sábado, 9 de outubro de 2010

"TEMPO URGENTE"

De alento se faz o corpo
De minguas luas se atraiçoa a fome
Das bocas que já não abrem
Sustento lento,
Que mata gente,
Que de seu nem tem o nome.

E os pés como charruas
Repisam vácuos, vãos e nadas
Lavras de um sol cansado
Mastigam as minhas mãos fátuas
E nuas...

A inércia dos dias iguais
Fincam as palavras revoltas
E livre de escoltas
Vem o dia e a hora arguta
Em que grito - basta!

Nem mais um gole
Nem silêncio
É do tempo urgente
As sendas da minha luta!

AUSENDA
(BLOGUE  "UTOPIA  DAS  PALAVRAS")

46 comentários:

  1. Boa noite São,
    eis um fantástico poema, tão actual e tão verdadeiro. Vivemos de facto um tempo urgente.

    Beijinhos,
    Ana Martins
    Ave Sem Asas

    ResponderEliminar
  2. Tempo urgente e duro.
    Ainda bem que estamos em sintonia de gosto quanto ao poema, rss
    Um abraço.

    ResponderEliminar
  3. Olá, amiga!♥
    ♥ O tempo urge, a vida passa, temos que fazer a nossa parte... correr atrás da felicidade...
    Bom fim de semana!♥
    Beijinhos.
    ♥♥ Itabira que hoje completa mais uma primavera...
    Brasil ♥♥

    ResponderEliminar
  4. Tem razão: há uma parte que depende de nós.
    Linda, felicidades para si e para Itabira.

    ResponderEliminar
  5. Poema bem escolhido para a época...
    Bom fim de semana
    Bjs

    ResponderEliminar
  6. é urgente... muito urgente!
    tanta coisa, até o tempo que passa!
    xará querida, minha irmão do coração, uma corrida desenfreada..
    (vi o carlos esta tarde... no benfica, só nos cumprimentamos, havia pressa...)
    beijinhos, minha querida

    ResponderEliminar
  7. Belo poema. Os Deuses adoram os poetas. A noite está no seu pleno e, lá fora chove a potes. Que bom !!! As árvores agradecem, dento em pouco os prados serão novamente verdes. Já se sente algo nos riachos. Logo, logo temos o Inverno à p+orta, para lavar as cinzas dos incêndios.

    ResponderEliminar
  8. Sim, um poema lúcido e ligado aos dias tristes deste tempo nosso.

    Um abraço,LILÁ(S).

    ResponderEliminar
  9. O tempo é de urgência e de luta, de clarividência e lucidez. Tudo o que a AUsenda aqui tão bem nos diz, sim.

    MInha querida irmã-de-coração, da família do João nada sei: espero que estejam bem de saúde e recuperando o melhor possível da tragédia que os abateu.

    Que seja muito bom o teu domingo, em companhia de quem amas, xará minha.

    ResponderEliminar
  10. Que bom apreciares assim este belo poema . Mas tu , meu caro amigo, também tens alma de poeta, sabes?

    Um abraço, JOÃOZINHO: disfruta bem o domingo, com os teus.

    ResponderEliminar
  11. Obrigada pela partilha que muito me honra!

    Um beijo



    ** na 2ª estrofe, 1º verso "...e os pés como charruas" :))

    ResponderEliminar
  12. Grata também eu pr me permitires a partilha.

    Já está modificado, e apresento desculpas pelo lapso.

    Um beijo amigo.

    ResponderEliminar
  13. Olá São!

    Bela a sua escolha, de um poema que nos fala de um tempo que urge.

    Beijo

    ResponderEliminar
  14. Gosto que partilhe o meu gosto.

    <uma excelente semana, linda.

    ResponderEliminar
  15. Que fantástico escrito, a forma que colocas a palavra, mesmo que algumas partes dela sejam tristes, não tiram a beleza da essência que pretendeu passar.
    Obrigado por estar por aqui.

    Abraços,

    Dan

    ResponderEliminar
  16. Já há alguns dias que eu não postava nada nos meus 2 blogues.

    Acontece que hoje quis fazer um post precisamente sobre a minha sobrinha Tânia e quando queria fazer copy-paste de um e-mail que recebi e acho que tem a ver com a situação dela...o blogger não me permitiu copiar.
    Nunca tal coisa me tinha acontecido, por isso acho muito estranho e quero perguntar se sabe de algo que esteja a acontecer com os posts nos blogues?

    Entretanto, entrei um fórum de ajuda e encontrei pessoas do Brasil com o mesmo problema, só que em Junho de 2009.

    Aqui estão questões colocadas no tal fórum:
    Tenho um blog, e copio e colo as noticias, mas sempre da erro de html, tentei fazer aquele jeito de mandar por mail, mas tambem deu erro(fiz no word).
    O que eu faço, estou quase deixando o blogger por causa disso.
    Detalhe: eu não faço plagio, pois sempre que copio noticias coloco a fonte.
    Não estou conseguindo copiar do word e colar na postagem do meu blog. As referensias sobre o assunto que estão aqui no forum não me ajudaram. Alguém sabe o procedimento para resolver este problema?

    Desculpa o meu pedido de ajuda, no lugar de um comentário, mas estou mesmo aflita!!!

    ResponderEliminar
  17. Lá ouvi as palmas sim, aqui correm-me as lágrimas por este poema ser tão verdadeiro,obrigada pela partilha.

