sábado, 23 de julho de 2022

CITAÇÃO : MICHAEL MOORE , REALIZADOR DE CINEMA (EUA)

 "Temos que assumir: 

amamos mais as nossas armas do que as nossas crianças "

30 comentários:

  1. Que pena! beijos, lindo fim de semana! chica

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E totalmente imperdoável.

      Sabe-se que num qualquer guerra as crianças também morrem, mas é inevitável ...porém nos EUA é a falta de bom senso e a força da indústria de armamento que faz com que qualquer criatura desequilibrada ou simplesmente má compre uma arma e assassine quem lhe aprouver - como aconteceu mais uma vez neste fim de semana: um casal e a filha de seis anos foram mortos a tiro num parque.

      Beijinho, boa semana

      Eliminar
  2. Pensamento muito sério que, parece, a verdade não contestará.

    Beijo
    SOL da Esteva

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os EUA não amam ninguém : só o lucro e os seus interesses !

      Abraço, boa semana

      Eliminar
  3. Mi muy querida Sao.

    Al respecto de las armas recuerdo mucho el discurso de Cantinflas al final de su gran pelicula : Su excelencia.

    Recibe mi abrazo con inmenso aprecio.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querido Ricardo, também tenho esse discurso presente.

      Aliás, sempre admirei Mário Moreno.

      Meu estimado amigo, grande abraço e voto de excelente semana :)

      Eliminar
  4. Respostas
    1. O que se passa quanto a armas nos EUA é insano ...

      Abraço, boa tarde

      Eliminar
  5. Respostas
    1. Sempre considerei aquela sociedade completamente doente e piorou desde a ascensão de Trump...

      Abraço

      Eliminar
  6. Temos de tomar consciência do que se passa no mundo.
    Há que fazer meia volta e assumir a nossa humanidade.
    Bom fim de semana, querida São.
    Beijinhos
    Olinda

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Querida Olinda, tem toda a razão, porém não me parece que seja esse o caminho que, só por exemplo, os EUA , Rússia , Israel, Arábia Saudita queiram tomar .....

      Minha amiga, beijinho de excelente semana :)

      Eliminar
  7. Infelizmente e o que acontece na guerra entre a Rússia e Ucrânia
    Quantas crianças já morreram?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não tantas como nos já longos anos de guerra no Yémen, de certeza .Até porque as iemenitas também morrem de fome , de falta de cuidados de todo o tipo e a Europa não lhes abre a porta.

      Infelizmente, numa guerra é inevitável a morte de pessoas , incluindo crianças.

      Num país em paz como os EUA é inconcebível e um absurdo inominável que as crianças sejam mortas a tiro num parque ou na escola e que a solução aprovada pelo Supremo Tribunal é a de que todas as pessoas passem a andar armadas. Assim como os professores (depois de um treino de 48 horas) no Ohio!!

      Boa semana

      Eliminar
  8. Michael Moore igual a si próprio. Assertivo e corrosivo.
    Votos de um excelente fim de semana, amiga São!
    Beijinhos, com carinho e amizade.

    Mário Margaride

    http://poesiaaquiesta.blogspot.com

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E dizendo sempre a verdade.

      Grande abraço, meu amigo, boa semana

      Eliminar
  9. Olá, querida amiga São!
    Incrivelmente verdadeiro. É lamentável!
    Que guerra horrenda para os meninos e idosos, sobretudo.
    Tenha um final de semana abençoado!
    Beijinhos 💐

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem vinda, minha amiga!

      Concordo: todas as guerras são um horror. Tudo piora quando, como nos EUA, quem detém o Poder se recusa a controlar as armas , apesar dos assassinatos recorrentes .

      Abraço , minha querida Rosélia,

      Eliminar
  10. Olá, querida amiga São!
    Incrivelmente desolador é a constatação do pensamento postado.
    Tenha um final de semana abençoado!
    Beijinhos 💐

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Lamentavelmente, minha amiga, a Humanidade não aprende com erros

      Deus a proteja e aos seus, querida amiga, feliz semana

      Eliminar
  11. E assim a Humanidade se vai suicidando.
    Abraço, saúde e bom domingo

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso mesmo : estão assassinando o futuro da espécie racional

      Beijinho, boa semana

      Eliminar
  12. Todos sus reportajes son buenísimos.
    Besos.

    ResponderEliminar
  13. A guerra infame da Ucrânia assim o mostra, INFELIZMENTE.
    .
    Um domingo feliz
    .
    Pensamentos e Devaneios Poéticos
    .

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. A guerra na Ucrânia é infame como sempre foram , são e serão todas as guerras - causando vítimas inocentes .

      Porém, nos EUA a infâmia é maior ainda porque as crianças assassinadas por criaturas sem resquicio de humanidade são-no porque quem detém o Poder cede aos interesses e à ânsia de lucro dos fabricantes de armas !

      Cordiais saudações e boa semana

      Eliminar
  14. Infelizmente é o que está acontecer com essa horrível guerra
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O pior é que nos EUA não existe senão a guerra entre o direito das pessoas viverem em paz e o lucro obsceno da indústria de armamento... e as crianças vão sendo assassinadas ( mais uma , com seis anos, neste fim de semana - tal como os pais).

      Abraço

      Eliminar
  15. Uma verdade absoluta, no país do faroeste... onde uma guerra legalizada, com vitimas diárias ocorre com a conivência da maioria... para incompreensão mundial!... Se todos têm uma arma... para que são lá necessárias as forças policiais?... Talvez para sufocar quem não devem... ou balearem 60 vezes, pessoas completamente desarmadas, como aconteceu há pouco tempo, numa recente perseguição a um jovem em fuga...
    Beijinhos
    Ana

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Bem vinda !


      Sempre considerei a sociedade estado-unidense patológica e desequilibrada e Trump conseguiu a façanha de a piorar mais ainda.

      A criatura defende a venda e uso de armas , mas na Convenção onde mais uma vez o fez , todas as armas ficaram à porta!!

      A isto chama-se uma cínica hipocrisia!!

      Beijinho, Ana, sonhos bons.

      Eliminar

Grata pela vinda!

Não saia sem comentar: a sua opinião importa
(-me).

E volte, em paz...