quarta-feira, 20 de junho de 2012

"ATÉ SEMPRE"



Perdeste a lágrima, menino?
Quem afligiu a tua bola?
Pega lá vida, faz o pino:
Sempre o contrário nos consola.

A vida é péla, rasga a vida,
Que em mim, já antes papel é.
Vê como a levo de vencida
Desde que nele escrevo, até...

Sempre, menino, até sempre!
No bibe o corpo; deixa! Lava-se.
E não te esqueças, chuta sempre!
(Não chegou a chorar, mas preparava-se.)

VITORINO   NEMÉSIO

14 comentários:

  1. Foi um grande mestre
    Saudações amigas

    ResponderEliminar
  2. Obrigado pela partilha do Mestre Vitorino Nemésio.

    Entretanto, sábado será o S.João!

    A visita à Casa
    onde a José Maria da Fonseca
    foi fundada em 1834
    permite ao público conhecer um pouco mais da história desta empresa familiar,
    onde os valores passados de geração em geração,
    continuam actuais
    e permitem projectar a empresa no século XXI.

    Construída no século XIX foi restaurada em 1923
    pelo arquitecto Suíço,
    Ernesto Korrodi, tendo sido a residência da família Soares Franco até 1974.

    Com uma fachada e jardins de beleza muito especiais,
    tem estado desde sempre associada à imagem da José Maria da Fonseca.

    ResponderEliminar
  3. Vitorino Nemésio, reporta-me de imediato ao seu "se bem me lembro..."
    Chutar para a frente e... ter sempre vontade de voar mais alto.
    Grato pelo seu comentário no Scorpion.
    [O monumento é em Silves; no Scorpion indico com mais detalhe]. Obrigado!
    J

    ResponderEliminar
  4. Fabuloso este poema, São!

    Beijinho,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  5. Obrigado pela partilha deste poema.
    Vitorino Nemésio sempre no seu melhor
    A vida deve ser levada para a frente chutando as dificuldades, vencendo todas as barreiras.

    ResponderEliminar
  6. Nemésio é grande.

    Sabes que nunca fui ver os festejos dos santos populares?

    Um abraço, TULIPA

    ResponderEliminar
  7. Bem vindo, JORGE!

    Sim, esse programa é insequecível...

    O meu grato abraço, esperando que regresse sempre.

    ResponderEliminar
  8. ANA,tirei-o de um volume de poesias completas, que muito me agradou.

    Um abraço, minha amiga.

    ResponderEliminar
  9. Pobre de nós se nos deixamos abater: será pior ainda!

    Um abraço, LUÌS.

    ResponderEliminar
  10. Sao
    Eu tenho uma foto de um pai segurando a mao de uma criança como esta foto.
    E a segurança de um pai amoroso que nos faz viver.
    O meu pai viveu pouco tempo entre nos 56 anos mas nos deu esta segurança, graças a Deus
    com amizade e carinho de Monica

    ResponderEliminar
  11. Concordo de todo: a mão de um pai nos dá segurança e conforto.

    O meu viveu 79 anos e eu sinto tanto a sua falta...

    Abraço grande, amiga.

    ResponderEliminar
  12. "se bem me lembro" soube em tempo (quanto?) esse poema de cor.

    anda um pouco esquecido o grande Nemésio.

    beijo

    ResponderEliminar
  13. Nunca fui capaz de decorar poemas...nem os meus, sequer

    Esse esquecimento é, desgraçadamentem vulgar em Portugal.

    Bons sonhos.

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...