MALTA

MALTA

sábado, 30 de novembro de 2013

POEMA - BRUNO APITZ


42 comentários:

  1. Triste, mas lindo! beijos,chica e feliz domingo!!

    ResponderEliminar
  2. Oi São
    E que dentro das nuvens o Senhor se apiede dos viventes de cá debaixo.
    Linda e triste poesia.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  3. Para que se não esqueça uma
    realidade HORRENDA e que
    infelizmente ainda há quem
    não acredite.
    Desejo que esteja bem.
    Bom fim de semana.
    Bj.
    Irene Alves

    ResponderEliminar
  4. Hay realidades como los campos de concentracion duras y muchas veces negadas.

    Un abrazo, mi maravillosa amiga Sao.

    ResponderEliminar
  5. Belo e comovente e arrepiante poema!

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
  6. Maravilhoso!
    Adorei.

    Beijos

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  7. Comovente, assim é a realidade!
    Bom domingo Sãozita.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  8. É bom que as gerações atuais e vindouras não esqueçam este horror. Porque a história tem tendência a repetir-se...
    Um abraço e bom Domingo

    ResponderEliminar
  9. Provoca " um murro no estômago "


    Um abraço , São ,
    Maria

    ResponderEliminar
  10. São...belas palavras que expressam uma realidade comovente!
    bj

    ResponderEliminar
  11. Para que a memória não esqueça tanta atrocidade.

    beijinho e boa semana

    ResponderEliminar
  12. O livro de onde o poema foi retirado , já o analisei e recomendo vivamente a leitura, porque - ao contrário do que é usual - trata da resistência organizada nos campos de extermínio e da maneira comos e conseguia enfrentar os carrascos.

    Tudo de bom,Pedro



    ResponderEliminar
  13. Neste campo de Birkenau foram exterminados numa só noite milhares de ciganos(incluindo famílias inteiras) e não existe um único filme sobre a tragédia desse povo, que o nazismo quis eliminar da face da Terra!!

    O poema é comovente, sim

    Bom Dezembro, CHAMA

    ResponderEliminar
  14. E o pior é quando sabemos o que os sionistas estão fazendo aos palestinianos!!

    E acho insultuoso o silêncio sobre os larguíssimos milhões de outras vítimas de Hitler!!

    beijinhos, FÊ

    ResponderEliminar
  15. Dono de uma trágica beleza, sim, esse trecho... os nossos eternos contrastes! Boa semana, amiga; fica bem.

    ResponderEliminar
  16. Sem dúvida, principalmente quando se está no interior das câmaras de gás e o coração se desfaz ao lembrar o sofrimento infligido aos palestinianos pelos judeus e ao pesadíssimo silêncio sobre todos os largos milhões de vítimas não hebraicas de Hitler!!

    Boa semana, Piedade

    ResponderEliminar
  17. Boa tarde São!
    Lindo pensamento.
    Que Deus te abençoe sempre.
    Super beijos da Tatá!!!

    ResponderEliminar
  18. O ser humano é complexo e tem muitas contradições, mas o que mais me irrita é a exaltação do sofrimento próprio e a completa indiferença pelo alheio.

    Beijinhos, querido ÁRABE.

    ResponderEliminar
  19. Bem vinda, TATÁ!

    Sabes que gosto muito de te ver por aqui, linda, rrss

    Saudades a tua mãe e abraços para ti.

    Sejam felizes, minha querida!

    ResponderEliminar
  20. MARIA DA GRAÇA. como é possível que um ser humano inflija tanto sofrimento a um outro ser humano seja em nome do que for?!

    Como possível que os perseguidos se transformem em cruéis perseguidores??

    Abraço grande

    ResponderEliminar
  21. Tens razão, MARIA, nem sequer a a beleza da interpretação de Mahalia em "Summertime" nos alivia...

    O livro vale a pena ser lido, sabes?

    Abraços e resto bom de dia

    ResponderEliminar
  22. Concordo, ELVIRA.

    Até porque o sionismo e o nazismo têm, desgraçadamente para os árabes, demasiados pontos em comum!!

    Bom resto de dia, amiga

    ResponderEliminar
  23. DONA, estamos em transição de ciclos ---Esperemos que a Humanidade saiba escolher o caminho correcto!

    Abraço apertado

    ResponderEliminar
  24. La prueba de donde puede llegar el fascismo.

