domingo, 21 de fevereiro de 2021

"A INOCÊNCIA DAS COISAS " - MANUEL VEIGA

 Todas as vivas coisas fluem sem cessar.

Sem nada pedirem. Ou deverem.


E em sua inocência,

abrem-se e fecham-se, tricotando, mudas,

a caligrafia do Mundo.


E o ritmo dos caminhos.

24 comentários:

  1. Respostas
    1. O Manuel Veiga escreve coisas muito bonitas...

      Beijinho, amiga!

      Eliminar
  2. Las cosas más sencillas suelen contener la verdad, querida amiga.

    ResponderEliminar
  3. Esa pérdida de inocencia es la que ha llevado a que la malicia, el asumir al otro malévolo, desconfiar del prójimo se haya vuelto una cultura. Un abrazo. carlos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente, está certeiro e correcto este teu comentário...

      Grande abrazo, Carlos

      Eliminar
  4. Um pouco na esteira de Lavoisier.
    Boa semana

    ResponderEliminar
  5. Adorei encontrar, aqui, o Poema de Manuel Veiga, "A Inocência das Coisas".
    Poeta extraordinário que deve ser lido e acarinhado. :)
    Beijinhos
    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não é primeira vez que publico poemas de Manuel Veiga.

      E também já publiquei poemas de Jaime Portela.

      Beijinho de boa semana , Olinda :)

      Eliminar
  6. Que lindos versos, muito bom conhecer novas poesias.

    Arthur Claro
    http://www.arthur-claro.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. De vez em quando publico poemas de pessoas que escrevem poesia na blogosfera.

      Eliminar
  7. Um poema muito belo.
    Gosto muito da poesia do Manel da Veiga
    Abraço, saúde e uma boa semana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu também o leio há anos e continuo a pareciar muito.Tal como Jaime Portela.


      Beijinho, tudo de bom

      Eliminar
  8. Respostas
    1. Manuel Veiga merece ser lido - tal como tu!


      Besos, amigo mio

      Eliminar
  9. Verdade, São! Fluir... talvez seja a maior característica da Vida! Meu abraço, amiga; boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Temos que deixar fluir sem perder a inocência, mas é difícil


      Bom resto de semana, Swami.

      Eliminar
  10. Olá São!
    Muito Obrigado, pela visita e gentil comentário no meu cantinho.
    Gostei muito desta texto refletivo. A vida e as suas vicissitudes.

    Boa noite e boa semana!

    Beijinhos!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem vindo é e será, Mário!

      Manuel Veiga é uma das pessoas que vale a pena ler na blogosfera.

      Abraço com votos de saúde e bom resto de semana :)

      Eliminar
  11. Gosto imenso dos trabalhos do Manuel Veiga!... Tenho andado um pouco ausente da blogosfera, ainda não sei se por esta altura ele já terá de novo os comentários abertos, no seu espaço...
    Grata por esta partilha de excelência, São!
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Infelizmente continua a ter os comentários fechados.Não sei o motivo, mas não é primeira vez que o faz.

      Grata eu pelo apreço, Ana.

      Beijinho, bom resto de semana :)

      Eliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...

CITAÇÃO : ADORNO, FILÓSOFO ALEMÃO, 1949

 "Escrever poesia depois de Auschwitz é bárbaro e a educação tem como objectivo que se não repita!"