quarta-feira, 14 de novembro de 2012

POEMA - JOÃO DE DEUS

18 comentários:

  1. É tudo isso e uma grande aprendizagem mas, quando estamos quase a saber qualquer coisinha... batemos a caçoleta ;)

    Bjos

    ResponderEliminar
  2. Mas o pior é quando acontece o que me levou a colocar o poema: um mulher de 47 anos que cai redonda fulminada por um ataque cardíaco em casa , à frente da filha de 13 anos.

    Que vá em paz!

    Um abraço para ti

    ResponderEliminar
  3. Olá São!

    Linda postagem, com um belo poema de João de Deus...Gostei!!!

    Beijinhos de carinho e amizade,
    Lourenço

    ResponderEliminar
  4. É como disse a Isa. Andamos nesta vida a aprender a viver e, quando finalmente já sabemos vivê-la, vamos desta pra melhor. :((

    ResponderEliminar
  5. Belissimas e verdadeiras palavras deste poema!

    Sãozita o meu "folha seca" tinha 38 anitos quando foi vitima de uma trombose e 48 de um enfarte, felizmente que sobreviveu graças a uma pessoa amiga no hospital.

    Infelizmente acontece cada vez mais cedo nos tempos que correm com as aflições que vivemos.

    Beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  6. Adorei recordar tão belo poema.

    Infelizmente, temo que o que hoje presenciaste se torne usual... a ansiedade e desespero em que vivemos são enormes!

    Beijos.

    ResponderEliminar
  7. A vida é efémera, temos que aceitar e vivê-la o melhor que pudermos.

    beijinhos

    ResponderEliminar
  8. Concordo totalmenet, nem outra hipótese temos...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  9. João de DEus tem poemas muito suaves, muitp bonitos....e ainda bem que também te agradam. meu amigo.

    Bons sonhos, LOURENÇO!

    ResponderEliminar
  10. E será que alguma vez aprendemos a viver, mesmo?


    Um abraço, LUCIANO.

    ResponderEliminar
  11. Concordo contigo: a situação vai causar muitas mortes assim. Embora esta não me pareç consequência directa da tragédia que vivemos,


    Felizmente, que há desfechos felizes com o do teu FOLha Seca

    Beijinhos, ADELINHA

    ResponderEliminar
  12. Partilho esse receio, mas este caso infeliz não foi assim tão inesperado porque sofria do coração, soube eu depois.

    Que seja bom o teu dia, lISA

    ResponderEliminar
  13. Querida neninha
    Que bom foi recordar este belíssimo poema de João de Deus, que conheci em criança (9/10 anos) e já nem me lembrava!
    Como tudo de Jão de Deus, é de uma ternura imensa.

    Não estás interessada em visitar os Estados Unidos? Pois eu já lá fui 6 ou 7 vezes - tenho lá familiares... casa, mesa e roupa lavada, grátis :), é só pagar a passagem - conheço bastante do país, e devo dizer-te que tem muita coisa bonita para se ver.
    É um país novo, claro - 200 e tal anos - por isso não há por lá antiguidades (monumentos antigos) - exceptuando os amish, na Pensilvânia (que já visitei) e é um povo muito interessante.
    Ainda te convenço a ires comigo :)))

    Um feliz fim-de-semana, querida.

    Beijinhos GRANDES

    ResponderEliminar
  14. Neninha linda, só se para estar na tia companhia....porque, reálmente, aquela sociedade assusta-ºme e e choca-me, não concebo que tenham os índios em reservas, por exemplo!

    Quanto a João de Deus, de facto, a sua ternura sente-se , não é?


    Abraço apertado, amiga minha muito querida

    ResponderEliminar
  15. Mas saber de duas mortes inesperadas com intervalo de dois dias é confirmação demasiado dura, Laurinha!

    Beijinhos

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...