    Hemos de aplastarlo las veces que haga falta.

    Besos.

    ResponderEliminar
  25. O fascismo, Toro, está mostrando as garras de novo. Coisa que (nos) parecia impossível e, como muito bem dizes, temos que lutar com todas as ganas contra ele, pois que nos destruirá sem remorsos se o permitirmos.

    Fica bem

    ResponderEliminar
  26. Mas não podemos permitir que de novo se instale esta crueldade que esmaga vidas sem compaixão, amiga.


    Abraço solidário, ADELINHA

    ResponderEliminar
  27. Ora ainda bem que gostou. Sugiro-lhe, então, que leia o livro (que é um romance baseado em factos reais)

    beijinhos, CIDáLIA

    ResponderEliminar
  28. Principalmente quando já se esteve em campos de concentração e não se consegue entender como os perseguidos silenciam o sofrimento de milhões de outras vítimas e se tornam elas mesmas em algo demasiado semelhante aos seus próprios carrascos...

    Beijinhos, LISA

    ResponderEliminar
  29. Muito triste, CHICA, muito triste...especialmente porque este sofrimento absurdo que o ser humano impões a seu semelhante perdura e acho que jamais acabará!

    Boa semana

    ResponderEliminar
  30. Que assim seja, DORLI, e que ilumine que de perseguido passou a perseguidor e silencia o sofrimento atroz de outras vítimas.

    Estou falando, como já deve ter percebido do auto proclamado povo eleito de Deus!

    Abraço terno

    ResponderEliminar
  31. Existiu nos campos de extermínio da Alemanha e nos territórios ocupados por Israel, que transformou Gaz num campo de concentração onde as câmaras de gás foram substituídas por bombardeamentos em que até o proibido fósforo branco é utilizado!!

    Beijinhos, IRENE

    ResponderEliminar
  32. Meu querido RICARDO, o mais doloroso é que essas crueldades são hoje praticadas em nome da escolha de um povo por Deus o que não é diferente da declaração de uma raça superior!

    Abraços, muitos

    ResponderEliminar
  33. O São, a crise também está chegando por aqui:
    Plano de saúde para três sendo um jovem: 650 reais, seguro de vida pago 350 reais agora. O plano vai passar par mais de mil, ninguém na minha pequena cidade vai pagar mais.Iremos sobrecarregar o SUDS e muitos que trabalham nos planos de saúde vão perder o emprego.
    Não sei o que vai virar.Sabe quanto custa 1kg de abacate? 9 reais. Pode?
    Estamos caminhando para o caus ou para uma outra guerra mundial.
    Ainda bem que não pago aluguel.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  34. Lugar deserto fustigado
    Pelos horrores da brutalidade
    Das guerras do passado
    Contra a humanidade
    Onde a repressão abundava
    Sem pão sem liberdade
    Gente inocente matava.

    Obrigado pela visita
    desejo para você, amiga São
    uma boa noite, um abraço
    Eduardo.

    ResponderEliminar
  35. DORLI, minha linda, infelizmente penso que é essa sua hipótese de guerra - agora mesmo mundial - que acabará por acontecer, pois não é possível as pessoas aguentarem tanta miséria e tanta perversidade!!!


    Bons sonhos.

    ResponderEliminar
  36. Só que quem foi perseguido e torturado faz exactamente o mesmo, isto é, os sionistas estão a esmagar rodos os direitos dos +arabes, porque se auto proclamam o povo eleito de Deus e , inacreditavelmente, jamais t~em uma única palavra para os largos milhões das outras vítimas de Hitler!!

    Bons sonhos, EDUARDO.

    ResponderEliminar
  37. Como esse excerto se assemelha ao terrível mundo em que vivemos.
    E lembrar eu que em criança acreditava que no ano 2000 o mundo seria um lugar maravilhoso.

    Abraço imenso, minha querida São!

    ResponderEliminar
  38. Quando a ditadura caiu e o sonho pareceu possível após Abril 1974, jamais pensei ver o mundo como o vejo e , em especial, Portugal sob a pata de escroques corruptos sem ética, sem amor pelo país, sem respeito algum pelas pessoas.

    Relativamente ao poema, dói ver como a História se repete e quem sofreu perseguições acaba por imitar tão bem , sobre outras pessoas, as brutalidades dos carrascos.

    Bom resto de dia.

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...