quarta-feira, 2 de outubro de 2013

"A CONFISSÃO DA LEOA" : MIA COUTO

Acabei de ler "A Confissão da Leoa" do escritor moçambicano Mia Couto, nascido  na Beira em 1955 e galardoado com o Prémio Camões em 2013.
 
Não é a minha estreia na sua escrita, mas foi talvez do que mais gostei . E gostos, como se costuma dizer, não se discutem.
 
O romance , segundo o próprio , inspira-se "em factos e personagens reais."

A realidade foi  a de uma série de ataques mortais efectuados por leões numa longínqua região do norte de Moçambique, que obrigou a enviar para lá uma equipa de caçadores.

A dada altura, esses homens viram-se confrontados com algo bem mais complicado do que a já de si dura tarefa de matar os animais, o que conseguiram.

E foi esta a base para Mia Couto criar um enredo envolvente, cuja narração é feita por  Mariamar, habitante da aldeia de Kulumani, e Arcanjo Baleiro, o caçador contratado pelo administrador para matar os leões.

Mariamar é uma figura marcante, alguém a quem a vida muito maltratou e que tem no avô a figura de referência e a sua fonte de amor e protecção.

Tomamos  conhecimento de quanto podem ser cruéis as superstições, a anulação do ser humano, a condição da mulher sob  domínio total do homem (seja pai , seja marido). E também da revolta, geralmente sufocada, contra esse estado de coisas...mas que , por vezes, rompe os diques e se transforma em acção e vingança.

"Tandi foi a enterrar...Há pouca gente no funeral. Mulheres sobretudo. O administrador comparece, acompanhado por sua esposa...está desfeita...quer tomar da palavra...:
- Os leões cercando a aldeia e os homens continuam a mandar as mulheres vigiarem as machambas...Quando é que dizemos que não? Quando já não restar nenhuma de nós?
  Esperava que as demais mulheres a seguissem naquele convite à revolta. Mas elas encolhem os ombros e afastam-se, uma por uma...Por dentro, ela sente-se a derradeira das mulheres. Como eu me sinto o último dos caçadores."


"As mulheres viam-me às costas dos rapazes e , apoquentadas, viravam a cara. É nessa posição, às cavalitas, que as madrinhas...transportam para as cerimónias as meninas que se vão transmutar em mulheres...não me perdoavam: eu antecipava e desarrumava um momento que se queria recatado e sagrado. Filha e neta de assimilados, eu não cabia num mundo guiado por arcaicos mandamentos. O meu pecado tornava-se mais grave por causa dos tempos de crise que vivíamos. Quanto mais a guerra nos roubava certezas, mais carecíamos da segurança de um passado feito de ordem e obediência."


                                                   MIA COUTO

                                           ( "A Confissão da Leoa")

26 comentários:

  1. Tudo o que é de Mia Couto é como uma referência.
    Ainda não li, mas a minha filhota recebeu como prenda e tem para emprestar à mamã.
    Adorei Sãozita.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  2. Que engraçado, também mo ofereceram como prenda de anos, rrss

    Eu achei o livro muito bom. Depois me dirás a tua opinião.

    Sonhos deliciosos, meu anjo.

    ResponderEliminar
  3. Fã incondicional do Mia Couto, adorei A Confissão da Leoa.
    Só o imaginário dele podia resultar num livro assim.

    ResponderEliminar
  4. Tudo que li de Mia Couto gostei, e até mesmo uma ou outra entrevista , também .
    Há alma naquele peito .
    Quanto a este livro, não conheço , mas fiquei curiosa .

    Obridada , São , pela partilha .

    Abraço grande ,
    Maria

    ResponderEliminar
  5. Gosto muitíssimo de Mia Couto e já li muita coisa dele, inclusive poesia.Mas, realmente, para mim este é extraordinário.

    Adoro aqueles textos em que ele foca um tema e o aborda com uma inteligência penetrante e uma frontalidade corajosa.
    ´
    É uma pessoa a sério, com sensibilidade e alma.

    Que tenha bom dia, PEDRO

    ResponderEliminar
  6. MARIA, se os outros te agradaram, penso que este ainda te agradará mais.

    Eu li-o de um fôlego, embora nunca seja muito lenta a ler um livro.

    Abraço grande.