    Obrigada pelas palmas,A São agora brinca comigo, por causa da troca das palavras de verificação,mas fiquei assustado, é verdade, cada um é dono daquilo que constrói.

    uma boa semana,
    Beijinho,

    ResponderEliminar
  18. Infelizmente nada sei dessas tecnologias, como já várias vezes aqui tenho referido.
    Uma semana feliz, TULIPA.

    ResponderEliminar
  19. Ora fico contente pelo apreço, que a autora merece.

    Quanto Às palavras , é só ir ao modelo e clicar no não, rrss
    Boa semana, caro JOSÉ.

    ResponderEliminar
  20. É URGENTE QUE SE TIRE TANTA BOCA DA FOME...É URGENTE A NOSSA REVOLTA...BASTA DE SILÊNCIOS E DE VOZES ESCONDIDAS AMEDRONTADAS...

    DEVIA BASTAR!!!

    UM POEMA FORTE...INQUIETANTE...

    PS- NÃO SEI SE SOU CAPAZ DE MUDAR AS DEFINIÇÕES MAS NÃO SOU A ÚNICA QUE TEM PALAVRAS DE VERIFICAÇÃO, AFINAL SÃO PRECISAS OU NÃO?AGRADECIA UMA RESPOSTA

    ResponderEliminar
  21. Mais uma bela escolha, minha amiga! Obrigado, boa semana!

    ResponderEliminar
  22. Bem vinda, PEDRAS NUAS!

    Folgo com o seu apreço pelo estupendo poema da Ausenda.

    As letras de verificação não são necessárias: como viu, quando comentou, eu não as tenho ...como muita gente também não as tem.

    José Torres "Xistosa" explicou no comentário que fez ao meu post anterior como se retira esa função.

    Até sempre.

    ResponderEliminar
  23. Ora que bom teres gostado!

    Bem hajas, querido Swami!

    ResponderEliminar
  24. Amiga, o tempo urge, e cabe a nós aproveitarmos ao máximo todos os momentos, para tornarmos noss vida um pouquinho mais feliz.
    Abraços.

    ResponderEliminar
  25. Como não concordar? E temos também o dever de lutar por alguma justiça...
    Tudo de bom.

    ResponderEliminar
  26. Bonito poema.
    Parabéns para a Ausenda.

    (Aquele simulacro de edição correspondeu a uma falha técnica de moi.
    Em vez de gravar dei o enter sem querer e lá foi editado um rascunho com data de edição marcada para 20 deste mês. Calcula, São)

    Na Quarta, 13, a edição será publicada como habitualmente.
    Está agendada e será cumprida.
    Falta pouco até lá.

    Encerra uma surpresa para o auditório.

    Bjs

    ResponderEliminar
  27. É urgente ver e ouvir...

    "Quem tem olhos que veja"...

    "Quem tem ouvidos que oiça"...

    Quem tem sentidos que sinta...

    Quem tem odor que cheire...

    Quem tem penas que ande...

    Quem tem mãos que ajude as pernas...

    Quem tem mente que pense...

    Quem tem voz, fale em silencio...

    Preferível agir...

    Beijinho doce

    ResponderEliminar
  28. Una bella poesía y ciertamente muy para nuestro tiempo.
    Feliz semana,amiga mía.
    Besos!

    ResponderEliminar
  29. Poema de luta num tempo de luta.
    (Já retirei as letras de verificação)
    Abraço

    ResponderEliminar
  30. Agradeço a explicação e cá fico esperando, rrss

    Um abraço, GATO.

    ResponderEliminar
  31. Amen, Doce AMOR, amén!
    Um abraço apertado.

    ResponderEliminar
  32. Querido RODOLFO, também acho que sim, que poderia ser até cantada...se ainda houvesse quem cantasse poemas de luta!
    Fuerte abrazo, amigo mio.

    ResponderEliminar
  33. Gratissima, porque são uma complicação!

    Não dava uma bela canção de protesto? Eu considero que sim.

    Uma excelente semana, desejo.

    ResponderEliminar
  34. São,

    Poesia assim, é como um cacho de uvas maduras... sabe bem e delicia só de olhar...

    Assim, sabe bem saborear poesia...

    ResponderEliminar
  35. Este comentário foi removido por um gestor do blogue.

    ResponderEliminar
  36. Obrigada por mim e pela Ausenda.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  37. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  38. Palavras encantadas moram neste poema, que nos fala de gente e de luta. É de uma riqueza imensa.


    Apreciei imenso a tua escolha.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  39. Agradeço em meu nome e no da Ausenda o apreço, sempre agradável.

    Um abraço.

    ResponderEliminar
  40. Querida São,

    O tempo urge, sim, mas também é preciso abrandar um pouco para apreciar a vida.

    Beijinhos
    Verdinha

    ResponderEliminar
  41. Querida São,

    Se fosse noutra altura, fazia o teu desafio com muito gosto mas agora é-me de todo impossível.
    Espero que entendas.
    Bisous
    Verdinha

    ResponderEliminar
  42. Um poema bem escolhido pela actualidade. A luta é de todos os dias, por paz,pelo pão de cada dia, por tudo a que temos direito como seres humanos.
    Gostei muito São.

    ResponderEliminar
  43. Ma chérie, claro que temos de respirar fundo e encher os olhos de azul, concordo. Mas é quem não o pode fazer pelas péssima condições em que vive?

    Bisous.

    ResponderEliminar
  44. Verdinha linda, mas claro que entendo, Não te preocupes, rrss

    Um abraço bem grande, mon amie.

    ResponderEliminar
  45. Seja bem vinda, BENÓ!
    Agradeço em meu nome e no da Ausenda ter gostado de um poema que também me parece muito ajustado à frealidade dos nossos tempos.
    Bem haja!

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...