segunda-feira, 13 de maio de 2013

"A RAÍNHA ADÚLTERA : JOANA DE PORTUGAL E O ENIGMA DA EXCELENTE SENHORA , CRÓNICA DE UMA DIFAMAÇÃO ANUNCIADA"




"Este novo ataque à raínha por parte da poesia popular castelhana alimentar-se-ia sobretudo do ambiente cortesão «corrompido pelas seduções da raínha»,segundo as palavras de um bispo de Toledo que , três anos depois, não duvidaria em utilizar um dos seus filhos bastardos como arma de arremesso contra Dª Joana."

A raínha aqui focada é Dª Joana,filha póstuma do rei português D. Duarte e de DªLeonor de Aragão; irmã de D.Afonso V; mulher de  Enrique IV de Castela, "O Impotente"; cunhada de Isabel, a Católica; mãe da Excelente Senhora, de nome Juana.

A sua vida muito difícil e complicada desde a gravidez de sua mãe ( tanto pela  viuvez desta como pelas relações muito difíceis com os cunhados - particularmente D. Pedro, o das Sete Partidas )até à morte, é o tema do livro de Marsílio Cassotti.

Como é sabido, Enrique de Castela foi casado pela primeira vez com Branca acabando pela anulação papal do casamento por não se ter consumado devido "a intervenção do Diabo".

Claro que dado o problema sexual do monarca, o casamento com a princesa portuguesa também não se concretizou.O que levou a duvidar que Juana, a Excelente Senhora, fosse sua filha - sendo que muita gente a pensasse fruto de uma relação entre a raínha e Beltrán de la Cueva, favorito de Enrique.O que  levou ao apodo de  " a Beltraneja".

Porém, Cassotti demonstra a fecundação artificial de Joana através de médicos judeus. Facto reconhecido pelo Papa Pio II.

Deste modo, Juana sempre foi herdeira legítima do reino de seu pai.

Infelizmente o  rei castelhano era uma personalidade muito influenciável , com grandes mostras de generosidade até com os inimigos, além de gostar  de se refugiar em Segóvia durante largos tempos.

As intrigas políticas foram sempre imensas e tudo piorou com o comportamento de Isabel, a futura Católica, e de seu irmão ( meio-irmãos paternos de Enrique e filhos de uma princesa portuguesa)apoiados e , também , manipulados pelos adversários do casal real.

As relações entre Joana e o marido foram esfriando a tal ponto que só se mantiveram a nível político e é nesta conjuntura que a rainha se torna amante de Pedro de Castilla, o Moço.

Dessa relação nascem dois filhos, criados num convento e dos quais não se sabe muito.

Evidentemente, estes actos menos próprios chegam ao conhecimento de D. Afonso V, seu irmão, mas não impedem o casamento deste com sua sobrinha.

Para desgraça de Juana, Portugal foi derrotado em Toro e tudo acabou por se desvanecer,tendo Isabel , a Católica, imposto entre outras condições duríssimas o ingresso na vida religiosa da Excelente Senhora.

Quanto a Joana, apesar do seu minucioso testamento, o seu corpo acabou por desaparecer.

Acho um livro interessante, particularmente para quem aprecia História.

16 comentários:

  1. Uma boa sugestão para quem aprecia este tipo de leitura.
    Boa semana Sãozita

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  2. Não conheço o livro.
    Mas fiquei curioso, confesso.

    ResponderEliminar
  3. Sim, tem mesmo que se gostar de História e de biografias( e em Portugal a biografia não é muito apreciada), porque não é um romance histórico.

    Abraço grande AdELINHA

    ResponderEliminar
  4. Pues si.
    Realmente es muy interesante.

    Besos.

    ResponderEliminar
  5. Eu também o comprei por causa da confusão que sempre achei na vida de Juana, mais até do que da própria mãe, e da sua concepção .Porque os livros de História oficiais e aqueles por onde estudei não entram em pormenores.

    Afinal, fiquei a saber que a inseminação artificial foi utilizada neste caso.

    Bom serão, PEDRO.

    ResponderEliminar
  6. Principalmente porque esclarece um mistério , isto é, o nascimento de Juana e porque mostra como são intricados os caminhos da política e como estão estreitamente ligados os reinos ibéricos.

    Beso, TORO

    ResponderEliminar
  7. Parece-me que as coisas não mudaram muito.
    Fecundação artificial provada pelo Papa?

    Mudam-se os regimes, mas a essência humana é a mesma.

    Beijinho

    ResponderEliminar
  8. Papa Pio II era um religioso muito aberto para a época,"ao qual poucos assuntos humanos tinham sido alheios" e referiu-se à gravidez de Joana de Portugal na sua obra "Comentários" escrevendo "Disseram que se tinha casado com os melhores auspícios e que foi fecundada sem perder a virgindade."

    Sobre o tema existe , além do testemunhode um médico alemão , as chamadas "imagens obscenas" .

    Só que , evidentemente, nada disto podia vir a público dado poder da igreja ´romana .

    Bom serão-

    ResponderEliminar
  9. Tenho alguns (poucos) livros histórios portugueses mas confesso ainda não os li todos e os que comecei não os acabei. E nem sei bem porquê. Um deles é D. Amélia.

    ResponderEliminar
  10. Eu adoro História, fui sempre uma óptima aluna na disciplina.

    Mesmo quando o género não estava na moda , como agora está, li sempre muitos romances históricos-

    Claro que livros como este são ensaios e exigem mais gosto e mais paciência. O próximo vai ser sobre a também portuguesa imperatriz Isabel, mulher do imperador Carlos V.

    Beijinhos reconhecidos pela visita

    ResponderEliminar
  11. Olá São; não conheço o livro mas fico com alguma curiosidade....
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
  12. ESte tipo de livros é muito bom para se conhecer a verdade, porque a História é sempre escrita por quem vence!

    Fica bem.

    ResponderEliminar
  13. "aprender, aprender, aprender, sempre..."

    beijo

    ResponderEliminar
  14. Sem dúvida. Insaciável , essa fome de de saber.

    Abraços.

    ResponderEliminar
  15. Saudações amigas, bom fim de semana

    ResponderEliminar
  16. Não gosta de História?

    Bom fim de semana

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...