eliminar
  12. As palavras tem muita força.
    Um abraço,
    Élys

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Se têm , mas também depende de quem as profere...

      Beijo

      Eliminar
  13. http://tempolivremundo.blogspot.pt/

    Hoje é dia do 2º aniversário.
    Vem beber um chá comigo.
    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tenho que dar os parabéns aqui, porque não consegui entrar no blogue.

      Desejo muito sucesso !

      Eliminar
  14. Oi São
    Um açoite pode causar muitas dores
    Depende onde e em quem será desferido
    Um beijo

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...