quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

CITAÇÃO - BRUNO APITZ


24 comentários:

  1. Olá São,

    Uma citação otimista e de esperança para uma época tão difícil.
    Palavras que nos dão exemplo de coragem, esperança e fé. Celebrar a vida e o novo dia é o que deveríamos fazer a cada amanhecer, independente dos momentos de desconsolo que possamos estar atravessando.

    Ótima tarde.

    Beijo.

    ResponderEliminar
  2. Concordo de todo, não podemos deixar que nos destruam, não.

    Temos que seguir em frente, nem que seja tropeçando,

    Minha linda, grato abraço pela vinda e um bom resto de dia.

    ResponderEliminar
  3. Qué tragedias esconde la historia humana, querida amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Imensas e algumas ficarão para sempre desconhecidas...

      Meu querido Pedro, te abraço.

      Eliminar
  4. Sólo he visto un campo de concentración y no lo olvidaré mientras viva.

    Besos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já vi um na Bélgica(foi o primeiro), o que Salazar, o ditador português, fez construir no Tarrafal de Santiago / Cabo Verde) e já estive duas vezes no complexo de Auschwitz-Birkenau(onde acho que não entrarei mais, porque saí muito mal as duas vezes).

      Onde estiveste?

      Abrazos

      Eliminar
  5. Boa tarde São!

    Gostei de ler..

    Beijinho e um resto de dia feliz

    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Viva, Ci!

      temos que manter a esperança viva!

      Bom serão

      Eliminar
  6. Eu já fiz a recensão do livro num dos blogues e achei-o muito interessante, porque fala da resistência organizada dentro dos campos de concentração. Que é um tema raramente focado.

    Concordo de todo contigo: isto é um cântico de força e de espernaça contra os opressores!

    Bom serão

    ResponderEliminar
  7. Cantar a vida é a melhor coisa do mundo.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é, mas revelador de muita coragem quando se encontra num campo de concentração!!

      Abraço

      Eliminar
  8. Felizes aqueles para quem a esperança nunca morre!
    Abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem dúvida.

      E conseguir manter a esperança num campo de concentração ou numa situação particularmente difícil exige muita coragem e muita força!

      Tudo de bom

      Eliminar
  9. E a esperança bastará?

    Oxalá!

    beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sem esperança não se vai a lado algum, porque se desiste....mas tem que ser acompanhada por uma enorme dose de coragem e capacidade de luta!!

      Aqui, em Portugal, veremos se conseguimos lutar para vencer.

      Abraços

      Eliminar
  10. De arrepiar. Para muitos a esperança foi a anestesia que tornou suportável a dor.
    Um abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A esperança é , para mim, a luz ao fim do túnel e que nos faz avançar.

      Abraços

      Eliminar
  11. Nunca visitei.
    E confesso que tenho receio de visitar.
    Demasiado horroroso!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Compreendo o seu receio e tem razão : é uma experiência muito aflitiva.

      Porém, penso que toda a gente deveria entrar num campo de concentração, porque é a única maneira de ter uma ideia real sobre o horror e a angústia que ali se sofreram.

      Abraços

      Eliminar
  12. Adorava conhecer, apesar da sensação de horror e angústia que devem pairar no ar.

    A frase não encaixa no nosso povo, pois apenas há lamentos, receia-se o futuro e continuamos anestesiados.

    Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tinha cerca de trinta anos quando entrei pela primeira vez num campo de concentração, situa-se na Bélgica e , claro, fiquei impressionada.

      Mas quando visitei pela primeira vez o complexo de Auschwitz-Birkenau fiquei completamente arrasada, porque nada, rigorosamente nada, nos prepara para estarmos dentro das câmaras de gás e das celas de tortura da Gestapo (prisão dentro de outra prisão) e subirmos à torre de entrada que é conhecida mundialmente, vendo o terminal da linha ferroviária e a rampa onde Mengele escolhia , só por acenar com a mão, quem iria imediatamente para a morte ou para trabalho escravo.

      E o pior foi lembrar-me que Israel encerrou os palestinianos nos campos de concentração em que transformou Gaza e a Margem Ocidental.

      Da segunda vez, fui às lágrimas de novo (eu que nem sou muito de choros) e acho que não voltarei a entrar naquele espaço.

      No intervalo entre as duas idas à Polónia, estive no campo de concentração mandado construir por Salazar no Tarrafal de Santiago(Cabo Verde) e foi outra experiência bem dura.

      Penso que toda a gente deveria ver com s seus próprios olhos até onde pode ir a maldade humana, porque só vendo é que se sente o horror da situação.

      Beijinhos

      Eliminar
  13. Um grito à liberdade.
    Afinal nunca se deve perder a esperança, pois faz parte da nossa sobrevivência

    Arrepiante

    Beijinho da Gota

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Uma espantosa prova de resistência ao infortúnio e à opressão, sim.

      Que nos sirva de exemplo.

      Grande abraço

      Eliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...