    ResponderEliminar
  7. ¡qué poco nos llega de la literatura actual en portugués a este otro lado de la Península, querida amiga!
    Besos.

    ResponderEliminar
  8. Bom dia São!!!
    Ainda não tive a oportunidade de ler este livro, mas um dia vou querer ler...pois gostei da sua resenha.
    E quanto ao nosso dia das crianças, no Brasil comemoramos no dia 12 de outubro. rsrsr
    Feliz e Abençoada Semana!!!
    Abraços da Bia!!!

    ResponderEliminar
  9. Na minha lista...

    Beijos e obrigado pelos excertos apetitosos.

    Beijo

    ResponderEliminar
  10. Oi, São!
    Sou apaixonada por tudo que Mia Couto escreve ou fala! :) Esse livro ainda não li, mas já o tenho aqui. Está na espera da leitura de outros livros... acho que vou passá-lo à frente... rs.
    Beijus,

    ResponderEliminar
  11. Olá São!
    Uma ótima dica! Pela maneira com que escreveu, dá vontade de começar a ler hoje. Nunca li nada de Mia Couto. Já anotei!
    Abraço!

    ResponderEliminar
  12. Li um único romance de Mia Couto, há uns bons anos, talvez 20, na altura em que se começou a falar mais dele em Portugal. Tenho de retomá-lo ;)
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  13. Interessante, visitei o blog do Arabe e lá li um comentário seu e resolvi vir pra cá para comentar o seu comentário. kkkkk
    Acabei visitando seus blogs e encantando-me com com os textos.
    Também sou bipolar. Atualmente não sinto vontade de ler livros, pode ser que a vontade volte. Mas gostei muito da sua crítica sobre sua leitura.

    beijos

    ResponderEliminar
  14. Infelizmente, tens toda a razão : é como se oceano nos separasse!

    O que sei da literatura espanhola actual a ti o devo.

    Grato abraço, querido PEDRO.

    ResponderEliminar
  15. Bem vinda, BIA!

    Que engraçado: o nosso é em dia e mês bem diferente, rrss

    Se um dia o ler , me dirá o que pensa dele, sim?


    Bom final de semana.

    ResponderEliminar
  16. PÉROLA, grato abraço.

    Mas , tenho que confessar, a ideia de colocar excertos, copiei-a da Teté(Blogue Quiproquó), rrss


    Bom final de semana

    ResponderEliminar
  17. Passe à frente, porque acho que não se irá arrepender e depois me diz a opinião...

    Bom final de semana, LUMA

    ResponderEliminar
  18. Nunca leu? Nem mesmo a carta que escreveu ao Presidente norte-americano ou aquela dirigida à geração que não soube educar as suas crianças?

    Então, CLAUDINHA, comece por este, porque penso que gostará.

    Bem haja!

    ResponderEliminar
  19. Aconselho , então, o recomeço por este...

    Beijinhos, GATA

    ResponderEliminar
  20. UMA APRENDIZ, seja bem vinda !

    Grato abraço pela gentileza das suas palavras e volte sempre, rrss

    Bem haja!

    ResponderEliminar
  21. ,
    ai, Mia Couto !!!!!
    ,
    O mar foi ontem
    o que o idioma pode ser hoje,
    basta vencer alguns Adamastores.
    ,
    in - Mia Couto
    ,
    São se for possivel,
    volta ao meu Blog,
    só (agora),está completo .
    ,
    Marés de afectos, deixo,
    *

    ResponderEliminar
  22. Desde que tenha transmitido algo bom, é o mais importante!

    ResponderEliminar
  23. Lo que han sufrido y sufren las mujeres en todas partes del mundo es terrible.

    ResponderEliminar
  24. Terrível e completamente injustificável: como é possível acontecerem estas atrocidades no século XXI?!E, pior, é a alienação das vítimas, que leva a que nem se revoltem!

    Bom final de semana, Toro

    ResponderEliminar
  25. Mia Couto nunca escreve futilmente


    Bom final de semana,DIANA, rrss

    ResponderEliminar
  26. Amigo, aos teus blogues voltei e neles escrevi o que penso.

    Que a língua portuguesa viva , mas não direcionada por decreto!

    Beijinhos afectuosos, POETA

    ResponderEliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...