segunda-feira, 14 de abril de 2014

CESÁRIO VERDE (1855 - 1886) : " HEROÍSMOS"

HEROÍSMOS *



Eu temo muito o mar, o mar enorme,
Solene, enraivecido,turbulento,
Erguido em vagalhões, rugindo ao vento;
O mar sublime, o mar que nunca dorme.

Eu temo o largo mar rebelde, informe,
De vítima famélico, sedento,
E creio ouvir em cada seu lamento
Os ruídos dum túmulo disforme.



            Contudo, num barquinho transparente,
No seu dorso  feroz vou blasonar,
Tufada a vela e n´água quase assente,

E ouvindo muito ao perto o seu bramar,
Eu rindo, sem cuidados, simplesmente,
Escarro, com desdém, no grande mar!

CESÁRIO VERDE
(Lisboa, 1874)



*As fotos foram tiradas na Foz do Arelho (Portugal), 1/12/2013 e Mediterrâneo, 11-4-2011.

30 comentários:

  1. Excelente poema, São, e excelentes fotos! Como sempre, aliás. Obrigado, amiga; boa semana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cesário , pesar de tão breve projecto de vida, deixou uma excelente obra.

      Grato abraço , meu bem, rrss

      Eliminar
  2. Boa noite São

    MARAVILHOSO!

    Beijinho e uma boa semana.
    http://coisasdeumavida172.blogspot.pt/

    ResponderEliminar
  3. Cesário sabia do que falava... Era tempo de trazer o "modernismo" à tona do nosso "provincianismo"... Que se mantém, de resto.

    Lídia

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Portugal encalhou numa curva do Tempo e não sai de lá de maneira alguma, para nosso mal...

      Saudações, Lídia

      Eliminar
  4. Lindo poema de Cesário.
    As imagens estão belissimas, reconheci Foz do Arelho.

    Boa semana Sãozita

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cesário tem uma poesia que me agrada, embora este nem seja dos seus poemas mais conhecidos...e, além disso, rompeu com os ultra-românticos , graças a Deus!

      Beijinhos reconhecidos , linda

      Eliminar
  5. Apetece-me brincar - fazia uma óptima dupla com o Joel....Branco :)))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. rrrsss rrssss

      Pois fazia...

      Abraço, Pedro

      Eliminar
  6. O meu pai gostava muito de Cesário Verde e eu herdei o livro, tenho-o aqui ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu comprei-o em 6-2-1975, quinta-feira...só falta a hora, rrss

      Tudo de bom!

      Eliminar
  7. Fotos maravilhosas e poesia igualmente! bjs,chica

    ResponderEliminar
  8. Fotos bonitas com palavras tão bonitas :)

    Beijinhos e uma boa Páscoa

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem vinda, Rita!

      Grato abraço, esperando que volte sempre, rrss

      Boa Páscoa também para si e para quem (a) ama!

      Eliminar
  9. Oi, São!
    Que bela poesia! O mar tanto fascina, mas também provoca medo! Porém se soubermos respeitá-lo, nada de ruim acontecerá! Não vamos desafiá-lo!
    Beijus,

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem vinda, linda!

      O mar é , tal como o fogo, algo que nos maravilha com a sua grandeza e poder!

      Por isso, os devemos respeitar, não é?

      Feliz Páscoa, Luma, rrss

      Eliminar
  10. Qué hermoso lugar el de tus fotografías. No conocía al poeta, me lo apunto. Besos, querida amiga.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Cesário só tem um livro que foi realizado pelo seua migo Silva Pinto , que o intitulou "O Livro de Cesário Verde",

      Grato abraço, Pedro, e boa Semana Santa

      Eliminar
  11. Excelente as fotografias e o poema....
    Cumprimentos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grato abraço e que seja boa a Semana Santa!

      Eliminar
  12. O mar fascina-me mas também me impõe muito respeito. Este ano então deu que falar...
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O mar e o fogo são fascinantes e o exemplo perfeito do belo horrível...

      Bons sonhos, Lila!

      Eliminar
  13. Também tenho muito respeito ao MAR, mas sempre, até medo, quase devorou à minha irmã, talvez por isso. Mas gosto de contemplar o mar...

    OCEANO
    Um mar que cuspe espuma branca,
    que a enrola sobre a que já lançou...
    tão longe e tão forte que nem estanca,
    pois o moinho de arreia não parou!

    Abraços de vida

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Quem tem uma experiência traumática assim, natural é que o receie.

      Nunca temi o mar,,,e o maior susto que apanhei dentro de água foi nas piscinas de Évora, pois pensei que não subiria até à superfície do poço de saltos e tudo piorou porque me engasgo com o cloro em água doce.

      Obrigada pelo poema, rrrs e sê feliz, amigo meu

      Eliminar

  14. São, desculpa andar desaparecida. A minha saúde anda meio perdida.

    Cada pessoa tem o seu mar. Gostei muito de reler este soneto de Cesário Verde e, sobretudo gostei da seleção de fotografias com que ilustraste o poema.

    Um beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. MInha linda, gosto muito de ter por aqui, como sabes, rrss

      E não deixes que a saúde desatine,,,

      Não me surpreende que aprecies Cesário e grato abraço.

      CUIDA_TE!!

      Eliminar
  15. Que bom ler um poema deste grande poeta lisboeta.´
    Boa Páscoa!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Grande mesmo e que pena ter morrido tão jovem!

      Obrigada , igualmente...e com muitas amêndoas, rrss

      Eliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...