terça-feira, 4 de maio de 2021

"PEQUENO ALMOÇO" - JACQUES PRÉVERT (TRADUÇÃO LIVRE MINHA)

 Ele deitou o café na chávena,

deitou o leite na chávena de café,

pôs açúcar no café com leite,

mexeu com a colherzinha,

bebeu o café com leite,

pousou a chávena sem me falar,

acendeu um cigarro,

fez círculos com o fumo,

pôs as cinzas no cinzeiro

sem me falar, sem me olhar.

Levantou-se, pôs o chapéu na cabeça,

vestiu a gabardina, porque chovia,

e partiu sob a chuva 

sem uma palavra

sem me olhar.

E eu cobri a cara

 com as mãos

e chorei.

24 comentários:

  1. Mesmo neste pequeno trecho, São, percebe-se a ânsia da expectativa e a dor do sentimento, confrontado com a indiferença. Muito bom, amiga! Meu abraço, boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A indiferença é arrasadora.

      O poema original está num post anterior.

      Te abraço com estima , Swami

      Eliminar
  2. Lindo e triste...Partida que dói! beijos, tudo de bom,chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O poema está dito em francês num post anterior.

      A indiferença é o que mais magoa...

      Beijinho amigo, Chica

      Eliminar
  3. Poema triste mas muito real em muitas casas

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente sim. E o pior de tudo , é mesmo a indiferença.

      Eliminar
  4. A partida de quem se gosta é sempre dolorosa. Fere a alma. Abre chagas no coração. Embora de forma poética, a verdade é que, acontece muito frequentemente casos análogos.
    Gostei de ler e da esquematização do poema.

    Cumprimentos poéticos
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Esta é a tradução do poema francês que publiquei anteriormente.

      O que mais dói nem é a ausência de quem parte, mas sim a de quem está presente....e este poema de Jacques Prévert di-lo muitissimo bem.

      Saudações literárias

      Eliminar
  5. Bem presente neste texto, a indiferença em relação ao outro.
    Nada pior e mais doloroso numa relação, do que a indiferença.

    Excelente texto, amiga São!
    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bom dia!

      O texto é excelente , mas o poema traduzido do francês que publiquei há dias.

      E é verdade : nada pior do que a indiferença numa qualquer relação.

      Beijinho :)

      Eliminar
  6. Da mucho dolor la indiferencia del ser amado, Sao. Puedo comprenderte. Muy hermosas tus letras que muestran una realidad que se da muy a menudo. Un abrazo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Minha querida, esta é a minha tradução do poema em francês que publiquei há dias atrás.

      E, sim, a indiferença é a negação do Outro!


      Besos

      Eliminar
  7. Respostas
    1. Exactamente e de maneira vem angustiante,

      Abraço e tudo de bom

      Eliminar
  8. Penso que é das coisas mais mal empregadas -- as lágrimas por quem não as merece...
    Não era indiferença: era um era uma brutal agressão psicológica, factos que acontecem com mais frequência do que imaginamos.
    Beijinhos, São.
    ~~~

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pranto por vezes é incontrolável e alivia : isso até aceito, embora tenha sido treinada para não chorar .O que mais me confunde é não se tomarem as devidas atitudes.


      Abraço, Majo :)

      Eliminar
  9. Não conhecia e adorei! A maior epidemia do sec XXI... a indiferença!...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não conhecia a tradução, mas ouviu a declamação em francês uns posts atrás :)


      Tem razão, a indiferença é uma praga mortal!

      Abraço, Ana, bom resto de semana !

      Eliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...

CITAÇÃO : ADORNO, FILÓSOFO ALEMÃO, 1949

 "Escrever poesia depois de Auschwitz é bárbaro e a educação tem como objectivo que se não repita!"