MALTA

MALTA

quinta-feira, 27 de março de 2014

" OS PASSOS EM VOLTA" - HERBERTO HELDER

Herberto Helder é um importante escritor, madeirense e pai do conhecido jornalista e activista político Daniel de Oliveira.

Tem certas características, como a de  não dar entrevistas e  não reeditar obras. Aliás, nem fotos coloca  nos livros.Pelo que eu não tenho  nenhuma referência física  dele.

Já li "O Bebedor Nocturno", tradução de poemas de vários estilos e línguas e , por essa razão, lhe colocou o subtítulo"Poemas mudados para português". Quem me dá o gosto de me acompanhar, já leu alguns que eu aqui partilhei.

Mas  não é este  o livro que serve de tema  à nossa conversa , mas sim o que aí está  em epígrafe .

Nas suas 188 páginas , contém vinte e três contos. Como podem imaginar, alguns são brevíssimos.Outros nem tanto, mas  nunca são muito longos.

Destaco oito, por me parecerem muito interessantes e bem conseguidos.

E desses, agradaram-me especialmente: "Teoria das Cores", "Aquele que Dá a Vida", "O Quarto" e "Duas Pessoas".

O seu mais recente livro  intitula-se "Servidões" tem merecido óptimas críticas, está esgotado e nem  através de seu filho eu consegui arranjar um exemplar...

Espero que haja alguém conhecedor da sua obra e queira deixar aqui as suas impressões ou , caso contrário, o meu testemunho tenha provocado  interesse  de o conhecer melhor.

17 comentários:

  1. Confesso que não conheço a obra do escritor.
    Mas quero realmente conhecer.
    Porque tenho as melhores referências.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. As referências são óptimas e por isso li os livros que referi, mas não consigo arranjar o mais recente...e esse era mesmo o que eu gostaria imenso de ler!

      Tudo de bom, sem a chuva nem o frio daqui...

      Eliminar
  2. Bom dia
    Não conheço... mas será importante...


    Beijinho

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Importante é , de certeza...depois, segundo o gosto pessoal, se gostará ou não, claro!

      Abraços

      Eliminar
  3. Conheço alguns poemas dispersos e gosto do seu estilo mas não posso acrescentar muito mais!
    Não sabia que era pai de Daniel Oliveira e que muito aprecio!

    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estou como tu, também não o conheço muito bem...e também aprecio imenso Daniel de Oliveira

      Bom resto de dia, sem o frio e a chuva daqui

      Eliminar
  4. Conheço o poeta em poemas soltos, nunca li nenhuma obra completa.
    No Google tem algumas fotos.
    Bela presença para quem vai nos 83 anos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vou espreitar!

      Como é o Dia do Chocolate, pensei que teria alguma delícia lá no seu espaço, rrss

      Bom serão,sem o fri daqui

      Eliminar
  5. Com a palavra "passos" no título, não me parece que vá comprar. Da poesia gosto muito. Se quiser uma referência física do poeta, é só ir ao google, escrever o nome e clicar em "imagens", que aparecem logo dezenas.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. rrrsss rrssss Pode comprar à vontade que não há uma única referência à avis rara que está no poleiro nesta legislatura

      Obrigada pela indicação e que o seu fim de dia seja bom, porque aqui está frio e chuva, buááa´´a

      Eliminar
  6. Minha querida

    Conheço pouco de Herberto Helder, mas quero conhecer um pouco mais. Tem uma escrita muito profunda, que vai para além do que se lê.

    Um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Estamos, minha amiga, na mesma situação, isto é, querendo conhecer um pouco mais de alguém que escreve nem e é muito interessante enquanto escritor.

      Abraço grande, Rosinha

      Eliminar
  7. O único livro que tenho de Herberto Hélder é " " Os passos em volta " . Gosto de todos os contos . Já tentei comprar " Sevidões " , mas na altura estava esgotado .
    Gosto , também , da pouca poesia que conheço através da net .

    O senhor pode ser avesso a contactos , mas como escritor é óptimo .

    Um abraço , São ,
    Maria

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aquilo que conheço dele , agrada-me muito.

      O poema , que é dedicatória, a abrir " Photomaton & Vox" é lindissimo.

      "Servidões", pelo que me parece, estaria esgotado até antes de vir ao grande público...e esgotado continua.

      Ser avesso a contactos é direito dele, só lamento é que eu não consiga arranjar os livros, porque não gosta de reedições ( o que também é seu direito, claro)

      Beijinhos, muitos, Maria

      Eliminar
  8. gosto muito dele
    li esse livro como quem lê um monólogo
    também gostei muito do último conto "360º": - Voltaste. Voltaste. Que grande aranha, esta velha mãe. As suas patas finas corriam sobre o bordado. Bordaria pelos séculos adiante.
    também li "Photomaton & Vox", é também prosa; porém o livro inicia com um poema lindissimo (é uma dedicatória)

    concordo com a Rosa, tem uma escrita profundissima.
    gosto, gosto muito dele.

    beijo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tentei retribuir a visita, mas - infelizmente - não faço parte das pessoas convidadas e , sendo assim, não foi possível.

      Só fiquei a saber que somos vizinhas.

      Li esse poema-dedicatória , que acho extraordinário.Om livro, não comprei , porque tenhi uma série deles em lista.

      Eu gostei de todos o livtro, mas destaquei os contos que mais me tocaram. só isso.E ainda não desiti de conseguir lei este mais recente livro.

      Abraços

      Eliminar
  9. Ué...acho que cliquei em outro blog e vim parar aqui....

    Ahhhhh....Eu adoro, adoro esse poeta.

    Conheci suas obras na faculdade e um poema dele, tornou-se inesquecível pra mim - eu até decorei !! Sim, eu e minhas irmãs, competíamos em decorar e declamar poesias....ai, que saudades!!

    "Não sei como dizer-te que a minha voz te procura
    e a atenção começa a florir, quando sucede a noite
    esplêndida e casta.
    Não sei o que dizer, especialmente quando os teus pulsos
    se enchem de um brilho precioso
    e tu estremeces como um pensamento chegado. Quando
    iniciado o campo, o centeio imaturo ondula tocado
    pelo pressentir de um tempo distante,
    e na terra crescida os homens entoam a vindima,
    – eu não sei como dizer-te que cem ideias,
    dentro de mim, te procuram.

    Quando as folhas da melancolia arrefecem com astros
    ao lado do espaço
    o coração é uma semente inventada
    em seu ascético escuro e em seu turbilhão de um dia,
    tu arrebatas os caminhos da minha solidão
    como se toda a minha casa ardesse pousada na noite.
    – E então não sei o que dizer
    junto à taça de pedra do teu tão jovem silêncio.
    Quando as crianças acordam nas luas espantadas
    que às vezes caem no meio do tempo,
    – não sei como dizer-te que a pureza,
    dentro de mim, te procura.

    Durante a primavera inteira aprendo
    os trevos, a água sobrenatural, o leve e abstracto
    correr do espaço –
    e penso que vou dizer algo cheio de razão,
    mas quando a sombra vai cair da curva sôfrega
    dos meus lábios, sinto que me falta
    um girassol, uma pedra, uma ave – qualquer
    coisa extraordinária.
    Porque não sei como dizer-te sem milagres
    que dentro de mim é o sol, o fruto,
    a criança, a água, o deus, o leite, a mãe,
    o amor,

    que te procuram."

    Fala sério, São, não é maravilhoso??

    beijinhos,

    Lígia e =^.^=

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...